Protesto, choro e briga em casa: Deyverson 'apaga' tudo e festeja gols

Deyverson classificou a vitória por 2 a 0 sobre o Flamengo, neste domingo, como seu jogo "mais saboroso" pelo Palmeiras. Antes de marcar os dois gols, o atacante passou por maus bocados: chorou com a cobrança da torcida, que chegou a pedir sua demissão em protesto na frente da Academia de Futebol antes da partida, e viveu uma crise com a esposa.

- Se eu disser para você que não fiquei triste e que não chorei, será mentira. Eu chorei, realmente, porque são cobranças fortes que você ouve, mas o torcedor tem direito de cobrar. Eu respeito, porque o torcedor é de carne e osso também. O que não admito é agressão. Respeito a cobrança, podem me xingar, podem falar o que quiser, mas não toca a mão em mim. O respeito é a melhor coisa que tem. Falar, pode falar o que quiser, porque vai entrar em um ouvido e sair no outro - disse o camisa 16, que relatou momentos tensos durante a manifestação de domingo:

- É normal a cobrança da torcida. Não é normal quando passa dos limites. Ontem teve uma cena que chateou todos os jogadores. Um torcedor acho que jogou uma pedra e bateu no vidro. Os estilhaços bateram na nutricionista, bateram no Jailson e no Keno. Na van também, quase cegou o nosso fotógrafo, porque pegou um estilhaço no olho dele. A gente fica chateado, porque todos nós temos família, somos seres humanos, alguns têm filhos. Enfim, acho que a cobrança é normal e todo clube passa por isso. Eu estive na Europa, e o Barcelona, o Real Madrid e o Alavés passam por cobrança também. A cobrança vem para você melhorar, e eu tiro isso como um aprendizado na minha vida.

Deyverson poderia ter rebatido as críticas da torcida após marcar os seus gols no domingo, mas preferiu olhar para o camarote onde estava sua esposa e fazer um coração com as mãos. Um símbolo de que os problemas que o jogador vinha tendo fora de campo estão resolvidos.

- Como eu sempre falei, todo mundo passa por momentos difíceis na vida. E todo casamento tem discussão. Eu passei por momentos difíceis com ela, mas graças a Deus está tudo bem. Antes de vir para o treino, a gente estava conversando e lembrando dos momentos bons, porque no começo tudo é bom, tudo bonito. Depois você vai conhecendo a pessoa melhor. A gente viveu cinco anos juntos na Europa sozinhos, e viver a dois é diferente de morar na rua do lado. Mas graças a Deus nosso casamento está blindado. Briga vai acontecer, mas agora com mais cabeça - festejou o jogador.

Gols, vitória, paz com a esposa... Tudo resolvido? Não. Na saída do Allianz Parque, Deyverson teve de driblar mais um problema. Ele explicou nesta segunda-feira o motivo de ter passado depressa pela zona mista da arena:

- Minha coletiva é sempre a mais engraçada, porque eu sempre tenho alguma coisa para apimentar a conversa (risos). Eu estava cansado ontem e não passei na zona mista por isso. Quando a gente está desgastado, tem uma vontade de vomitar. Eu estava cansado, com vontade de vomitar, então eu quis passar rápido. Eu não poderia passar direto por respeito a vocês, mas passei rapidinho - contou.

Deyverson, 26 anos, ainda tem contrato com o Palmeiras até junho de 2022. Ele foi contratado no meio desta temporada por R$ 18 milhões e vinha sendo criticado, pela torcida e por conselheiros, por ter marcado poucos gols e por não ter se firmado como titular. Agora são cinco bolas na rede em 17 partidas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos