Petros: "Se mostrássemos fraqueza, o São Paulo estaria rebaixado"

A temporada do futebol brasileiro ainda não acabou, mas o São Paulo, que ainda tem quatro jogos a cumprir no ano, está de olhos bem abertos em 2018. Para o volante Petros, um dos símbolos da retomada da equipe neste Brasileirão, o longo tempo amargando a luta direta contra o rebaixamento à Série B serviu de aprendizado e amadurecimento para o grupo e comissão técnica. Apesar de ainda brigar por uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores e não saber exatamente quais competições irá disputar a partir de janeiro, o Tricolor espera manter a mesma garra desse fim de temporada e voltar a ser protagonista nos torneios que disputa.

"Se o grupo demonstrasse fraqueza, sem dúvida o São paulo estaria rebaixado há três meses. Todo esse sofrimento, que apanhamos, escutamos, isso fortaleceu o grupo de um jeito que ninguém pode imaginar, por isso precisa manter essa base. Doeu muito escutar o que escutamos, passar 13 rodadas na zona de rebaixamento. Estamos muito fortalecidos como grupo. Por isso, é importante manter a base, porque será um ano muito vitorioso", disse o camisa 6 são-paulino nesta terça-feira.

Na opinião do meio-campista, o clube do Morumbi aprendeu com os erros e não irá repetí-los. Afinal, pela primeira vez em sua história, o Tricolor passou tanto tempo na zona de rebaixamento e, mesmo com o momento ruim dentro de campo, a torcida não abandonou o time e demonstrou muita força nas arquibancadas. É, nas palavras do atleta, o aprendizado através do sofrimento.

"Em alguns momentos, você precisa sofrer para aprender, e o São Paulo viu que precisa voltar a ser modelo de gestão, uma equipe campeã pela sua torcida. Com certeza, diretoria e Dorival montarão equipe para ter vitórias. Pouco clubes têm essa estrutura, com esse modelo de gestão e essa condição financeira, com os funcionários que tem, desde quem limpa. O São Paulo não pode disputar coisas pequenas", cravou Petros ao fim da entrevista.

Confira mais trechos da entrevista do volante são-paulino:

Sobre uma possível vaga na Libertadores vir de lambuja

"Não seria de lambuja, não é o melhor termo, porque é um trabalho consistente, visando coisas grandes, como São Paulo merece. Mas é um ano difícil. Sempre fui contra a situação da Libertadores, essa euforia. Talvez nem todos estejam acompanhando futebol sul-americano, mas Lanús é um equipaço, dará trabalho na final da Libertadores. Contam com Flamengo e Grêmio como campeões. Colocam G9, e tem final. Como falavam que estávamos rebaixados, faltando um turno inteiro. Se ganharmos quatro jogos, o que é muito difícil, você pode chegar e, se Flamengo e Grêmio forem campeões, tudo bem. Mas a nossa concentração é livrar o São Paulo deste ano que não foi tão bom nem condiz com a camisa do clube"

Equipe amadureceu no fim da temporada?

"Em uma das minhas primeiras entrevistas, falei que o São Paulo precisou reformular o grupo, não porque quis, mas que, a médio prazo, seria uma equipe muito forte. Que pena que não temos mais nove jogos, não só quatro. Nossa equipe cresceu muito, adquiriu maturidade que Dorival quis. Que pena que só tem mais quatro jogos"

Libertadores ou fuga do rebaixamento? Qual é o foco?

"Se pudesse sair matéria com matemático dizendo que São Paulo está livre do rebaixamento, seria ótimo. Mas sabemos que precisamos de 47 pontos. Se conseguirmos ainda uma classificação para um torneio tão importante, coroaria um ano de trabalho muito difícil"

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos