Presidente do Cruzeiro rebate críticas e se posiciona sobre dívidas do clube

O atual presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, concedeu entrevista coletiva e fez uma série de esclarecimentos na Toca da Raposa II. Deixando o cargo no fim deste ano, ele se posicionou sobre algumas das dívidas do Cruzeiro na Fifa. Gilvan fez questão também de rebater as acusações de Itair Machado, futuro vice-presidente do Cruzeiro, sobre o montante total da dívida do Cruzeiro.

Nas últimas semanas, o levantamento de débitos se tornou público e assustou o torcedor do clube: são quase R$50 milhões de saldo devedor. Conselheiros chegaram a solicitar abertura de investigação contra a gestão de Gilvan após a divulgação desses números, para investigar as contas relativas à administração da sua gestão.

- Nada do que estão dizendo condiz com a verdade. O futuro vice-presidente de futebol declarou recentemente que o Cruzeiro devia 500 milhões. Na última entrevista que ele concedeu para o O Tempo, ele diminuiu esse valor para 200 milhões. Fizeram uma representação ao conselho pedindo a formação e uma comissão para apurar diversos fatos, que ele alegou nessa petição ao presidente do conselho, misturando aquilo que o vice-presidente de futebol mais o que esse conselheiro (Guilherme Cruz) arguiu - declarou o presidente.

Ao fim de novembro, o conselheiro nato do clube, Guilherme Oliveira Cruz, que representa um grupo de conselheiros questionou a dívida de os R$ 50 milhões junto à Fifa por estrangeiros e a negociação envolvendo a contratação do atacante Gonçalo Latorre - quesequer chegou a atuar pelo profissional, conforme acertado quando negociaram com o jogador.

- Eles falam da dívida do Cruzeiro com ações na Fifa. O Cruzeiro foi sim acionado por clubes, por agentes, na Fifa, e a soma daquilo que eles pedem daria as cifras de 50 milhões de reais. É verdade, existem essas reclamações. O Cruzeiro contratou um advogado importante na área. Ele tem nos colocado tranquilo em relações aos fatos. Estamos nos defendendo. Não existe nada daquilo que foi alegado que o Cruzeiro poderia, inclusive, ser rebaixado - ressaltou Gilvan.

Durante a entrevista, o presidente do Cruzeiro também se posicionou sobre a contratação do uruguaio Gonzalo Latorre. Ele reiterou que a contratação foi uma espécie de condição para a contratação de Arrascaeta. Pela dupla, a Raposa é acusada de dever na Fifa um total de R$16.463.185,00.

Gilvan enfatizou que a crise financeira é contornável pela qualidade do elenco que o Cruzeiro possui e pela possibilidade de negociar jogadores. Ele negou que a dívida atual do clube seja de 50 milhões.

- Deixamos a essa diretoria uma disputa de Libertadores, que aumenta a receita de bilheteria e valoriza os atletas do Cruzeiro, até se quiserem vender atletas para fazer caixa. Só a venda de um atleta como o Arrascaeta pagaria tudo que existe de divida, até porque não são 50 milhões. Vários (processos) já saíram, pois já foram feitos acertos com os respectivos clubes.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos