Com Raí, São Paulo espera ter mais harmonia e gestão descentralizada

A contratação de Raí como diretor executivo de futebol é apontada como uma nova era no São Paulo, e não apenas pela chegada de um ídolo que passa a ser dirigente. O presidente Carlos Augusto de Barros e Silva e seus aliados apostam no perfil mais apaziguador do ex-meia, diferente do que relatam a respeito de Vinicius Pinotti, seu antecessor no cargo.

Pinotti pediu demissão na quarta-feira por divergências com Leco. O agora ex-diretor queixava-se das intromissões do mandatário, principalmente em negociações - a informação de que poderia estar conversando sobre liberar Pratto para o Cruzeiro teria sido a gota d'água. Mas, no CT da Barra Funda, há funcionários que apontam Pinotti como um centralizador, que pouco permitia a participação de outros em suas decisões.

Pinotti tinha como trunfo, segundo alguns jogadores, sua disposição em ajudá-los em qualquer tipo de problema, inclusive fora de campo. Mas acredita-se que Raí, ex-atleta, pode oferecer a mesma disposição e, ao mesmo tempo, harmonizar ainda mais o ambiente com seu estilo aglutinador, até com uma personalidade que consiga controlar e amenizar mais qualquer problema no CT da Barra Funda.

Segundo aliados de Leco, pesa a favor de Raí, na comparação com Pinotti, o seu preparo para a função. Enquanto Pinotti era visto como um empresário cheio de vontade de ajudar por ser apaixonado pelo Tricolor, o ex-meia tem em seu currículo cursos de gestão esportiva, como o Mestrado Executivo da Uefa para Jogadores Internacionais, que durou dois anos e teve etapas em Londres (Inglaterra), Nyon (Suíça), Paris (França), Munique (Alemanha), Amsterdã (Holanda), Barcelona (Espanha) e Nova York (Estados Unidos).

Na questão administrativa, aliados de Leco ressaltam não só suas experiências como empresário, incluindo na Fundação Gol de Letra, mas também seu conhecimento sobre a situação do São Paulo, já que ocupou o Conselho de Administração do clube desde maio - sua vaga será ocupada por Marcio Aith, que deixa a diretoria de comunicação e marketing para coordenar a campanha do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), à Presidência da República.

Todos são pontos em que Leco aposta para solucionar problemas depois de um ano atribulado, com demissão de Rogério Ceni como técnico, desmanches no elenco e briga contra o rebaixamento no Brasileiro. Além, claro, do histórico de Raí dentro de campo: 395 jogos, 128 gols e campeão paulista em 1989, 1991, 1992, 1998 e 2000, brasileiro em 1991, da Libertadores em 1992 e 1993 e mundial em 1992.

- Recepciono de volta esse campeão de tudo pelo São Paulo, este ídolo do São Paulo, este homem que fez tudo pelo São Paulo. É um homem vitorioso e bem-sucedido em tudo que fez na vida. O São Paulo o traz como executivo de futebol, e ter o Raí aqui é um motivo de grande alegria - disse Leco na apresentação do ex-meia, tentando, publicamente, amenizar as divergências com Vinicius Pinotti.

- Isso ocorre em qualquer circunstância de relacionamento. Quero enfatizar que a decisão tomada pelo Vinicius Pinotti não reduz apreço, respeito e admiração que tenho por ele. Não tem qualquer significado negativo e sinto pena que ela tenha ocorrido por conta de suas qualidades pessoais. Ele tem sua importância no São Paulo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos