L! detalha Anselmo Ramon: quem é, salários, números e características

1,82 m, peso sempre na casa dos 80kg, menos de 30 anos, experiência nacional e internacional, passado de gols, embora já tenha convivido com momentos de seca e como um centroavante típico, está longe de ser um jogador veloz: este é o Anselmo Ramon, atacante do Hangzhou Greentown, da China, há quase quatro temporadas, e que pode reforçar o Botafogo em 2018 e substituir Roger, que foi para o Internacional. É um bom nome para o Alvinegro se reforçar? Para começar a discussão, falemos um pouco sobre o histórico do "Ramonstro".

Baiano de Camaçari, o atacante acertou com o Cruzeiro há dez anos, após uma excelente Copinha pelo Bahia. Nos primeiros anos de Raposa, ficou como opção nas categorias de base. Subiu, nem estreou, e foi emprestado. Foram oito times até o time Celeste enxergar que a hora do retorno, em 2011:Itaúna-MG, Cabofriense-RJ, Kashima Reysol, do Japão, Rio Branco-SP, Avaí-SC, CFR Cluj, da Romênia e Oeste-SP. No time do Rio, fez apenas um gol, contra o Fluminense, em vitória por 3 a 1 no Campeonato Carioca de 2009.

Não marcou nos times de fora do Brasil e nem no Avaí, mas foi goleador no Rio Branco e no Oeste. Neste último, por sinal, foi vice-artilheiro do Paulista de 2011, com dez gols, apenas um a menos que Liedson e Elano. Este desempenho fez a Raposa trazê-lo de volta.

Estreou com gol pelo Cruzeiro. Foi no empate em 1 a 1 com o Palmeiras, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Foram 26 jogos e 10 gols. No ano seguinte, um pouco mais: 41 jogos e 13 bolas na rede, quase sempre atuando os 90 minutos. Ele encerrou aquela temporada como o vice-artilheiro do time mineiro, atrás apenas de Wellington Paulista. Em 2013, foram mais dois gols em jogos oficiais e um terceiro em amistoso. Essa foi uma temporada sem espaço para ele. Com o alto investimento da Raposa, que acabara campeã brasileira, houve muita concorrência: Ricardo Goulart, Everton Ribeiro, Borges e Dagoberto. Ao todo, foram 84 jogos oficiais e 25 gols.

Gols e desvalorização na China

No início de 2014, em fevereiro, mais um empréstimo, agora para o Hangzhou Greentown. Um ano depois, foi vendido para o mesmo clube, por cerca de R$ 8 milhões. Foram 41 gols em 88 jogos, mas o time caiu à segunda divisão em 2016 e não conseguiu o retorno nesta temporada. Com o contrato no fim e o clube chinês necessitando de uma reforma, pode perder espaço.

Se muitos jogadores da elite chinesa voltam ao Brasil e sofrem com adaptação, porque um atleta da divisão de acesso daria certo? E porque o investimento é válido? A resposta pode estar no salário: ele deixou o Cruzeiro ganhando menos de R$ 150 mil, algo dentro da faixa que o Botafogo quer e pode pagar. É claro que a inflação do período faz com que esse salário fosse outro hoje. Por outro lado, fez um "pé de meia" na China e pode aceitar ganhar algo em torno do que ganhava em Minas. Além disso, de acordo com o site transfermarkt, ele se desvalorizou desde a saída da Raposa: Hoje, vale cerca de ? 550 mil. Saiu do Cruzeiro valendo algo em torno de ?750 mil

A questão salarial, inclusive, é um dos fatores que faz o Botafogo chegar hoje ainda sem um centroavante para 2018. Roger, que ganhava na casa dos 130, pediu 250 para o Botafogo e não houve acordo. Este foi o mesmo valor desejado por Rafael Moura e um pouco acima do que quis Gilberto.

Opinião dos especialistas:

Eduardo Mansell - Editor do LANCE!

Anselmo Ramon como o camisa 9 para 2018, com todo o respeito ao jogador, é ironizar o sentimento da torcida que sonha com um time no mínimo competitivo, como foi o de 2017. Não é possível que o departamento de futebol não pense em alternativas um pouco mais à altura da história do Botafogo. E não precisa ter o bolso cheio de dinheiro, mas sim criatividade. Trata-se de um jogador que não vai acrescentar em nada ao time e dificilmente emplacará uma sequência como titular. Para contratá-lo, melhor permanecer com Vinícius Tanque e apostar em outros da base, como Renan Gorne. Ambos com mais qualidade que o pretendido reforço.

Leonardo Pereira - Editor do LANCE!

Vejo Anselmo Ramon abaixo de Roger. Teoricamente, o Botafogo sai perdendo nesta "troca". O novo reforço é um atacante que nunca se firmou no futebol brasileiro. Na única passagem por um clube grande (o Cruzeiro), não deixou saudade. Espero vê-lo provar que este reles editor está equivocado.

Vinicius Grissi - Rádio Transamérica de Belo Horizonte

O Anselmo Ramon alternou muitos altos e baixos com a camisa do Cruzeiro. É um atacante que tem presença de área e apesar de não ter tanta mobilidade é bem ágil. A principal marca dele em BH foi aparecer bem nos momentos em que o clube mais precisou, embora tenha brilhado pouco. Acho que pode ser um bom nome para o Botafogo, principalmente levando em conta a quantidade de jogadores que elevaram o potencial nas passagens recentes pelo clube. Vejo muitas características parecidas com as de Roger, que foi bem neste ano. Acho que o Anselmo vai ajudar bastante se fechar. Acho bem parecido mesmo com o Roger em características. É bem melhor que o Rafael Moura.

Felippe Rocha - Repórter do LANCE!

Aparentemente, o 2017 de Anselmo Ramon não foi bom, mas ele é três anos mais novo que o Roger, por exemplo. Se ele mantiver a média de gols do Roger e conseguir contribuir fazendo o pivô, por exemplo, ele será útil. Agora, tem que ser dentro da realidade financeira do Botafogo. Não pode ser algo estratosférico como recebia na China.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos