Rafinha não descarta ficar no Bayern, mas admite ofertas do Brasil

O lateral-direito Rafinha, do Bayern de Munique, segue com futuro incerto. São três opções: cumprir o contrato com o clube alemão até o meio do ano, renovar por mais duas temporadas ou retornar ao Brasil já em janeiro. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o jogador de 32 anos disse que deseja ter uma resposta nos primeiros dias de 2018.

- Eu gostaria muito que isso se decidisse rápido, mas não posso pressionar o Bayern de Munique. Sei que sou importantíssimo, eles já deixaram bem claro que a vontade é continuar comigo. Não posso pressioná-los a me liberar. Se eu não for continuar aqui, no máximo até o começo de janeiro já vou saber qual vai ser meu próximo clube. No mais tardar, no começo de janeiro, a gente já resolve - disse Rafinha, que admitiu ter ofertas de clubes brasileiros em mãos:

- Já recebemos propostas, mas prefiro não falar sobre isso para não criar expectativa nas pessoas. Acho que quem poderia responder essa pergunta seria o Lincoln. Eu, para não criar ansiedade e esperança para nenhum torcedor, prefiro não falar quais são os clubes. Não sou hipócrita de falar que não tem propostas. Tenho, sim, propostas de clubes do Brasil.

Como o LANCE! já mostrou, o Palmeiras tem boas chances de ser o destino de Rafinha caso ele decida retornar ao Brasil. A estrutura do clube, a condição de oferecer um salário alto e a amizade do jogador com Fernando Prass, seu companheiros nos tempos de Coritiba, são trunfos do Verdão. Torcedores do clube têm lotado as redes sociais do atleta, mas não são os únicos:

- Todos os dias recebo mensagens de brasileiros falando para eu voltar. Palmeirenses, cruzeirenses, flamenguistas... Já me colocaram em uns três, quatro times (risos). O carinho é enorme. Fico feliz, mas tenho contrato ainda aqui no Bayern. Por respeito ao clube, que tanto fez por mim, vou esperar eles se posicionarem e depois vou tomar uma decisão.

Rafinha já declarou outras vezes que cogita seriamente retornar ao Brasil no próximo ano, mas destaca que há, sim, chance de permanecer na Alemanha. Ele não acredita que jogar em um clube brasileiro lhe deixará mais perto de realizar o sonho de jogar a Copa do Mundo de 2018.

- Com todo o respeito aos clubes brasileiros, mas estou jogando em um dos três melhores clubes do mundo. Nessa temporada, em 20 jogos, comecei 14 como titular. A comissão técnica da Seleção está me observando, o Tite me convocou em dois amistosos em 2017. O pessoal fala que estando no Brasil a chance aumenta, mas o nível na Europa é altíssimo e jogando aqui eu também tenho chances de estar na Copa do Mundo, que é o meu desejo, é o que falta para mim. Acho que tanto aqui no Bayern quanto no Brasil o que vai importar é meu trabalho, se estou jogando bem ou não. As possibilidades seriam as mesmas.

- Tenho possibilidade de renovar por mais dois anos com o Bayern. Nunca dei trabalho aqui, sempre fui profissional, conquistei todos os títulos possíveis... Criei uma história dentro desse clube, então a vontade do clube é continuar comigo - completou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos