David Braz celebra marcas individuais e espera nascimento da filha em 2018

  • REUTERS/Leonardo Benassatto

Um dos líderes do elenco e partindo para o seu sétimo ano de Santos, David Braz fala em nome de seus companheiros com muita propriedade, principalmente de quem teve em 2017 um de seus melhores anos da carreira dentro e fora dos gramados. Claro que um ano sem títulos e com inúmeras turbulências no clube, não pode ser 100% feliz, mas o zagueiro tem certeza de que 2018 será diferente e terá motivos de sobra para comemorar.

E a grande felicidade de David será o nascimento de sua filha, previsto para meados do ano que vem e que fará companhia a David Neto, seu primogênito de 3 anos. A menina ainda não veio ao mundo mas já foi homenageada pelo pai com gol e comemoração diante do Atlético-MG, em vitória por 3 a 1, na Vila Belmiro, pelo Brasileirão.

Para completar, o camisa 14 comemora ano em que marcou mais gols atuando pelo Peixe. Ao todo, somando todas as competições, foram seis, igualando o número registrado em 2014. Agora ele soma 17 tentos desde a sua chegada e está a três de alcançar Alex (20 gols), zagueiro com mais gols na história do clube.

Antes de aproveitar as férias com a esposa e os filhos e sincero como sempre, David Braz falou ao LANCE! de todos os assuntos que cercaram a temporada do Santos em 2017. Entradas e saídas de jogadores, trocas de treinador, críticas à gestão do futebol do clube, e dos momentos bons e ruins que passou nos últimos 12 meses.

Confira a entrevista completa com o defensor:

Como avalia o ano do Santos e o que faria diferente?
O time tinha qualidade, o grupo é unido... Acho que faltou um pouco de planejamento, tivemos situações que foram difíceis de lidar. Foram muitas mudanças, de comissão técnica, jogadores... No Brasileiro mesmo foram 48 jogadores que participaram, e ainda ficamos entre os quatro primeiros. Eu acho que as mudanças atrapalharam um pouco por começarmos com uma equipe e terminarmos com outra. Acho que para o próximo ano vamos ter que começar a planejar o treinador, uma equipe, um esquema de jogo, para não rolar tantas mudanças ao longo da competição.

O que pode tirar de saldo positivo em 2017?
Faz um tempo que o Santos está entre as melhores defesas. Quebramos o nosso recorde de gols sofridos nos pontos corridos. No ano passado sofremos 35 gols e nessa temporada foram apenas 32. Desde o ano retrasado estamos entre as três melhores defesas da temporada, estamos entre as equipes que menos tomamos gol. Eu fico muito feliz em saber que melhoramos. Que em 2018 possamos ajudar para conquistar títulos.

Acredita que foi um dos melhores anos da sua carreira?
Foi um dos melhores anos, sim. Não posso deixar de lembrar de 2015, que foi muito bom e tive uma sequência muito boa. Mas nesse ano os números também foram muito bons, o desempenho, Vanderlei foi cotado para a Seleção, fico feliz por isso... Tive um ano muito bom, espero conseguir seguir assim em 2018.

E sua mulher soube que está esperando uma menina...
Está sendo bom demais, já estou experiente. Tenho o Neto, de três anos. Mas agora é novidade, por ser uma menina, será outro tipo de cuidado e experiência. Estou muito ansioso, quero saber se vai puxar a mãe... Mas foi uma das melhores coisas que me aconteceu. E é como falam, se eu soubesse eu teria filho antes, é muito bom. Na semana em que a gente soube do sexo, que era uma menina, fui abençoado e fiz um gol para ela na mesma semana, fiz a comemoração com a bola na barriga.

Qual foi o pior momento da temporada?
Um momento ruim é a Libertadores, fomos eliminados dentro de casa. Fomos bem, tivemos sete ou oito jogos de invencibilidade no campeonato, mas acabamos perdendo a oportunidade.

Como viu a saída de Lucas Lima?
Ele se despediu, a gente torce para que ele seja feliz, vamos manter a amizade, mas que não seja feliz contra a gente. Seja feliz em todas as outras oportunidades, mas não contra nós.

Mudou a relação com o Zeca após ele ter pedido para deixar o clube na Justiça?
Com o Zeca não tive contato, ainda não sei se vai sair. Só torço para que tudo desenrole da melhor maneira possível.

Sentiu muita pressão neste ano?
Houve muita cobrança, por ser ano político. Em 2014 foi a mesma coisa. Todos os anos temos cobranças, mas em anos políticos é ainda mais.

E agora as férias chegam para esquecer de tudo isso...
Nas férias vou aproveitar a família, meu filho, já que esse ano tivemos muitas viagens e ele está bem na escola, vou dar um tempo em tudo para ficarmos juntos. Lógico que vou me cuidar, para que eu possa chegar bem na pré-temporada. Vou me divertir, descansar, mas não vou deixar de me cuidar.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos