Marcos Guilherme defende decisão da comissão e projeta volta por cima

Provável titular no jogo da próxima quarta (24) contra o Mirassol, no interior paulista, o meia-atacante Marcos Guilherme aprovou a decisão do técnico Dorival Júnior em acabar com o rodízio de jogadores nas primeiras rodadas do Paulistão e escalar o que tem de melhor no elenco para o duelo válido pela terceira rodada do Campeonato Paulista.

Sem vitórias nas duas primeiras rodadas do estadual, o treinador são-paulino começa a sinalizar uma mudança de postura. Se antes acreditava no rodízio do elenco, o treinador agora sente a pressão da torcida por resultados positivos e começa a promover mudanças. Na visão de Marcos Guilherme, no entanto, a decisão de seu comandante é perfeitamente normal, haja visto que a equipe está na reta final da pré-temporada.

- O planejamento continua o mesmo. Claro que ele (Dorival) pode fazer algumas mudanças. Temos muitos jogos ainda. Queremos vencer e estamos tranquilos e confiantes para aquilo que poderemos fazer ao longo da temporada, disse o camisa 23 do Tricolor do Morumbi.

Peça essencial na reta final do Brasileirão do ano passado, o jogador está emprestado pelo Atlético-PR até o meio desta temporada e aposta em um bom desempenho nos primeiros meses do ano para ser contratado em definitivo pelo clube do Morumbi. Para alcançar o objetivo, Marcos Guilherme sabe que precisa conquistar títulos pela equipe e o Paulistão é visto como prioridade, haja visto que o São Paulo não vence o estadual desde 2005.

- O São Paulo é referência no Brasil e no mundo. Nós, jogadores, não podemos entrar nessa onda. Só nós vamos poder mudar isso (jejum de títulos). Temos a responsabilidade e sabemos do peso que é vestir essa camisa. A gente pode colocar o São Paulo onde ele merece, como nos anos anteriores, cravou o atleta, torcedor tricolor desde a infância.

Nesta temporada, assim como todo o elenco do Tricolor, o meia-atacante ainda não apresentou um bom futebol em campo. No jogo de estreia, contra o São Bento, em Sorocaba, entrou no segundo tempo e pouco tocou na bola. Na rodada seguinte, diante do Novorizontino, no Morumbi, o jogador teve uma atuação apenas regular diante de pouco mais de 17 mil torcedores.

Perguntado se a equipe carrega consigo o fantasma da temporada passada, quando quase foi rebaixada para a Série B do Brasileirão, Marcos Guilherme afirmou que a coincidência de maus resultados nada tem relação com as atuações ruins de 2017.

- Já é novo ano, novas expectativas. Não podemos carregar o que passou no ano passado agora. Não temos de carregar esse peso, concluiu o atleta, que tem 24 jogos com a camisa de seu clube de coração e seis gols anotados.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos