Com novo tipo de contrato, Crefisa ajuda Palmeiras a bancar Lucas Lima

A Crefisa vai ajudar o Palmeiras a bancar Lucas Lima. A patrocinadora arcará com metade dos salários do jogador e pagará as luvas e comissões da contratação, que totalizaram 5 milhões de euros (cerca de R$ 17 milhões quando o acordo foi fechado). Como mostrou o Estadão, esse auxílio será registrado em um novo tipo de contrato.

Para ajudar o Palmeiras a comprar Lucas Barrios, Vitor Hugo, Thiago Santos, Fabiano, Dudu, Guerra, Borja, Bruno Henrique e Deyverson, a Crefisa fez contratos de compra de propriedade de marketing. O clube vendia uma de suas propriedades para a patrocinadora e usava o dinheiro para trazer o jogador. Quando ele fosse negociado, a empresa receberia de volta apenas o valor aportado, sem correção.

A Receita Federal entendeu que este procedimento era ilegal, multou a Crefisa em mais de R$ 30 milhões em setembro do ano passado (valor já quitado) e solicitou que os contratos fossem alterados.

Agora, tanto com Lucas Lima quanto com todos os atletas trazidos anteriormente, o auxílio da Crefisa é registrado como um "empréstimo" ao Palmeiras. O clube precisa devolver o valor com uma remuneração baseada na taxa de CDI, de 0,5% ao mês. Essa operação financeira gera impostos, que a patrocinadora se compromete e pagar. Além disso, o Palmeiras agora precisa ressarcir a parceira mesmo que os atletas não sejam vendidos ou se forem negociados por valor menor que o investido.

Toda essa situação fez com que a colaboração da Crefisa nesta janela de transferências fosse mais tímida do que no ano passado. O único aporte acertado entre as partes até o momento é este com Lucas Lima. Todos os outros atletas contratados foram trazidos com recursos do Palmeiras.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos