Marin pede revisão de condenação e novo julgamento, diz site

Condenado por seis crimes nos Estados Unidos, o ex-presidente da CBF, José Maria Marin pediu, de acordo com o site Buzzfeed nesta segunda-feira, que sua condenação seja revista. Caso o recurso seja negado, a defesa do dirigente ainda pretende solicitar um novo julgamento. Ele está preso em Nova York.

A defesa de Marin alega que a promotoria do caso não conseguiu provar a relação do dirigente com as empresas de marketing esportivo, que admitiram ter conseguido contratos de transmissões de competições importantes através do pagamento de propina. Assim, as acusações não seriam válidas. A alegação dos advogados vão além e também questionam as escutas telefônicas e documentos apreendidos em um cofre de Kleber Leite, ex-presidente do Flamengo e dono da Klefer.

Outra tentativa da defesa do dirigente é o pedido para a realização de um novo julgamento, caso não tenha sucesso no pedido da revisão. Desta forma, os advogados vão alegar que as leis brasileiras são mais brandas em relação a propinas e comissões indevidas. A juíza do caso, Pamela Chen, no entanto, já rejeitou esse argumento anteriormente no julgamento.

O ex-dirigente foi considerado culpado em seis dos sete crimes nos quais foi enquadrado. Ou seja, ele foi responsabilizado por três crimes de fraude - nos esquemas da Copa América, Libertadores e Copa do Brasil -, dois de lavagem de dinheiro - Copa América e Libertadores - e por integrar uma organização criminosa dentro do futebol, que se espalhou pelas Américas do Sul, Central e do Norte.

A única acusação pela qual o dirigente foi inocentado é a de lavagem de dinheiro no esquema da Copa do Brasil. Marin foi acusado de receber US$ 6,5 milhões em propinas durante o período que passou na CBF - entre 2012 e 2015 - e fez parte do círculo da Conmebol, substituindo Ricardo Teixeira. A juíza Pamela Chen vai divulgar a sentença do caso no dia 4 de abril.

Aos 85 anos, Marin está preso desde o fatídico 27 de maio de 2015, quando foi capturado na Suíça, assim como outros dirigentes. Desde que foi transferido para os Estados Unidos, o brasileiro ficou em prisão domiciliar na Trump Tower, um dos endereços mais valorizados de Nova York.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos