"Meu ciclo no Monaco talvez esteja acabando", admite Fabinho

  • REUTERS/Stephane Mahe

Depois de ser campeão, o Monaco vive uma temporada mais perto da realidade do Campeonato Francês: briga por uma vaga na Liga dos Campeões com Olympique de Marselha, com quem faz confronto neste domingo, às 18h (de Brasília), e Lyon, enquanto vê o Paris Saint-Germain disparar na liderança. O brasileiro Fabinho, em entrevista exclusiva ao LANCE!, comentou sobre essa diferença de investimentos entre as equipes.

Além disso, o lateral que também joga como volante ainda falou sobre sua provável mudança de time no meio do ano, o furação Neymar no time parisiense e a tão sonhada vaga na Copa do Mundo da Rússia com a seleção brasileira.

"O Paris Saint-Germain todo ano entra como favorito na competição. Ganhamos ano passado, mas, no papel, eles eram os favoritos por terem uma melhor equipe e um investimento maior. Isso já é normal. Conseguimos quebrar um pouco dessa hegemonia na última temporada porque tínhamos um time muito bom, com jogadores novos que deram seu melhor futebol naquele momento. Alguns jogadores experientes também se recuperaram, como o Falcao. Esse ano perdemos vários jogadores não só titulares, mas alguns que eram reservas e sempre entravam. Por uma série de fatores nossa equipe ficou mais fraca, é verdade", comentou o camisa 2.

Fabinho soma 30 jogos oficiais na atual temporada com quatro gols e quatro assistências. Em seus cinco anos como jogador do time do Principado, ele já se tornou o terceiro estrangeiro com mais jogos (217), atrás apenas de Subasic (255), com quem joga atualmente, e Flavio Roma (249). O atleta, no entanto, acredita que o caminho na equipe esteja perto do fim.

"Se aparecer algo que seja bom para mim, talvez uma mudança de liga ou para um clube com uma estrutura maior, com pretensões maiores, eu veria com bons olhos. Minha história no Monaco foi boa, consegui ganhar um título, então creio que meu ciclo aqui talvez esteja se acabando. Sei que a visão do clube é tentar ficar em segundo lugar e conquistar uma vaga na Liga dos Campeões e não contratar jogadores de nome, mas alguns mais jovens para lançar no futebol. Acredito que passei por esse projeto, cheguei desconhecido, fiz meu nome no clube, conquistei coisas, então talvez eu precise de algo novo para ter novos desafios", ponderou.

Pela seleção brasileira, o meio-campista nunca foi convocado pelo técnico Tite e, apesar de estar no grupo que disputou a Copa América de 2015 e a de 2016, nunca teve protagonismo na equipe. No total, são quatro partidas disputadas, sendo todas amistosos. Confira a entrevista na íntegra:

O Monaco fará confronto direto contra o Marselha. Qual a expectativa, principalmente depois da eliminação na Copa da França?
Sabemos que é um confronto direto na parte de cima. Estamos em uma briga de três clubes pela segunda posição (Monaco, Marselha e Lyon), então sabemos que é um jogo de seis pontos. Seria importantíssimo ganhar. Depois da eliminação contra o Lyon, temos mais responsabilidade para conseguir o segundo lugar. Temos tempo para nos recuperar até essa partida. A maioria dos jogadores conhece o ambiente lá, é um estádio muito bom para jogar, vai ficar lotado. Sabemos que a torcida vai apoiar o tempo todo, então são coisas que só agregam a esse grande confronto.

Ano passado o Monaco venceu o Francês, mas agora já luta por vaga na Liga dos Campeões. Acha que a perda de jogadores influenciou na volta do PSG ao topo? Como vê a briga na competição contra um time com tanto dinheiro?
O Paris Saint-Germain todo ano entra como favorito na competição. Ganhamos ano passado, mas, no papel, eles eram os favoritos por terem uma melhor equipe e um investimento maior. Isso já é normal. Conseguimos quebrar um pouco dessa hegemonia na última temporada porque tínhamos um time muito bom, com jogadores novos que deram seu melhor futebol naquele momento. Alguns jogadores experientes também se recuperaram, como o Falcao. Esse ano perdemos vários jogadores não só titulares, mas alguns que eram reservas e sempre entravam. Por uma série de fatores nossa equipe ficou mais fraca, é verdade.

O PSG fez um investimento mais forte esse ano. Levaram o Mbappé, o Neymar, principalmente, Daniel Alves... ficou mais difícil lutar com eles. Creio que com a equipe do ano passado poderíamos disputar ali na ponta com eles. Para o campeonato seria uma disputa mais legal. Esse ano eles abriram uma grande vantagem e são os grandes favoritos, tem um grande grupo. Vai ser difícil tirar o título deles. O campeonato ainda não acabou, então vamos tentar pelo menos dificultar o caminho.

Você já é o terceiro jogador estrangeiro com mais jogos no Monaco. Se sente um ídolo no clube? Como vê sua caminhada?
Essa é a minha quinta temporada no Monaco. Creio que evoluí muito como jogador aqui, acho que tenho o nome marcado na história do clube pelo tempo e essa marca. Mas principalmente pelo título na temporada passada, pois faziam 18 anos que a equipe não vencia o título nacional. Além disso, as campanhas na Liga dos Campeões. Acredito que venho deixando meu nome cada vez mais na história. Vou procurar ter mais conquistas e dar o meu melhor.

O Neymar no PSG é assunto toda semana. Como você viu a chegada dele na França?
Foi uma surpresa o Neymar chegar à França. Eu não esperava que ele fosse para o PSG, mas para a liga foi muito bom ter um dos três melhores jogadores do mundo, chama muito mais atenção. O campeonato tem sido muito mais falado, pois ele é uma figura do futebol mundial. Foi bom nesse aspecto, porque as equipes tem sofrido aqui jogando contra ele, pois é um craque. Para o telespectador é bom ver um espetáculo a cada semana. Ele agrega muitas coisas boas para a liga e é o nome mais falado, o que é normal por ele ser o melhor jogador. Espero, como brasileiro, que ele tenha muito sucesso no PSG. Infelizmente para as outras equipes isso significa mais alguns anos de hegemonia para o PSG (risos), mas espero que as outras equipes, vendo isso, também tentem trazer outros nomes de peso para fazer um campeonato cada vez melhor e competitivo.

O que acha das críticas dos jornais franceses a Neymar? Acha exagerado?
Para mim é difícil falar, pois não estou no dia a dia dele e não conversamos. Então não sei se o que sai na imprensa é verdade ou não. Não tenho acompanhado as notícias também.

Você esteve perto de ir para o PSG e já disse que vai sair ao final da temporada. Isso vai mesmo se concretizar? Tem chances de sair para o rival?
Eu disse que essa poderia ser minha última temporada no Monaco. São cinco anos de uma história bonita. Não tenho certeza ainda se será realmente o fim, mas vou dar meu melhor até o último dia que estiver aqui. Hoje não é a melhor data para se falar em clubes. Na última janela de transferências fiquei perto de sair, mas não se concretizou. Procurei colocar a cabeça no lugar o mais rápido possível, pois sabia que para conquistar os objetivos tinha que fazer uma boa temporada. Além disso, tenho que me destacar para que os times que tiveram interesse no último mercado voltem a ter. Mas estou focado no Monaco e o futuro vamos ver. Seria prejudicial para mim começar a pensar já em uma transferência.

Por que a decisão de deixar o Monaco agora?
Se aparecer algo que seja bom para mim, talvez uma mudança de liga ou para um clube com uma estrutura maior, com pretensões maiores, eu veria com bons olhos. Minha história no Monaco foi boa, consegui ganhar um título, então creio que meu ciclo aqui talvez esteja se acabando. Sei que a visão do clube é tentar ficar em segundo lugar e conquistar uma vaga na Liga dos Campeões. Talvez nos próximos anos possa disputar o título de novo, mas é um pouco difícil, porque a visão do clube não é contratar jogadores de nome, mas alguns mais jovens para lançar no futebol. Acredito que passei por esse projeto, cheguei desconhecido, fiz meu nome no clube, conquistei coisas, então talvez eu precise de algo novo para ter novos desafios.

Você ainda luta por vaga na Seleção. Quanto de chance acha que tem de aparecer na Copa?
Sim, eu tenho esperança ainda. Estou à disposição, por mais que ainda não tenha sido convocado pelo Tite, estou preparado e procuro dar sempre o meu melhor para, se aparecer uma oportunidade, estar bem. Sei que hoje minha convocação seria uma surpresa, mas não seria a primeira. Na Copa do Mundo do Brasil tiveram algumas surpresas, mas vamos ver.

Por que acha que ainda não foi convocado pelo Tite? Acredita que exista algum tipo de azar por estar fora nas vezes em que o pessoal da Seleção foi ver os jogos?
Não creio que seja pelo azar, porque acho que não seria convocado só por um jogo que eles foram assistir. Mas a Seleção teve um bom desempenho, uma sequência boa. O Tite também mostrou nas convocações que leva muitos jogadores que ele já conhece, talvez por isso eu não tenha ido. Estou tranquilo e trabalhando focado. Se aparecer, vou agarrar essa chance.

O Brasil chega como favorito na Copa? Quais seleções estão mais fortes?
Sem dúvida o Brasil é um dos favoritos pela equipe que tem e pelo desempenho nas Eliminatórias. Outras seleções são a França, que é uma seleção jovem, com muito talento e foi finalista na Eurocopa. É uma equipe que tem vontade de ganhar títulos. Creio que a Alemanha é uma seleção que se renova a cada ano, mantendo a maneira de jogar, então é acostumada com momentos decisivos. Essas três são as favoritas.

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos