Paulo Garcia tem candidatura à presidência do Timão impugnada

Paulo Garcia teve sua candidatura à presidência do Corinthians impugnada e não poderá concorrer na eleição de sábado, dia 3 de fevereiro. A decisão foi confirmada pelo presidente do Conselho Deliberativo do clube, Guilherme Strenger, após recomendação da Comissão Eleitoral.

Paulo Garcia diz que ainda não foi notificado e aguarda para falar sobre o seu posicionamento. No entanto, em entrevista publicada pelo Uol na manhã desta segunda-feira, ele já tinha adiantado que entraria na Justiça para reverter a decisão.

- Tenho certeza que ganho facilmente na Justiça. Consultei especialistas em legislação eleitoral e eles afirmam que a impugnação seria absurda - disse.

A impugnação aconteceu porque Paulo Garcia realizou o pagamento da anistia para regularizar sócios. Na ocasião, ele admitiu ter feito pagamentos. A Comissão Eleitoral entendeu haver compra de votos.

Por conta da polêmica, a Comissão Eleitoral já havia vetado sócio regularizado com anistia de votar na eleição. A anistia foi vista pelo oposição como manobra ilegal, já que o estatuto do clube proíbe qualquer anistia financeira a partir de 12 meses antes da eleição.

Sem Paulo Garcia, o Corinthians agora tem quatro candidatos a presidente: Andrés Sanchez, Antonio Roque Citadini, Felipe Ezabella e Romeu Tuma Júnior.

Citadini chegou a ter a candidatura impugnada por ser conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Porém, ele conseguiu uma liminar e pode concorrer na eleição.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos