Torcedores viajam mais de 6 mil km para acompanhar estreia do Vasco. LANCE! conta a peregrinação

- Fala, Zé Ricardo! Fala aí, chefão! Viemos por terra. Cruzamos toda a Bolívia até chegar aqui. Tamo junto a vera, chefe! Nunca estão sozinhos. Passa isso pra rapaziada.

- Vocês são malucos, cara. Mas é disso que a gente precisa.

Foram essas as palavras do estudante Breno Batista, de 31 anos, ao técnico Zé Ricardo, dias antes da estreia do Vasco pela Libertadores. Mas para se encontrar com o comandante vascaíno, ele e o amigo Andrey dos Santos, passaram por uma verdadeira peregrinação. Tudo começou dia 20 de janeiro. Desde então, a dupla passou por São Paulo, Corumbá-MS, de lá foram andando até Porto Quijarro (Bolívia), quando seguiram para Santa Cruz de La Sierra, Cochabamba, Santiago (onde encontraram mais dois amigos: Bernardo e Zeca), até chegarem em Concepción, local da partida desta quarta-feira. Ao todo, foram 5.924 km.

A viagem foi complicada, com alimentação de pão e água na maior parte dela. Até a chegada em Santiago, onde foram recebidos por amigos que torcem para a La U (que pode ser adversária do Vasco caso o time se classifique para a fase de grupos). Já em Santiago, a missão foi chegar perto da delegação para contar a aventura e passar boas vibrações.

- O primeiro que falou com a gente foi o Zé Ricardo, que foi muito humilde. Fizemos de tudo para passar uma força, dizer que eles não estão sozinhos e que sempre vai ter uma meia dúzia de malucos pra acompanhar o Vasco. Eu não me considero especial por estar fazendo isso, porque com certeza muitos fariam se pudessem. Estou aproveitando férias da faculdade e o meu trabalho é bem flexível. Me considero um privilegiado - conta Breno, que também falou com Martin, Wagner, Wellington, Erazo, entre outros jogadores.

Caso venha a classificação diante do Concepción, o adversário será um boliviano (Jorge Wilstermann ou Oriente Petrolero). E como esses torcedores precisam voltar ao Brasil, a ideia é fazer o mesmo caminho de volta e parar na Bolívia para assistir o Vasco novamente. Que os Libertadores da América os protejam e que o Cruz-Maltino consiga a tão sonhada vaga na fase de grupos.

Após o encontro com os jogadores no hotel, o grupo seguiu para o CT da La U, onde o Vasco treinou na última segunda-feira. Porém, demoraram para chegar por conta do trânsito. Lá, não tiveram acesso ao treinamento, mas deram um jeito de assistir a atividade. Como estavam acompanhados de locais, foram até uma casa abandonada, subiram até a laje e começaram a cantar músicas de apoio ao time.

- Quando saímos do hotel para o treino no CT da La U, pegamos um trânsito e como estamos com alguns amigos que torcem para a La U, eles conhecem bem o local, então fomos até uma casa abandonada, subimos no telhado da casa e ficamos cantando, apoiando e tentando mostrar pra eles que somos loucos e que eles joguem na intensidade de loucura que nós estavámos ali. Se o momento não é dos melhores, a gente tenta fazer com que eles encarnem esse espiríto, porque a Libertadores é uma competição especial, que muitas gerações infelizmente não puderam ter o prazer de ver e acompanhar. Chegou a hora deles. Qualquer time, por mais simples que seja, reprensentando uma instituição como o Vasco, eles devem levar muito a sério e fazer valer o privilégio de vestir essa camisa - explica Breno.

ENCONTRO COM CHILENO EX-VASCO

Após acompanharem o treino no CT da La U, o grupo de torcedores encontrou um ex-jogador do Vasco. O zagueiro chileno Adán Vergara, que defendeu o clube em 2005, também foi acompanhar o treinamento e levou os dois filhos pequenos, que estavam devidamente trajados com o uniforme do Cruz-Maltino (veja na foto acima).

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos