Ederson lembra passado na linha e diz: 'Poderia jogar no meio-campo'

O início de Ederson no Manchester City tem sido um sucesso. Além de acumular belas defesas, até em pênaltis decisivos, o goleiro tem chamado a atenção pela facilidade com a bola os pés. E, em entrevista concedida à revista inglesa "Four Four Two", o brasileiro de 24 anos falou a respeito de sua habilidade no chão, inclusive afirmando que "poderia jogar no meio-campo".

- Poderia jogar no meio-campo. E posso fazer gols de falta também. Quando joguei nas categorias de base do Benfica, sempre me chamavam para jogar no meio-campo se alguém estivesse ausente e nunca passei vergonha. Então, se for necessário, eu assumo esse papel. Não seria fácil, especialmente na Premier League, mas acho que eu aceitaria o desafio - comentou.

- É um talento natural. Sempre me senti confortável com a bola nos pés, e isso ajuda nos jogos. É algo que trabalho desde quando comecei no São Paulo (nas categorias de base), e com o tempo eu tenho treinado para melhorar. Na verdade, marquei vários gols de falta - completou o arqueiro.

No início de janeiro, já com o Manchester City em disparada na liderança do Campeonato Inglês (hoje, está à frente por 13 pontos), o técnico Pep Guardiola elogiou este predicado de Ederson, além de citar o quesito pessoal.

- Todos os grandes clubes do mundo precisam não apenas de um bom goleiro, mas de dois, e nós temos (o outro de nível atende por Claudio Bravo). O Ederson é jovem, é um bom rapaz. Estamos mesmo satisfeitos com ele. Não apenas pelas suas defesas, mas pela sua capacidade de evolução. E todos podemos fazer melhor, inclusive o Ederson - analisou Pep.

Contratado junto ao Benfica por 35 milhões de libras (R$ 147 milhões), em maio de 2017, Ederson possui média de acerto de 85% quanto aos passes por jogo - cerca de 27 toques na normalidade, de acordo com o site "Who Scored".

Por falar em Benfica, Ederson ainda sublinhou o período em que esteve com Júlio César, com quem atuou durante duas temporadas. Seleção Brasileira, na qual tem sido chamado e briga por vaga com Alisson e Cássio, principalmente, foi outro tema abordado na conversa. Confira mais abaixo.

EXPERIÊNCIA COM JÚLIO CÉSAR

Aprendi muito com ele. Ele tem tanta experiência e passou por tantas coisas. Ele me disse o que ele enfrentou durante a carreira dele e eu tentei absorver tudo que podia, os bons e maus momentos que ele enfrentou. Eu tentei aprender com os erros também, e ele sempre me ajudou. Júlio constantemente me dava conselhos e contribuía muito durante meu tempo como um jogador do Benfica.

SELEÇÃO BRASILEIRA

Todo jogador precisa continuar trabalhando forte, independentemente da situação em seu clube. Acredito que eu preciso manter o que estou fazendo e se eu tiver a oportunidade, preciso jogar tudo que eu posso. No momento, Alisson está muito bem no clube, a Roma, e na Seleção. Na minha opinião, Brasil tem vários talentos na posição. Tite certamente pode dormir tranquilo à noite no que se refere a goleiros.

INFLUÊNCIA DE ROGÉRIO CENI?

Na verdade, não tive. Para ser honesto, isso começou ainda antes de eu ir para o clube (São Paulo). Um dos meus técnicos me encorajou a tentar. No início, eu não queria bater nenhuma falta, mas ele insistiu. Então eu comecei a marcar alguns gols, e tudo mudou. Mas não faço isso mais. City tem vários especialistas nessa área...

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos