Após protestos, organizada do São Paulo promete apoio antes do clássico

Depois de protestar contra os maus resultados da equipe há duas semanas e pedir a demissão do técnico Dorival Júnior, a Torcida Independente - principal organizada do São Paulo - resolveu mudar de conduta e apoiar o time antes do clássico com o Palmeiras, na próxima quinta (8), no Allianz Parque. Pelas redes sociais, os torcedores planejam se reunir no CT da Barra Funda no último treino do Tricolor antes do Choque-Rei. O clube, no entanto, ainda não sinalizou se irá liberar a entrada do grupo ao centro de treinamento.

Sem vencer nem um clássico sequer nesta temporada, o São Paulo terá pela frente o Palmeiras em jogo válido pela penúltima rodada da fase de classificação do Campeonato Paulista. Por determinação da Secretaria de Segurança Pública, os torcedores do Tricolor não terão acesso à arena alviverde, assim como todas as torcidas visitantes em clássicos disputados no Estado. Impossibilitados de apoiarem seu time no clássico, a torcida decidiu demonstrar seu amor ao clube na véspera da partida.

"A fase não é das melhores, mas é nessas horas que o verdadeiro torcedor mostra seu valor, apoiando e cantando pelos seus jogadores. Vamos fazer nossa parte. Agora tem que ter garra, atitude e vontade de vencer, lutando por cada dividida e por cada lance. Seremos 25 milhões com vocês no campo. Pensem nisso e joguem por isso", diz um trecho do comunicado enviado pela Organizada aos seus sócios.

O problema, porém, é que a diretoria do clube ainda não tomou uma decisão sobre a possibilidade de abrir o treino aos torcedores. Aos jornalistas, apenas os minutos iniciais das atividades comandadas pelo técnico Dorival Júnior serão abertos. A comissão técnica, além de não querer vazar informações sobre a escalação da equipe, prefere tranquilidade para ajustar os últimos detalhes do time para o Choque-Rei.

A relação da Torcida Independente com o São Paulo havia se estreitado no ano passado diante da possibilidade de rebaixamento para a Série B do Brasileirão. Passado o susto da queda, os torcedores voltaram a criticar a gestão do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, e cobraram resultados. Soma-se a isto, a invasão ao CT da Barra Funda em agosto de 2016. Na ocasião, os torcedores quebraram o portão de entrada do centro de treinamento, entraram no campo e chegaram a agredir alguns atletas.

Seja qual for a decisão da diretoria, o grupo promete se reunir com o sem aval da diretoria para entrar no CT da Barra Funda. O duelo com o Palmeiras é visto como importantíssimo para o clube e também para os torcedores. Caso sejam impossibilitados de terem acesso ao local, os gritos de incentivo virão da avenida Marquês de São Vicente.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos