Revoltada com o time, torcida do West Ham promove 'vergonha e caos'

O West Ham segue na luta contra o rebaixamento na Premier League após perder, em Londres, para o Burnley por 3 a 0. A derrota, contudo, foi manchada ainda mais por acontecimentos classificados pela imprensa inglesa como "vergonha e caos". O jogo teve invasões de campo, briga entre torcedores e um confronto físico entre um fã e o meia Noble. Além disso, um dos proprietários do clube londrino deixou o estádio Olímpico por motivos de segurança.

Os problemas durante a partida começaram aos 20 minutos do segundo tempo, quando o Burnley fez 1 a 0, com Barnes. Um torcedor invadiu o campo e foi seguro pelo meia Noble. Logo depois, a segurança o retirou de campo.

Contudo, a atitude gerou novas invasões. Um torcedor chegou a levar a bandeira de escanteio para o meio de campo. Minutos depois, os acontecimentos foram controlados e o Burnley chegou ao segundo gol, com Wood. Por conta da má atuação e péssimo momento na temporada, a torcida se virou contra David Sullivan e David Gold, donos do West Ham, que logo depois deixaram o estádio.

Os protestos seguiram no estádio Olímpico. Os torcedores cantavam: "Não somos mais o West Ham" e "demitam a diretoria'". Um deles estendia uma faixa com os dizeres: "Nos venderam um sonho, nos deram um pesadelo", muito por conta da mudança de estádio. De 1904 a 2016, os Hammers jogavam no Boleyn Ground e se mudaram em seguida para o Estádio Olímpico, onde ainda não vêm conseguindo bons resultados.

No fim da partida, Joe Hart falhou e Wood, mais uma vez, decretou a vitória do Burnley por 3 a 0.

O West Ham soma apenas 30 pontos e está em 16º no Inglês.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos