Bueno espera por mais minutos em campo e exalta Santos 'dono da bola'

O meia-atacante Vitor Bueno prefere ainda não fazer uma análise sobre sua temporada até aqui. Com ainda poucas chances entre os titulares do Santos, o garoto de 23 anos espera ganhar mais minutos do técnico Jair Ventura para, aos poucos, entrar de vez no ritmo e embalar. Sem saber se terá chance no jogo desta quarta-feira, contra o Botafogo, às 19h30, na Vila Belmiro, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, o camisa 7 também disse ter sido mal interpretado no último jogo, quando afirmou que a tática mais defensiva solicitada por Jair não era a cara do Peixe.

- Acabei me expressando mal. Foi em algumas circunstâncias do jogo. Fui mal interpretado por vocês (imprensa). Quem sou eu para criticar a tática do Jair? Jogamos para frente, temos posse de bola. Não fugimos da nossa característica em nenhum jogo do Campeonato Paulista, somos a segunda equipe com mais posse de bola. Temos de propôr o jogo e manter isso - disse, em entrevista coletiva no CT Rei Pelé, nesta terça-feira, e completou:

- São poucos minutos em campo (em 2018), tirando contra o São Bento, quando joguei com o time reserva como titular. É difícil avaliar. Contra o Corinthians entrei e ajudei no lance do gol. Agora, é trabalhar para ajudar cada vez mais. Estou lutando pelo meu espaço como eles. Ainda não conversei com o Jair. Vamos ver como ele vai armar a equipe. Quem entrar vai ajudar bastante.

No começo da temporada, Bueno disse que poderia fazer a função de armador da equipe e substituir Lucas Lima, hoje no Palmeiras. Antes, o garoto dono da camisa 7 vinha sendo usado como um ponta no ataque. O meia voltou ao time em fevereiro, depois de sete meses parado para tratar uma lesão no ligamento cruzado do joelho direito.

- Acho que o ritmo de jogo é a principal coisa que dá para melhorar. Entro nos jogos e vejo que ainda falta um pouquinho. Mas isso você consegue jogando, ganhando minutos. Acho que fiquei muito tempo parado. A cautela que estão tendo comigo é muito importante. Não é uma lesão fácil, mas estou 100% zerado. Estou buscando o meu espaço para quando eu recuperá-lo não sair - finalizou.

Atualmente, a principal disputa de Bueno é com o argentino Emiliano Vecchio e com Jean Mota. Os dois estão à frente por uma vaga no meio-campo. O Santos precisa da vitória nesta quarta. Um empate levará a decisão da vaga à semifinal aos pênaltis.

Confira outros pontos da entrevista coletiva de Vitor Bueno:

Jogo da vida para o Botafogo?

- Eu já estive do outro lado, em 2014. Joguei contra o Palmeiras. Era o jogo da nossa vida. E esse é o jogo da vida deles também. É a chance de eles conseguirem ser contratados por algum clube grande.

Vila Belmiro ou Pacaembu, onde prefere atuar?

A Vila é a nossa casa, mas também jogamos bem no Pacaembu. Lá em São Paulo, eles costumam encher o estádio. Na Vila, tenho certeza que o torcedor também vai fazer seu papel.

Boa fase de Léo Cittadini

O Léo Cittadini é um grande amigo. Ele merece esse momento que ele vem vivendo. Tinha certeza que ele apresentaria esse futebol que está apresentando quando tivesse uma sequência. Fico muito feliz por ele.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos