Saiba o que está "emperrando" renovação do Santos com a Caixa

Do UOL, em São Paulo

  • JOãO MOURA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

    Gabigol tenta armar jogada pelo Santos contra o Botafogo-SP

    Gabigol tenta armar jogada pelo Santos contra o Botafogo-SP

O Santos tem uma espécie de acordo com a Caixa e segue com a marca do banco estatal estampada em seu uniforme mesmo com o contrato vencido desde dezembro de 2017. O motivo? O clube segue negociando uma renovação de patrocínio master e entende que receberá proporcionalmente o valor da Caixa referente aos meses de janeiro, fevereiro e março renovando ou não o vínculo com o banco. O problema é que a quantia oferecida pela Caixa, de cerca de R$ 10 milhões até o fim da temporada, é considerada baixo.

O contrato (provisório) com a Caixa vence no fim do mês (2 de abril). E mesmo se não assinarmos (a renovação), vão nos pagar de maneira proporcional. Ofereceram muito menos (do que no contrato antigo), mas é coisa de mercado. Marca tem de voltar a crescer. Na questão de patrocínio, é três vezes menos. Inadmissível", ponderou o presidente José Carlos Peres, que depois recuou.

"Mesmo assim, é melhor ter um passarinho na mão do que dois voando. Estamos negociando. Há muitas empresas interessadas. Vamos chegar no valor que a gente quer", declarou.

Na gestão de Modesto Roma Júnior, a Caixa pagou cerca de R$ 11 milhões pelo patrocínio master do clube. O problema é que o montante acabou sendo muito maior, já que ficou estipulado em contrato que o Santos poderia atingir até R$ 16 milhões, contando bônus.

Vale destacar que o Alvinegro pretende lançar seu novo uniforme, agora da Umbro e não mais da Kappa, no dia 14 de abril, data em que completa 106 anos de sua fundação.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos