Cássio e Sidão desafiam históricos positivos no Majestoso em Itaquera

Ter um goleiro confiável costuma ser decisivo, principalmente em clássicos. No Majestoso das 21h45 desta quarta-feira, que definirá em Itaquera um dos finalistas do Campeonato Paulista, Cássio e Sidão, responsáveis por proteger as metas de Corinthians e São Paulo, respectivamente, contam com históricos favoráveis como trunfo.

O camisa 12 do Timão nunca foi eliminado pelo arquirrival em mata-mata de competições oficiais, vencendo nas três vezes em que encontrou o adversário (nos Paulistas de 2013 e 2017 e na Recopa Sul-Americana de 2013). E sempre terminou como campeão. Para manter a escrita, a equipe alvinegra precisa vencer por, ao menos, dois gols de diferença para passar no tempo normal, já que perdeu a ida por 1 a 0, no Morumbi, no domingo.

- Vamos nos ajudar, nosso estádio vai estar lotado. Está aberto ainda. Vamos buscar a classificação. Temos condições de reverter - disse Cássio ao deixar o Morumbi, no fim de semana.

Em caso de vitória corintiana por vantagem de um gol, a decisão vai para os pênaltis. E, neste caso, o trunfo é Sidão, que já superou o Timão nas penalidades duas vezes: como goleiro do Audax, na semifinal do Estadual de 2016, e já no São Paulo, na conquista da Florida Cup, no ano passado.

Mas está com Cássio o histórico mais favorável. Em seu primeiro Majestoso em mata-mata, houve 0 a 0 no tempo normal, em jogo único pela semifinal do Paulista de 2013, no Morumbi. Nos pênaltis, o goleiro viu Ganso chutar por cima e pegou a cobrança de Luis Fabiano. Só Alessandro errou no Corinthians, carimbando a trave. No pênalti decisivo, Rogério Ceni se adiantou demais para pegar a finalização de Alexandre Pato e, na segunda cobrança do atacante, o Timão venceu por 4 a 3.

No mesmo ano, em 2013, Cássio voltou a superar o rival. O Corinthians, campeão da Libertadores no ano anterior, encontrou o São Paulo, então vencedor da Copa Sul-Americana, na Recopa do continente. E a equipe de Tite passou fácil, ganhando por 2 a 1 no Morumbi e 2 a 0 no Pacaembu, conquistando o título.

A mais recente vitória do goleiro do clube alvinegro em Majestoso válido por mata-mata ocorreu no ano passado. Na semifinal do Paulista, mesma fase do confronto atual, o Corinthians venceu a ida, no Morumbi, por 2 a 0, e carimbou a vaga na final empatando por 1 a 1 em Itaquera.

Em 2017, quem estava no gol são-paulino naquele mata-mata era Renan Ribeiro. Sidão, em recuperação de lesão, não estava nem no banco. Mas, nesta quarta-feira, ele mesmo admite que é trunfo no Majestoso, e já provou que pode ser decisivo no clássico. Na final da Florida Cup do ano passado, após 0 a 0 no tempo normal, o goleiro entrou no lugar de Denis e pegou as cobranças de Fellipe Bastos e Marciel e garantindo o triunfo por 4 a 3 - Cássio só defendeu a finalização de Araruna.

Em 2016, a festa de Sidão foi na Arena Corinthians. Então goleiro do Audax, chamou atenção no futebol nacional e foi decisivo nos pênaltis na semifinal do Paulista daquele ano. Depois do 2 a 2 no tempo normal, no jogo único válido pela fase, o arqueiro defendeu a cobrança de Rodriguinho e ainda viu Fagner carimbar a trave para comemorar a vitória por 4 a 1.

- Fui titular e tenho boas lembranças lá (Arena Corinthians) em semifinal. Tenho certeza (que vai ser um jogo quente). Clássico ninguém quer perder, vale muito para os dois times. Vamos nos preparar para o que vão oferecer e que ofereçamos muita intensidade para sair com a vaga - disse Sidão.

Em seu histórico de pênaltis diante do Corinthians, Sidão tem mais uma defesa na conta. No Brasileiro de 2016, ele estava no Botafogo quando pegou a cobrança de Marquinhos Gabriel na vitória por 2 a 0 do time carioca sobre o Corinthians, no Rio de Janeiro.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos