Jair vê Santos superior, mas lamenta falta de controle emocional em queda

O técnico Jair Ventura se mostrou chateado pela desclassificação do Santos no Campeonato Paulista, mas, por outro lado, fez questão de exaltar o que considerou um ótimo futebol apresentado por sua equipe na noite desta terça-feira, no Pacaembu. Durante sua entrevista coletiva, ainda no estádio, o carioca repetiu por algumas vezes o termo "jogadas construídas" diante do "clube de maior orçamento do país" ao se referir aos dois gols marcados pelo Peixe no tempo normal do confronto. O erro de Diogo Vitor nas penalidades não foi motivo de crítica do comandante, que preferiu dizer que "perde um, perdem todos". Mesmo assim, para ele, faltou "controle emocional" nas penalidades.

- Vencemos uma equipe que tem praticamente três times, jogaram em casa, com a torcida a favor, construímos dois gols neles. O Santos mostrou que pode ser competitivo e pode vencer. Futebol é feito de placar, não é? Então, o Santos venceu o jogo e foi melhor. É o que eu acho. O que nos faltou foi controle emocional nos pênaltis - ponderou, e logo completou:

- Contra o Botafogo, Diogo fez. Contra o Palmeiras, perdeu. Ele não foi herói e hoje também não é vilão. Todos perdemos juntos. Futebol é assim. A gente perde e ganha assim. Bola para frente. Já levantamos a cabeça dele. É difícil para dormir, mas ele tem cabeça boa, que possa esquecer e pensar no jogo da Libertadores.

O treinador também fez uma breve análise sobre sua opção por quatro atacantes e citou o orçamento palmeirense, considerado o maior do Brasil, segundo ele. O Santos, por sua vez, entrou em campo com seis jogadores formados nas categorias de base.

- Vida do treinador é sempre avaliada no final do jogo. Já que iniciamos com quatro atacantes e vencemos o jogo, deu certo. Não tão certo porque não vencemos o rival, um rival de maior orçamento do país hoje. Mas fizemos dois gols de jogadas controladas. Fico feliz pelos meninos da base, por ter jogado contra um rival de orçamento alto, fico feliz - ponderou.

Questionado sobre a junção dos quatro tempos da semifinal, Jair garantiu que o Peixe foi melhor em ao menos três deles.

- A gente vive num país onde todos podem falar o que quiserem. Se olharmos só um pouquinho, podemos ver que o Santos fez dois gols em jogadas construídas. Quem tem a posse de bola, não joga na transição. Queremos a bola. O Santos só perde para o São Paulo na posse de bola do Paulistão. Eu não tenho de provar nada para ninguém. Gosto de assumir responsabilidade, por isso escolhi ser treinador de futebol - finalizou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos