Ecos de Rueda: Flamengo vê falha de planejamento três meses depois

A saída de Reinaldo Rueda em meados de janeiro se tornou um problema no Flamengo que ecoa e começa a dar sinais de erros de planejamento no início do quarto mês de 2018. Ao final da temporada passada, mesmo com dois vice-campeonatos e um Campeonato Brasileiro abaixo das expectativas, nos corredores da Gávea a ideia era de um ano grandioso, para fechar com chave de ouro o mandato de Eduardo Bandeira de Mello. Porém tudo foi por água abaixo, quando o colombiano deixou o clube e foi para a seleção do Chile.

Após a demissão, Paulo César Carpegiani declarou que foi convidado para ser coordenador técnico, já com a ciência de que assumiria o futebol dentro das quatro linhas. Mas não é isso que prega a diretoria do Flamengo. Segundo eles, apesar de indícios, a saída do treinador colombiano acabou sendo surpresa.

Ao final de 2017, quando recebeu a informação que o Chile queria Rueda, o Flamengo entrou em contato e ouviu do colombiano que seguiria. Assim, foi feito um planejamento com o treinador participando. Inclusive, o Fla se defendia em uma multa rescisória de cerca de R$ 2,5 milhões. Mas falhou na hora do contrato: em janeiro esse valor cairia para R$ 1,5 milhão. Foi aí que a diretoria errou e pode ter colocado a temporada a perder.

Ali, irritada com o descaso de Rueda o Flamengo ficou na chamada "sinuca de bico". Se mandasse o treinador embora, o que era a vontade de muitos dos conselheiros e responsáveis pelo futebol, teria de arcar com a multa rescisória. O Fla esperou o Chile arcar e viu o técnico mudar de ares.

O Flamengo tentou se programar e utilizou Paulo César Carpegiani como um tampão ao perder Rueda. Porém, o início arrasador de temporada colocou panos quentes no que estava errado desde janeiro. Bastou apenas um revés diante do arquirrival Botafogo para a diretoria entender os erros. O Flamengo, em pleno quarto mês de temporada, recomeça novamente um planejamento que começou errado. Ecoa dentro da Gávea a falha ao esperar Reinaldo Rueda.

As mudanças no departamento de futebol não apontam para uma mudança de filosofia e isso preocupa o Conselho Diretor. A cabeça dos demitidos foi pedida, mas oficialmente os mandatários do futebol garantem que a postura será a mesma.

No último ano de mandato, Bandeira de Mello quer deixar o Flamengo pela porta da frente. Com um grande título. Algo que a diretoria planejou tanto, mas errou em não entender que estava falhando no início de ano.

Renato Gaúcho é o nome com o perfil mais do que traçado. Na próxima semana, o Flamengo vai oficializar o interesse - com o Grêmio - no treinador. Se ele recusar, Cuca pode vir a assumir, mesmo com muita resistência. Maurício Barbieri ganha muita força também, mas é uma aposta.

Por enquanto, o Flamengo segue tentando trilhar o que era para já estar acertado. A temporada 2018 do Rubro-Negro está começando apenas em abril. E esse atraso ecoa no Conselho Diretor. A panela ganha cada vez mas pressão e pode estourar mais ainda.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos