Corinthians chega forte, mas sem camisa 9 para tentar o bi brasileiro

  • Ale Cabral/AGIF

Atual campeão brasileiro, o Corinthians chega forte para tentar o bicampeonato, ou o oitavo título da competição em sua história. O peso da equipe que mais venceu o Brasileiro na era dos pontos corridos foi reforçado pela conquista do bicampeonato paulista, em uma final histórica contra o rival Palmeiras, na casa do adversário. São fatores que credenciam o Timão de Fábio Carille ao favoritismo, mas ainda há muito o que ser feito. A estreia é neste domingo contra o Fluminense na Arena Corinthians.

De cara, a necessidade agora ainda mais urgente da chegada de um camisa 9. Ano passado, esse jogador foi fundamental para a conquista, basta lembrar dos 18 gols marcados por Jô, artilheiro máximo da competição ao lado de Henrique Dourado. Desde a saída do centroavante para o futebol japonês, o Corinthians busca uma reposição e Carille se virou como pôde no Paulista. Venceu com muitos méritos, mas está ciente de que o nível de adversários e do próprio torneio exigirão mais alternativas.

O Corinthians segue com a força de seu sistema defensivo implementando há dez anos por Mano Menezes, mas ainda sofre para marcar gols. Este ano, em 22 jogos, foram apenas 28 gols marcados, média de pouco mais de um por jogo.

Ainda é preciso lembrar que mais peças podem sair quando a janela de transferências internacionais se abrir, durante a pausa para a Copa do Mundo em junho. Maycon está a caminho do Shakhtar Donetsk (UCR). É uma grande baixa, sobretudo porque recuperou seu bom futebol do ano passado e vinha sendo titular com participação muito importante. Ainda há a intenção de Rodriguinho de jogar no futebol europeu e a indefinição sobre o contrato de Balbuena, que vence no fim deste ano. Por essas e outras, o Corinthians está no mercado.

O Corinthians deve utilizar a parada da Copa do Mundo para se preparar no exterior, com viagem a local ainda não definido. Será um tempo precioso na preparação, já que o segundo semestre ainda terá a Libertadores e Copa do Brasil simultaneamente. E é onde o trabalho do técnico Carille tende a florescer mais.

Como em 2017, não será fácil para o Timão. Mas alguém duvida do supercampeão?

O que fez em 2018

Aproveitamento: 56,06% (11V, 4E e 7D)

Paulistão: campeão

Libertadores: 4 pontos (líder do Grupo 7)

Copa do Brasil: entra nas oitavas de final

Opinião

"O Corinthians completa nesta temporada dez anos da reestruturação que começou em 2008, após o vexame do rebaixamento, e faz do clube o maior vencedor do século no Brasil. São dez anos de uma ideia de jogo consolidada no departamento de futebol, o que fez o Timão empilhar troféu e se tornar, hoje, a equipe mais vencedora do país. Não dá mais para duvidar de Fábio Carille e seus comandados, mesmo sendo claro que o elenco de 2018 é mais fraco do que o campeão de 2017. A questão é que o Corinthians também era visto como fraco no ano passado e ganhou a taça com um espetacular primeiro turno. Ter um dos melhores sistemas defensivos do Brasil, fruto dos dez anos de trabalho, faz de novo do Timão um candidato: boas defesas ficam no topo nos pontos corridos. Some isso a um clube de alma vencedora e uma torcida confiante que enche estádios. O ataque, no entanto, necessita de reforços. O time já sofreu para buscar o gol no Paulistão. A exigência será maior agora"

Por Thiago Salata, editor do LANCE!

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos