Espaço, profundidade e movimento: como Jair quer melhorar o '9' Gabigol

Das "missões" de Jair Ventura no Santos, uma das mais importantes é ajudar na evolução do futebol de Gabriel, que retornou ao clube com status de principal contratação da temporada. Desde o começo do ano, o treinador avisou ao atacante que lhe usaria como um centroavante, função até então pouco desbravada pelo camisa 10, mais acostumado a atuar pelas pontas. Ao LANCE!, o comandante carioca revela os detalhes para transformar Gabigol em um exímio camisa 9. Profundidade, movimentação e inteligência para abrir atalhos no ataque. A começar pelo jogo deste sábado, às 21h, contra o Ceará, no Pacaembu, na estreia do Campeonato Brasileiro.

- O atacante pode ser importante para o time mesmo sem gols em todos os jogos. Como? Abrindo espaços, dando profundidade, fazendo movimentações ensaiadas. Importantíssimo mesmo sem os gols. Buscamos sempre a melhora do Gabriel. Ele tem uma auto-crítica muito boa, adoro pessoa assim. Quem não é assim, não consegue melhorar. Ele está sempre se cobrando, querendo mais. Tenho certeza que fará um grande ano. Ele tem a cabeça boa para trabalhar. Nenhum atacante do mundo faz gol todo jogo, oscilar é normal - explica o técnico, e completa:

- Às vezes, ele acaba saindo demais da área para querer a bola, o 9 não precisa tanto tocar na bola. É o cara que vai tocar duas ou três vezes na bola e fazer o gol, mas ele quer a bola toda hora, gosta do jogo. Vamos trabalhar isso com calma, com tempo, com treinamento, com os vídeos que a gente passa. Ele tem muita qualidade, é versátil. Vai aprender algumas situações da posição ainda.

Fechou? Fechou!

Além da parte técnica e tática, o trunfo para a evolução de Gabigol está na boa relação entre os dois. Antes mesmo do camisa 10 ser anunciado pelo Peixe, Jair já havia lhe telefonado para falar sobre seus planos.

- Nos falamos algumas vezes por telefone, eu passei a minha ideia de usar ele como um 9 e bateu com o que ele queria. Foi ótimo. Ele falou 'professor, fechou'. Estamos indo nessa - conta Jair, com discurso parecido ao do próprio Gabriel:

- Minha relação com Jair não tem como ser melhor. É um cara que me abraçou, que sempre conversa comigo. E a gente tem criado essa amizade. Eu respeito muito ele, aprendo muito todos os dias. Creio que pode dar muito certo. Vai ser muito importante eu continuar ajudando ele e ele me ajudando - pondera Gabigol, que também aprova a nova experiência em campo:

- Jogar assim é uma experiência nova para mim, nunca tinha jogado tanto tempo. Fiz só algumas vezes, mas sem continuidade. Bem legal, tenho gostado bastante. Claro que falta um pouquinho, alguns lances que eu não tinha o costume de fazer... Creio que vai ser muito bom com uma sequência de jogos.

Na temporada, Gabriel disputou dez jogos e marcou quatro gols. O camisa 10 chegou a dizer que disputou alguns jogos com dores. Agora, garante estar recuperado.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos