Edu revela atenção especial com Neymar e mudança em premiações

O coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, concedeu coletiva de imprensa nesta segunda-feira, no dia que se inicia o pontapé da preparação da Seleção para a Copa do Mundo. E um dos pontos mais abordados foi sobre a situação de Neymar, que se apresentou no início da tarde.

Ciente que o principal jogador do grupo está voltando de um longo período de lesão (três meses devido a cirurgia no quinto metatarso do pé direito), o coordenador fez questão de ressaltar que toda a comissão técnica tem uma preocupação e um "plano" para que Neymar não queime etapas durante este período inicial de preparação.

- O Neymar vai receber do Tite a informação que ficou três meses parado, e não será o Neymar excepcional depois disso. Vamos criar uma base para que ele possa ganhar de novo a confiança e vá subindo sem pressão exagerada quanto ao seu desempenho. O Tite vai passar isso para que ele tenha segurança de fazer bem treinamentos, o primeiro amistoso, não absorva pressão desnecessária. Esse é o objetivo que temos com ele, para que ele possa ter um grande desempenho. E com certeza terá - afirmou.

Um tema importante que foi abordado durante o bate-papo foi a questão da premiação dos atletas. Edu fez questão de frisar que houve uma mudança em relação aos últimos Mundiais, e que alguns pontos ainda serão discutidos com maior profundidade.

- Não deu tempo ainda de discutir a premiação com os atletas. Mas falamos previamente e alternamos a formatação. Cada atleta e membro da comissão técnica serão contemplados com uma premiação por convocação. Após isso, só se chegarem até à final e com o título. Antigamente era diferente, era por fase, e eu não acreditava que era a forma mais justa. Por outro lado, a convocação é um prêmio. Se chegar até a final e for campeão, vejo com interesse esse tipo de premiação.

Edu, assim como Tite, também foi enfático em assumir que o Brasil será um dos favoritos a conquista do título na Rússia:

- Acho positivo e precisamos parar de ter medo de falar que o Brasil é um dos favoritos. Mas não podemos fazer disso um peso, e sim ser realista. Podemos assumir a responsabilidade de ser postulante ao título. Temos uma grande Seleção. É importante ter poucas pessoas questionando a convocação. Prova que o Tite faz um grande trabalho. Mas isso tudo não pode ser uma carga excessiva - disse.

Outros pontos da coletiva de Edu

Ansiedade para a estreia na Copa

Tem uma realidade que está aí, todos nós somos novos de Seleção. Temos nossas dificuldades, talvez falta de experiência em seleção. Mas estamos preparados. Quanto a profissionais que possam vir a estar aqui. Conversamos com muitos profissionais antes de estarmos aqui. Absorvemos todas as informações possíveis e imagináveis. Ex-jogadores, jogadores. Para que a gente possa estar preparado para tudo o que vier. Estamos seguros com relação a essas questões. Vamos criar nossa dinâmica, nossos processos, para estarmos bem cada vez mais.

Escolha do capitão

A questão do capitão é algo que o Tite já faz. Ainda não falamos sobre o tema, mas creio que ele não deva mudar. Se chegar até a final, o Tite deve tomar essa decisão de quem assumiria o posto.

Copa da Rússia

É o maior desafio da minha carreira, tanto na época de atleta, como agora nesse novo seguimento. É desafiador e prazeroso. Minha posição requer que eu dê um passo para frente com as minhas decisões.

Continuidade pós-Copa

Não vou negar que tenho alegria e satisfação no cargo que estou. O desejo de longevidade tem a sua importância. Agora está em segundo plano. Nosso foco é total na Copa do Mundo. Após a competição, vamos esfriar a cabeça, e ver se haverá uma continuidade ou não.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos