Equilíbrio é a receita vista pelo Vasco por um melhor segundo semestre

Os altos e baixos do Vasco no primeiro semestre atrapalharam o planejamento até então colocado pela equipe nas competições as quais disputou. Ao todo, um aproveitamento de 50% nos 37 jogos disputados foram bem abaixo do esperado pelos torcedores, o que acabou ocasionando na eliminação na Conmebol Libertadores e estar ocupando a segunda metade da classificação do Campeonato Brasileiro. Para o segundo semestre, porém, o Cruz-Maltino tem em mente encontrar o equilíbrio para que alguns dos objetivos de 2018 sejam alcançados.

Um ponto que facilita este trabalho de mudança por melhores resultados do Vasco é justamente a atual parada das competições por conta da Copa do Mundo da Rússia. Nos primeiros dez dias, os jogadores receberam férias para recarregarem as baterias e a partir da tarde de segunda-feira, no Complexo Esportivo de São Januário, quando irão se reapresentar, terão condições de se doarem completamente ao trabalho do técnico Jorginho para tática e tecnicamente, então, se desenvolverem de forma mais eficaz.

- Esses dias de pausa serão importantes, principalmente para descansar a equipe que vinha numa sequência de jogos bastante cansativa. Teremos tempo para recuperar jogadores fundamentais e nos adaptarmos a maneira do Jorginho trabalhar. O torcedor está com receio em virtude da oscilação que demonstramos durante o início do Brasileiro. Precisamos diminuir os altos e baixos para terminarmos esse primeiro turno bem e iniciarmos o segundo de forma forte para conquistarmos pontos e alcançarmos os nossos objetivos - comentou o lateral-esquerdo Ramon.

Ramon, inclusive, é um dos jogadores que carregam mais responsabilidade na busca por este equilíbrio no Vasco. A sua saída do time por conta de uma lesão no ligamento cruzado anterior do joelho direito, ainda em 2017, foi considerada como um duro golpe na equipe, que perdeu a sua experiência durante a recuperação. Retornando a campo aos poucos, o lateral-esquerdo está ciente das suas obrigações, mas fez questão de elogiar Henrique, cria da base de São Januário e seu substituto imediato na função. De acordo com Ramon, há muitas semelhanças entre os dois.

- Vejo muitas semelhanças entre eu e o Henrique. Costumo dizer que ele é hoje o que eu era quando tinha 24 anos, pela maneira de jogar, pelo jeito de ser. Independente da sermos da mesma posição, vou procurar sempre ajudá-lo, pois é um garoto que admiro e que possui um potencial muito grande. Fico feliz por ser uma referência para ele, até porque busco e sempre busquei ser um exemplo para todos que estão ao meu redor. Quando sofri aquela lesão no ano passado, no jogo contra o Flamengo, ele foi o primeiro a chegar até mim. Choramos e oramos juntos para que aquele sofrimento passasse logo. Graças a Deus, tudo foi superado e hoje estamos juntos de novo - finalizou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos