Parabéns? Messi faz aniversário sob pressão em nível inédito na seleção

Bronnitsy, cidade russa às imediações de Moscou, com pouco mais de 20 mil habitantes, prepara uma festa para Lionel Messi. A Argentina escolheu o local para treinar durante a Copa do Mundo e a população local aproveitou para fazer um festival em homenagem ao craque, que completa 31 anos de idade neste domingo. Já há um mural com o rosto do camisa 10 e a promessa, segundo o jornal Olé, é até de uma gelatina no formato da taça do Mundial.

A preparação expõe como o jogador é cultuado no planeta inteiro. Mas, certamente, esse deve ser um dos piores aniversários do astro. Nunca ele foi tão contestado usando a camisa com a qual é o maior artilheiro da história, com 64 gols. Mas todo o peso, ou quase, da pífia campanha dos comandados de Jorge Sampaoli na Copa do Mundo parece estar sob seus ombros, assim como o risco de cair já na primeira fase, algo que não ocorre com o time desde 2002, exatamente o último Mundial da Argentina sem Messi.

Ele é o capitão da Argentina. Foi eleito o craque da última Copa do Mundo. Tem cinco troféus de melhor do planeta em sua galeria. Acumula recordes pelo Barcelona. Mas tudo que o entorna na celebração de seus 31 anos de idade são o pênalti perdido na estreia do Mundial na Rússia, no 1 a 1 diante da Islândia, e ter dando menos passes do que o goleiro Caballero (32 a 38, segunda a Opta, citada pelo Olé) na derrota por 3 a 0 para a Croácia, nessa quinta-feira, deflagrando uma apagadíssima atuação.

Contra a Nigéria, nesta terça-feira, a Argentina, para evitar a eliminação, precisa vencer e torcer para que a Islândia não derrote a Croácia ou, se ganhar, que seja por uma diferença de gols diferente da aplicada pelo sul-americanos. Logicamente, a missão de levar a atual lanterna do Grupo D para a segunda posição da chave tem Messi como principal esperança. Ao mesmo tempo em que se lembra que ele acumula quatro derrotas em finais pelo país.

E já não basta a pressão de ver Cristiano Ronaldo, seu eterno rival em marcas individuais, ser artilheiro da Copa com quatro gols, e Neymar igualar seus cinco gols em Mundiais, tendo disputado a metade de suas quatro edições e dez jogos a menos pelo torneio (o brasileiro tem sete partidas, contra 17 do 10 do Barça). Messi tem contra si o peso de nunca ter sido campeão pela seleção principal - jejum que tem quase sua idade, já que a Argentina não ergue uma taça há 25 anos.

O curioso é que Messi está acostumado a fazer aniversário com a camisa argentina, e a história começou muito bem. Completou 18 anos durante o Mundial sub-20 de 2005, no qual foi campeão, artilheiro e eleito o melhor do torneio. Em agosto de 2008, já com 21 anos e uma Copa do Mundo disputada, conquistou a Olimpíada. No ano anterior, porém, já tinha sofrido sua primeira derrota em final com a Argentina, na Copa América, iniciada na Venezuela dois dias após seu 20º aniversário e encerrada com vitória brasileira por 3 a 0.

Foi a primeira de quatro falhas em decisões pelo país em que nasceu. Também comemorou aniversário enquanto disputava a Copa do Mundo de 2014, derrotado pela Alemanha na final por 1 a 0, levando gol de Gotze na prorrogação, e as Copas América de 2015 e 2016, ambas vencidas pelo Chile nos pênaltis.

Depois desse último vice-campeonato, há dois anos, chegou a anunciar aposentadoria da seleção. Mudou de ideia e carregou o time à Rússia, fazendo todos os gols da vitória por 3 a 1 sobre o Equador, na última rodada das Eliminatórias. Em entrevista recente ao jornal Sport, da Espanha, antes da Copa do Mundo, admitiu que a competição pode, realmente, ser a sua última pela Argentina. E é pensando em tudo isso que um dos principais jogadores da história do futebol mundial chega aos 31 anos de idade neste domingo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos