ÁLBUM

Veja fotos
de diversas
competições




   00h00 - 17/06/2003

Fifa analisa a nova situação de Rojas no São Paulo

Por Rodrigo Bueno
Agência Folha
Em São Paulo

A Fifa ainda analisa a situação do técnico Roberto Rojas, 45.

O novo treinador do São Paulo foi banido eternamente do futebol pela máxima entidade da modalidade após ele ter se ferido propositalmente em partida das eliminatórias da Copa de 1990 entre a seleção brasileira e o Chile.

Em 2001, a Fifa deu uma anistia a Rojas como jogador. A anistia, segundo a reportagem apurou, teve caráter simbólico -com mais de 40 anos na época da anistia, ele não atuaria mais como profissional.

Com a ascensão do ex-atleta chileno ao cargo de técnico do São Paulo, ele deve voltar de vez ao cenário internacional -o clube do Morumbi ainda tenta jogar a Copa da Paz na Coréia do Sul, está na disputa da Copa Sul-Americana e almeja a Libertadores em 2004- em uma posição de destaque.

Em caso de sucesso como técnico, Rojas poderia ir a um Mundial, o que não agradaria a Fifa.

"Pelo que entendi, Roberto Rojas foi absolvido pelo Comitê Disciplinar da Fifa e está liberada sua atuação no futebol como técnico. Mas infelizmente eu não tenho ainda uma decisão formal sobre isso nem tenho mais detalhes a respeito neste momento", disse Andreas Herren, chefe do departamento de comunicação da Fifa.

Foi Herren que em 2001 anunciou a absolvição de Rojas. "Rojas recebeu uma anistia que entra em vigor de imediato", disse o porta-voz da Fifa em abril daquele ano.

A Fifa enviou ao Sindicato dos Jogadores do Chile o documento que anistiou Rojas como atleta -não era cogitada na época a possibilidade de ele ser técnico.

"A anistia é como jogador. O documento é simbólico, pois Rojas não atuará mais. Nossa idéia ainda é fazer um jogo de despedida para ele no Chile, talvez com o time que jogou a Copa América em 1987, com o Astengo [também punido pela Fifa pelo jogo de 1989], mas não estamos encontrando datas", disse Carlo Soto, presidente do sindicato chileno.

Rojas sofreu até mesmo em seu país após o episódio no Maracanã, que tirou o Chile de duas Copas do Mundo. Ele conseguiu voltar a trabalhar no São Paulo após um convite de Telê Santana, técnico que comandou o clube na primeira metade da década de 90.

Passou vários anos, quase que extra-oficialmente, trabalhando como preparador de goleiros. Após a saída do técnico Oswaldo de Oliveira, Rojas assumiu o time do São Paulo como interino.

Após alguns bons resultados e a dificuldade da diretoria em conseguir um treinador de nome, ele acabou efetivado no cargo, estreando domingo com uma vitória de 2 a 1 sobre o Corinthians.

A reportagem tentou ouvir o técnico são-paulino nesta segunda-feira, mas ele estava fora de sua residência e com o seu telefone celular desligado.

Mesmo após a anistia em 2001, o chileno mostrou insatisfação com a Fifa. Rojas entendeu que a punição imposta a ele, que o impediu de encerrar a carreira quando desejasse, foi severa demais.


Comente esta notícia nos Grupos de Discussão UOL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

03/09/2007

20h22
Espanhóis comemoram boas atuações no Aberto dos EUA


20h14
Santos tira peso de favoritismo e prevê retomada contra o Inter


20h13
Jogadores do Bota lametam má fase de Dodô


20h10
Diretoria do Bota não teme Fifa e grupo diverge sobre Dodô


20h05
Blake segue sem vencer em partidas de cinco sets

MAIS FUTEBOL

23/06/2010

09h25
Lúcio: "Não estamos satisfeitos com esses dois gols"


09h10
Confronto entre Suíça e Honduras será o 1º da história em Copas


08h38
Juventus contrata goleiro italiano Marco Storari


21/06/2010

12h28
Simão afirma que seleção portuguesa está muito motivada após goleada


11h35
Portugal derruba muralha norte-coreana com 7 gols e fica perto das oitavas