! São Paulo vence clássico e afunda Palmeiras - 20/02/2005 - UOL Esporte - Futebol

UOL EsporteUOL Esporte
UOL BUSCA


  20/02/2005 - 17h55
São Paulo vence clássico e afunda Palmeiras

MBPress
Em São Paulo

Deu a lógica neste domingo, no Morumbi. O São Paulo teve tranqüilidade e venceu o Palmeiras por 3 a 0 no clássico válido pela oitava rodada do Campeonato Paulista.

Eduardo Knapp/Folha Imagem 
Luizão comemora no clássico o seu primeiro gol com a camisa do São Paulo
O placar confirma um longo tabu favorável ao time comandado por Emerson Leão. O São Paulo não perde para o Palmeiras pelo Paulistão desde 1997. O último placar favorável à equipe do Parque Antártica aconteceu em março daquele ano, 1 a 0 (gol de Viola). Desde então, nos oito jogos disputados, o time do Morumbi venceu sete e empatou apenas um.

Além disso, o São Paulo ainda desempatou o retrospecto histórico entre as duas equipes. Agora, nos 257 clássicos disputados, o time do Morumbi venceu 87 e perdeu 86. Outras 84 partidas acabaram com igualdade no placar.

Para completar, o São Paulo continua impossível no Morumbi. O time comandado por Leão não perde no estádio há 16 confrontos. O último insucesso aconteceu no dia 1º de setembro de 2004, pelo Campeonato Brasileiro, 3 a 2 para o Coritiba. De lá para cá, a equipe do Morumbi venceu 11 jogos e empatou outros quatro.

Com a vitória, o São Paulo se consolida na liderança do Campeonato Paulista. O time de Emerson Leão soma agora 22 pontos e segue sem derrotas na temporada.

O Palmeiras, em contrapartida, segue em reta descendente. A equipe do Parque Antártica não vence há cinco partidas e estacionou nos dez pontos. O último placar favorável aconteceu no dia 26 de janeiro, dentro de casa, 3 a 1 sobre o Paulista de Jundiaí.

E os gols do São Paulo foram marcados por três personagens curiosos. Diego Tardelli abriu o placar e assumiu a liderança isolada da corrida dos artilheiros do Estadual. Rogério Ceni fez o segundo, o 35º da carreira dele. E Luizão completou o placar, o primeiro dele com a camisa do clube.

As duas equipes voltam a campo na próxima quinta-feira, em jogos válidos pela nona rodada do Campeonato Paulista. O São Paulo recebe a Portuguesa Santista, no Morumbi, às 20h30. No mesmo horário, o Palmeiras encara o Atlético Sorocaba no estádio Parque Antártica.

O jogo
O técnico Candinho chegou ao Palmeiras no sábado, véspera do clássico com o São Paulo. E encontrou uma equipe pressionada pelo mau retrospecto, que ainda iria encarar o líder do Campeonato Paulista. Por isso, optou por uma escalação com três volantes no meio-campo (Magrão, Marcinho e Correa) e deu mais liberdade aos laterais Bruno e Lúcio.

No entanto, o São Paulo soube explorar os espaços deixados às costas dos alas adversários. Assim, o time comandado por Emerson Leão foi melhor no início do clássico. Logo no primeiro minuto, Júnior cobrou escanteio da esquerda, Lugano desviou de cabeça no primeiro pau e Sérgio teve muito trabalho para defender.

Aos 5min, Grafite apareceu na ponta direita, aproveitando o avanço de Lúcio ao ataque, e invadiu a área com a bola dominada. Completamente imprudente, o zagueiro Nen segurou o camisa 9 pela camisa e cometeu a penalidade, a primeira favorável ao São Paulo desde que Emerson Leão assumiu o comando da equipe.

O encarregado pela cobrança foi o centroavante Diego Tardelli. Com muita categoria, ele colocou a bola no canto direito de Sérgio e inaugurou o placar no Morumbi. Foi o oitavo gol do camisa 19, artilheiro isolado do Campeonato Paulista (tem média de uma bola nas redes adversárias em cada partida).

Se o São Paulo dominava a partida antes de fazer o primerio gol, a diferença técnica entre as duas equipes ficou ainda mais evidente depois disso. Nervoso, o Palmeiras passou a abusar das faltas no meio-campo. Enquanto isso, a equipe de Emerson Leão tocava a bola lateralmente e fazia o adversário correr.

Porém, quando os laterais do Palmeiras começaram a ser eficientes, o time de Candinho cresceu e equilibrou o clássico. Aos 17min, depois de um escanteio cobrado por Correa, Ricardinho fez linda jogada pela direita e levantou a bola na cabeça do zagueiro Nen, que desviou no canto direito de Rogério Ceni. Com muito reflexo, o camisa 1 conseguiu defender.

Quatro minutos depois, Bruno conduziu pela direita, passou por dois marcadores e chutou de fora da área, de pé esquerdo. A bola passou muito perto da trave direita de Rogério Ceni, com muito perigo.

Depois disso, o nível do jogo caiu assustadoramente. As duas equipes erraram demais e não conseguiram mais criar oportunidades de gols.

Nos cinco últimos minutos, porém, a defesa do Palmeiras mostrou total descontrole. O São Paulo chegou com facilidade em três lances e só não ampliou a vantagem devido à inoperância do atacante Grafite.

Aos 38min, o camisa 9 recebeu nas costas de Nen, na direita, e teve muito tempo para arrumar a bola. Quando chutou, no entanto, exagerou na força e mandou por cima da meta defendida por Sérgio.

Dois minutos depois, Júnior cobrou escanteio da esquerda, Grafite subiu no primeiro pau e cabeceou para fora, à direita do camisa 1 do Palmeiras. Mas a chance mais clara aconteceu aos 42min. Diego Tardelli carregou pelo meio e trombou com Daniel. Grafite ficou com a sobra dentro da área, cara a cara com Sérgio, e bateu de primeira. O goleiro fez excelente intervenção e desviou para a linha de fundo.

No segundo tempo, tentando dar mais criatividade ao Palmeiras, o técnico Candinho tirou o meia Cristian (que esteve muito apagado no clássico) e promoveu a estréia do lateral-esquerdo Fabiano. Com constantes trocas de posição com Lúcio, aumentou o poder ofensivo de sua equipe.

Apesar disso, o nível técnico do segundo tempo foi muito baixo. Apáticas, as duas equipes criaram pouco e os goleiros pouco participaram da partida.

Se não participou com as mãos, Rogério Ceni resolveu decidir com os pés. Aos 30min, o camisa 1 do São Paulo cobrou falta com perfeição e acertou o ângulo esquerdo de Sérgio, que nada pôde fazer para evitar o segundo gol do time comandado por Emerson Leão.

A vantagem do São Paulo, que já era enorme, ficou ainda maior aos 41min do segundo tempo. Cicinho surpreendeu e apareceu do lado esquerdo de campo. O lateral cruzou com perfeição e Luizão desviou de cabeça para marcar.

PALMEIRAS
Sérgio; Bruno, Nen, Daniel e Lúcio; Marcinho, Magrão, Cristian (Fabiano) e Correa (Claudecir); Ricardinho e Osmar (Adriano Chuva)
Técnico: Candinho
SÃO PAULO
Rogério Ceni; Edcarlos, Lugano e Alex; Cicinho, Mineiro, Josué, Danilo (Renan) e Júnior (Fábio Santos); Grafite (Luizão) e Diego Tardelli
Técnico: Emerson Leão
Local: estádio Morumbi, em São Paulo (SP)
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (SP)
Auxiliares: Ednílson Corona e Flávio Lúcio Magalhães (ambos de SP)
Cartões amarelos: Magrão (P), Josué (S), Mineiro (S), Marcinho (P), Grafite (S), Fábio Santos (S), Luizão (S)
Gols: Grafite, aos 5min do primeiro tempo; Rogério Ceni, aos 30min e Luizão, aos 41min do segundo tempo

Veja também


ÚLTIMAS NOTÍCIAS
03/09/2007
Mais Notícias