! Brasil "veloz" empata, não quebra tabu e adia classificação - 30/03/2005 - UOL Esporte - Futebol
UOL EsporteUOL Esporte
UOL BUSCA


  30/03/2005 - 23h34
Brasil "veloz" empata, não quebra tabu e adia classificação

João Henrique Medice
Enviado especial do UOL Esporte
Em Montevidéu (Uruguai)

Não havia altitude, calor excessivo ou pedidos incessantes por Robinho. Mas havia um adversário tradicional e empurrado pela sua torcida. Nesse balanço, a seleção brasileira espantou a morosidade da vitória do último domingo, contra o Peru, adotou um ritmo frenético no seu "novo" esquema tático, o tal 4-2-2-2, com Ricardo Oliveira como titular, mas não foi além de um empate por 1 a 1 contra o Uruguai, em Montevidéu, onde não vence o rival desde 1976.

NO CENTENÁRIO

Cafu tenta ir ao ataque; lateral está suspenso


Ronaldo tenta superar marcação uruguaia...


...mas é Forlán, em falha de Dida, que balança a rede


Roberto Carlos mostra preocupação com gol rival...


...mas gol de Emerson salva time de novo revés


Homem de confiança, Emerson ouve Parreira...


...que dá nova chance a Robinho no final da partida


Quem não teve chance foi Ronaldo; outra vez em branco
Com o resultado, o Brasil, que esperava praticamente garantir sua classificação à Copa do Mundo ainda nesta rodada das eliminatórias, terá que esperar até junho, quando duela contra o Paraguai, em casa, e faz outro clássico - encara a Argentina, em Buenos Aires, líder do qualificatório com 28 pontos e que, com a vitória desta quarta contra a Colômbia, por 1 a 0, selou virtualmente sua presença na Alemanha no ano que vem.

Os gols do jogo, inclusive, envolveram personagens antagonistas na atmosfera da seleção na atual era Parreira. Após salvar o time no primeiro tempo com duas defesas dificílimas, o celebrado goleiro Dida, titular do Milan, da Itália, falhou logo no início do segundo tempo e permitiu que Diego Forlán abrisse o placar para os uruguaios.

O empate brasileiro veio por meio dos pés de Emerson, um dos jogadores mais contestados do atual grupo e, ironicamente, um dos que mais reclamaram da alta temperatura do jogo de Goiânia. Quando o time dava sinais que poderia não reagir, foi o meia da Juventus que, mesmo impedido, aproveitou confusão na área uruguaia para salvar o Brasil de sua segunda derrota na competição.

De quebra, Emerson fez nesta rodada dupla seu retorno triunfal à seleção. Convocado no início das eliminatórias, em setembro de 2003, foi "esquecido" por Parreira por alguns meses, mas retornou graças à boa fase vivida no futebol italiano. O técnico, inclusive, usou o jogo de Montevidéu como uma das justificativas para o retorno do meia, que na sua visão é um jogador que "sabe se impor" em campo.

Além da aposta em Emerson, Parreira também respondeu "presente" ao surpreender poucas horas antes do jogo. Enquanto a manutenção de Juninho Pernambucano como titular do meio-campo parecia certa, o treinador "inovou" para os seus padrões de ousadia e foi além da alteração programada, que seria a entrada de Robinho no lugar do jogador do Lyon, da França.

Elogiado pelo seu desempenho na temporada espanhola, da qual é o vice-artilheiro da liga local, com 15 gols, Ricardo Oliveira, do Bétis, foi a aposta do técnico para jogar ao lado de Ronaldo no início do jogo. Mostrou disposição, assim como toda a equipe, mas pouco produziu e acabou dando lugar a Robinho na etapa final.

Para os próximos jogos, no entanto, Ronaldo deve ter um novo companheiro no ataque, até porque Parreira decidiu alterar seu esquema tático do 4-3-1-2 para o 4-2-2-2 com o intuito de encaixar no time Adriano, da Internazionale, ao lado de Ronaldo. O "Imperador" só não esteve em campo nos dois últimos jogos apenas por ter se contundido em jogo pelo Campeonato Italiano. Acabou cortado e possibilitou toda a discussão e apelo nacional pela entrada de Robinho no time.

O jogo
A primeira grande chance foi do Uruguai. Aos 14min, Lúcio errou passe na intermediária do Brasil. Zalayeta dominou, deixou o zagueiro brasileiro no chão e abriu para Diego Fórlan. Dentro da área, o atacante tocou para trás, mas a conclusão dos donos da casa foi travada pela defesa brasileira.

O Brasil respondeu em rápido contra-ataque, desperdiçado por Ronaldinho Gaúcho. O melhor do mundo de 2004 entrou na área uruguaia com a bola dominada e livre para concluir, mas arriscou um drible a mais e foi desarmado pelo experiente Paolo Montero.

Aos 17min, Dida impediu que o Uruguai abrisse o placar. Em falta na qual Cafu recebeu o cartão amarelo - o lateral, suspenso, está fora do jogo contra o Paraguai -, Lugano subiu mais alto que a defesa brasileira e buscou Forlán. O atacante ganhou de Cafu e, na entrada da pequena área, cabeceou para baixo, mas Dida fez grande defesa.

O Uruguai passou a deter a posse de bola, enquanto o Brasil não conseguia organizar seu contra-ataque. Tanto que o time de Parreira voltou a ameaçar o gol de Vieira apenas numa cobrança de falta, aos 25min. Roberto Carlos acertou chute forte no meio do gol. Vieira não segurou, mas, no rebote, Ronaldo não conseguiu dominar e a zaga afastou a jogada.

Quatro minutos depois, o Uruguai voltou a ter boa chance para marcar. A bola cruzou toda a área brasileira em cobrança de escanteio e sobrou para Diogo. O lateral chutou forte, mas sem direção. Ainda assim, a bola passou próxima ao travessão de Dida.

O ritmo do jogo, até então frenético, caiu nos minutos seguintes. O Brasil seguia em insistir em avançar pelo meio, e, numa dessas jogadas, Ronaldinho Gaúcho conseguiu acertar lançamento para Ronaldo. O atacante do Real Madrid dominou e ganhou de Montero, mas chutou por cima do gol.

A dois minutos do fim do primeiro tempo, o Uruguai voltou a ter grande chance para marcar. Em jogada pelo meio da defesa brasileira, a bola sobrou para Zalayeta, livre, dentro da área de Dida. O atacante da Juventus não aproveitou a chance e chutou fraco, em cima do goleiro brasileiro.

"A gente sabe que essa pressão ia acontecer, mas estamos suportando bem", comentou o zagueiro Lúcio no intervalo. Já Roberto Carlos privilegiou a ironia ao avaliar o primeiro tempo. "O pessoal queria velocidade, tem velocidade aí", afirmou, numa referência às críticas quanto à morosidade do Brasil contra o Peru. "Se continuar assim, o gol vai sair", completou.

E saiu. Mas foi do Uruguai. Logo aos três minutos do segundo tempo, Oliveira chutou forte de fora da área. Dida errou, rebateu a bola para o meio da área e Forlán, livre de marcação, apenas tocou para o fundo do gol. Foi o quinto gol do uruguaio nas eliminatórias.

O gol dos anfitriões não fez com que o Brasil reagisse. Tanto que o primeiro chute a levar algum perigo a Vieira ocorreu apenas aos 17min. Após troca de passes pela esquerda, Kaká serviu a Ricardo Oliveira, que girou fora da área e chutou para defesa do goleiro do Uruguai. O lance foi o último do atacante do Bétis no jogo: ele, que já daria lugar a Robinho, teria que sair por contusão.

Mas não foi o jogador do Santos, tão querido por torcida e parte de imprensa, o responsável pelo empate. Em cobrança de escanteio, Lúcio devolveu para a área a bola que já escapava do ataque brasileiro e, na confusão dentro da área, Emerson, impedido, dominou e chutou para empatar.

O Brasil seguiu a ameaçar, mas esbarrava no individualismo excessivo de Ronaldinho Gaúcho em algumas jogadas. Num desses lances, porém, o camisa 10 obteve uma falta e, na cobrança, obrigou Vieira a fazer grande defesa aos 37min.

O Uruguai respondeu dois minutos depois. Chevantón dominou já dentro da área, mas não conseguiu virar para concluir. Aos 40min, foi a vez de Roberto Carlos, em chute de fora da área, assustar Vieira, que precisou amortecer a bola para apenas em seguida completar a defesa.

URUGUAI
Viera; Lugano, Montero e López; Diogo (De Los Santos), Garcia, Oliveira (Chevantón), Regueiro (Delgado) e Rodríguez; Forlán e Zalayeta
Técnico: Jorge Fossati

BRASIL
Dida; Cafu, Lúcio, Luisão e Roberto Carlos; Emerson, Zé Roberto (Renato), Ronaldinho Gaúcho e Kaká; Ricardo Oliveira (Robinho) e Ronaldo
Técnico: Carlos Alberto Parreira

Local: estádio Centenário, em Montevidéu (URU)
Árbitro: Héctor Baldassi (ARG)
Cartões amarelos: Cafu (BRA) e Garcia (URU)

Veja mais

Veja também


ÚLTIMAS NOTÍCIAS
03/09/2007
Mais Notícias