! Palmeiras bate Portuguesa para alívio de Leão - 11/03/2006 - UOL Esporte - Futebol
UOL EsporteUOL Esporte
UOL BUSCA


  11/03/2006 - 20h06
Palmeiras bate Portuguesa para alívio de Leão

Da Redação
Em São Paulo

Emerson Leão ganhou novo ânimo para seguir no Palmeiras. Criticado pela torcida e vivendo sob pressão, o treinador viu sua equipe vencer a Portuguesa por 2 a 1, de virada, no estádio do Canindé, na noite deste sábado, garantindo maior fôlego para sua permanência no clube. O duelo foi válido pela 14ª rodada do Campeonato Paulista.

Rubens Cavallari/Folha Imagem
Edmundo abraça o técnico Leão após marcar o gol da vitória sobre a Portuguesa no Canindé
Em sua segunda passagem como treinador do time alviverde, Leão classificou como insustentável sua permanência no Parque Antarctica em caso de três derrotas seguidas. Mas, depois de cair diante de Santos e América, ele reencontrou o triunfo que lhe mantém no cargo.

O revés diante da equipe de São José do Rio Preto, na última quarta, foi determinante para alimentar a crise que o Palmeiras luta para contornar. Na goleada por 4 a 1 sofrida em pleno Parque Antarctica, a torcida alviverde chamou Leão de "burro" e estremeceu o casamento que começara em 2005. Na época, enquanto Paulo Bonamigo balançava no cargo, os palmeirenses gritavam o nome do ex-goleiro para comandar o time.

"Em momento nenhum o trabalho dele foi questionado. O Leão é um profissional renomado e de muita qualidade", defendeu Edmundo. O atacante anotou o gol da vitória e correu para comemorar com o treinador, que agradeceu.

"A vibração tem que ser coletiva, e não individual. O Edmundo correu na minha direção porque sabe o que nós já passamos. Eu disse para fazermos aqueles que criticaram engolir o que falaram", desabafou o treinador.

Com o resultado, a equipe alviverde ainda sonha com o título do Paulista - torneio que o clube não vence desde 1996. Agora com 29 pontos, o Palmeiras está a dois do líder Santos, que pode aumentar a diferença neste domingo, a cinco rodadas do final.

'INFLAÇÃO ALVIVERDE'
A onda de protestos da torcida palmeirense não pára. Depois de os muros do Parque Antarctica serem pichados, os torcedores levaram uma faixa ao Canindé ironizando o futebol apresentado pelo time.

Com os dizeres "Ingresso de R$ 20,00, futebol de R$ 1,99", os palmeirenses criticaram o valor das entradas cobrado pela diretoria nas partidas em casa.

Além, é claro, de reclamar das últimas performances da equipe, que tenta contornar momento de instabilidade neste início de temporada.
Paralelamente a isso, o time aparece na vice-liderança do Grupo 7 da Copa Libertadores, com os mesmos quatro pontos do líder Cerro Porteño, do Paraguai, performance que alivia um pouco a tensão no Parque Antarctica.

Tensão essa que a Portuguesa não consegue afastar. Há sete rodadas sem vitória, o time do Canindé acumula cinco derrotas consecutivas e permanece seriamente ameaçado pelo rebaixamento à Série A-2.

Edinho Nazareth, que fez seu segundo jogo à frente da equipe rubro-verde, segue sem pontuar. Totalizando 11 pontos, a equipe lusitana permanece na zona de descenso e como vice-lanterna, melhor colocada apenas que o Mogi Mirim.

Os dois times voltam a campo pelo Estadual no próximo fim de semana. No sábado, a Portuguesa visita o Juventus na Rua Javari, enquanto o Palmeiras, no dia seguinte, recebe a Ponte Preta. Antes disso, porém, pega o Rosario Central, da Argentina, em duelo da Copa Libertadores que acontece na próxima quarta-feira.

O jogo
Precisando da vitória para amenizar suas crises, as duas equipes começaram a partida tentando mostrar ímpeto ofensivo. A primeira boa chance foi do Palmeiras, aos 9min, quando Edmundo arriscou forte chute da entrada da área e mandou à esquerda de Gléguer, rente à trave.

JEJUM DA PORTUGUESA
DataAdversárioPlacar
9/2São Paulo1 x 3
12/2Ponte Preta1 x 1
19/2Rio Branco0 x 2
24/2São Caetano0 x 1
1/3São Bento0 x 2
4/3Port. Santista1 x 2
11/3Palmeiras1 x 2
Com um pouco mais de volume no meio-campo, o time alviverde era melhor quando a Portuguesa conseguiu abrir o placar. Aos 18min, Johnson deu bom passe para Almir dentro da área, pela direita. O volante tocou com categoria sobre Sérgio, que saíra do gol, e viu a bola entrar.

O Palmeiras tentou reagir rapidamente, mas só voltou a assustar Gléguer aos 28min. Edmundo ajeitou fora da área para Marcinho, que disparou com força e parou em boa defesa do goleiro da Portuguesa.

Daniel, de fora da área, e Marcinho batendo cruzado, também levaram perigo à meta rubro-verde nos minutos finais, quando o time visitante foi melhor em campo, mas não conseguiu criar chances reais.

A equipe de Edinho, apostando nos contra-ataques, poderia ter feito o segundo se Johnson, que invadiu a área sem marcação, não tivesse demorado a concluir a jogada após driblar Sérgio. No outro lado do campo, Gléguer também se destacou nos acréscimos, ao interceptar bom cabeceio de Thiago Gomes.

Mal o árbitro autorizou o início do segundo tempo, o Palmeiras chegou ao empate. Marcinho cobrou escanteio da direita e Thiago Gomes, próximo à marca do pênalti, cabeceou no canto esquerdo de Gléguer para deixar tudo igual. O gol acendeu a equipe alviverde, que aos 8min por pouco não virou em falta batida por Edmundo.

Aos 16min, Marcinho Guerreiro perdeu chance clara ao receber passe de bicicleta de Marcinho, dentro da área, e chutar sobre o travessão. O meia também assustou a torcida lusitana em cabeceio que bateu na trave esquerda e correu toda a extensão do gol defendido por Gléguer.

O gol da virada, porém, só saiu aos 34min. Washington foi lançado pelo meio e dividiu com o goleiro da Portuguesa. Na sobra, a bola ficou com Edmundo, que dominou com tranqüilidade e acertou o canto esquerdo para colocar o Palmeiras em vantagem que permaneceu até o final.

PORTUGUESA
Gléguer; Jackson, Du Lopes, Sílvio Criciúma e David; Almir, Rodrigo Pontes, Cléber (Alexandre) e Joãozinho (Jocivalter); Leandro Amaral (Anderson) e Johnson
Técnico: Edinho Nazareth

PALMEIRAS
Sérgio; Thiago Gomes, Daniel e Gamarra; Correa, Marcinho Guerreiro, Alceu, Marcinho e Lúcio; Edmundo e Cláudio (Washington)
Técnico: Emerson Leão

Local: estádio do Canindé, em São Paulo
Árbitro: Paulo César de Oliveira
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Márcio Luiz Augusto
Cartões amarelos: Jackson (POR), Sílvio Criciúma (POR), Daniel (PAL), Marcinho Guerreiro (PAL), Washington (PAL)
Gols: Almir, aos 18min do primeiro tempo; Thiago Gomes, a 1min, Edmundo, aos 34min do segundo tempo

Leia também
Veja também
Leia mais


ÚLTIMAS NOTÍCIAS
03/09/2007
Mais Notícias