! Em alta, Santos chega à vice-liderança e afunda Cruzeiro - 17/08/2006 - UOL Esporte - Futebol
UOL EsporteUOL Esporte
UOL BUSCA


  17/08/2006 - 22h29
Em alta, Santos chega à vice-liderança e afunda Cruzeiro

Da Redação
Em São Paulo

Antes da paralisação do Campeonato Brasileiro para a Copa do Mundo, o Cruzeiro liderava a competição nacional e o Santos ocupava posição intermediária na tabela. Nesta quinta-feira, porém, as duas equipes confirmaram uma mudança radical em suas situações depois da disputa do Mundial da Alemanha. Os paulistas superaram os mineiros por 2 a 0 na Vila Belmiro, alcançaram a segunda colocação da tabela e mantiveram os rivais em baixa.

SANTOS VENCE NA VILA
Ricardo Nogueira/Folha Imagem
Wellington Paulista abre o placar
Ricardo Nogueira/Folha Imagem
Jogadores do Santos comemoram
Ricardo Nogueira/Folha Imagem
Após assistência, Kleber extravasa
Ricardo Nogueira/Folha Imagem
Tabata celebra o 2º do Santos
Ricardo Nogueira/Folha Imagem
Oswaldo estréia com derrota
VEJA OS GOLS DA PARTIDA
ÁLBUM DE FOTOS DA RODADA
CLASSIFICAÇÃO DO BRASILEIRO
PÁGINA DO SANTOS
PÁGINA DO CRUZEIRO
O Santos chegou a ensaiar um retorno ruim depois da Copa do Mundo e perdeu duas partidas consecutivas (para Figueirense e São Caetano). Depois disso, porém, emendou uma seqüência positiva e já está invicto há cinco jogos (quatro vitórias e um empate). Com essa campanha e o fato de São Paulo, Internacional e Paraná não terem entrado em campo nesta rodada, a equipe dirigida por Vanderlei Luxemburgo saltou para o segundo posto do Campeonato Brasileiro, sua melhor colocação desde a sexta rodada.

"Nós enfrentamos uma desconfiança muito grande, mas isso é normal para uma equipe em formação. Mas trabalhamos com um grupo de jogadores que têm talento e isso tem feito diferença. Aos poucos, conforme formos encaixando mais o nosso jogo, a tendência é evoluir ainda mais", projetou o treinador santista Vanderlei Luxemburgo.

O bom momento do Santos é impulsionado por sua excelente campanha como mandante. O time alvinegro não perde na Vila Belmiro desde 13 de outubro do ano passado, quando levou 3 a 2 do Corinthians. Nesta temporada, nas 19 partidas que fez como mandante, a equipe paulista acumulou 17 vitórias e dois empates (além dos triunfos sobre Atlético-PR e Fortaleza, ambos em campo neutro).

A situação do Cruzeiro é exatamente o inverso. Quando o Campeonato Brasileiro foi paralisado, a equipe mineira ocupava a primeira colocação da tabela. Depois da Copa do Mundo, a situação chegou a ser mantida com um triunfo sobre o Corinthians. No entanto, esse foi o último resultado favorável ao time celeste, que acumulou quatro derrotas e dois empates nas partidas seguintes.

A campanha irregular causou a demissão do treinador Paulo César Gusmão, que caiu depois da rodada passada do Campeonato Brasileiro. Ele foi substituído por Oswaldo de Oliveira, que estreou nesta quarta-feira. "Ele ainda está conhecendo o elenco e teve pouco tempo para armar a equipe. Isso é complicado demais e reflete no nosso desempenho", admitiu o lateral-direito Jonathan.

O revés desta quinta-feira fez o Cruzeiro estacionar nos 26 pontos, na sexta colocação da tabela do Campeonato Brasileiro. A posição é a pior do clube mineiro desde a segunda rodada, quando ele chegou a ocupar o sétimo lugar da tabela. "Até pelo momento negativo, nossa equipe tem se abalado demais. O time não consegue reagir em campo", reclamou o centroavante Élber. "Quero que exista um pouco mais de entrega e não posso aceitar que exista a apatia que aconteceu hoje [qinta-feira]", concordou o treinador Oswaldo de Oliveira, insatisfeito com a postura de sua equipe na derrota para o Santos.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, as duas equipes entrarão em campo no domingo, ambas às 16h. O Santos receberá o Vasco na Vila Belmiro e o Cruzeiro vai jogar no Mineirão contra o líder São Paulo, que perdeu a decisão da Libertadores na última quarta-feira.

O jogo
"Nós tivemos dois jogos em casa nas duas últimas rodadas e não vencemos [empate com o Santa Cruz e derrota para o Fluminense]. Precisamos recuperar esses pontos agora", avisou o zagueiro Edu Dracena, prevendo a postura ofensiva que o Cruzeiro adotaria no confronto contra o Santos, nesta quinta-feira, na Vila Belmiro.

O problema é que o Cruzeiro não teve organização tática suficiente para pressionar o Santos. "Já esperava isso. Ainda estou conhecendo o elenco e é natural que o rendimento não seja o ideal nesse aspecto", admitiu o técnico Oswaldo de Oliveira, contratado pelos mineiros nesta semana. Com isso, a única oportunidade para os donos da casa balançarem as redes na etapa inicial aconteceu em um lance individual do atacante Carlinhos Bala, que chutou de pé direito aos 24min e exigiu defesa difícil de Fábio Costa em seu canto esquerdo baixo.

25Faltas cometidas18
4Finalizações certas5
11Finalizações erradas8
183Passes certos273
58Passes errados62
8Dribles16
SANTOS X CRUZEIRO
Sem ser ameaçado e diante de um rival desorganizado, o Santos errou por afunilar demais o jogo e concentrar todas as investidas em seu lado direito. Até o ala-esquerdo Kléber, um dos destaques da equipe alvinegra, abusou das jogadas em diagonal e até apareceu na outra lateral do campo. Foi por ali que ele deu um excelente passe para Denis aos 3min. O camisa 4 cruzou rasteiro, a bola passou pelo goleiro Lauro e Thiago Heleno cortou antes da conclusão de Wellington Paulista.

Quando a zaga do Cruzeiro não conseguiu cortar, Wellington Paulista colocou os donos da casa em vantagem. Kléber cobrou escanteio da direita aos 18min da primeira etapa e mandou a bola para o segundo pau. Lauro saiu mal do gol, Sandro pulou pouco e o camisa 9 do Santos teve liberdade para cabecear para as redes.

NOVO ARTILHEIRO
Contratado em abril, o atacante Wellington Paulista não havia marcado nenhum gol com a camisa do Santos até o domingo passado, quando balançou as redes no empate por 1 a 1 com o Paraná. Nesta quinta-feira, porém, o camisa 9 mostrou ter 'se acostumado' com a função de artilheiro e abriu o placar na vitória por 2 a 0 sobre o Cruzeiro.

"Eu sabia que os gols iam começar a sair e estava trabalhando para isso. Felizmente, as coisas começaram a dar certo para mim e eu estou dando a minha participação para o Santos. Espero que isso continue", planejou Wellington Paulista.

O outro gol do Santos nesta quinta-feira foi marcado pelo meia Rodrigo Tabata, que interrompeu um jejum. Ele não balançava as redes adversárias desde o dia 28 de maio, quando o time do litoral venceu o Corinthians por 2 a 0.
Em vantagem, o Santos passou a valorizar mais a posse de bola. E com isso, reduziu o ritmo da partida na Vila Belmiro. A falta de objetividade dos mandantes se intensificou no segundo tempo e levou o técnico Vanderlei Luxemburgo a trocar o meia André por Rodrigo Tabata, com intenção de dar mais mobilidade à equipe. "Nós procuramos pouco os lances pelas laterais. Tocamos demais a bola pelo meio e isso facilitou a vida do Cruzeiro", admitiu Wellington Paulista.

Se não conseguia criar oportunidades, o Santos ao menos mostrou muita segurança. Dono da melhor defesa do Campeonato Brasileiro, com apenas 15 gols sofridos em 17 jogos, o time paulista marcou o Cruzeiro com eficiência na intermediária e fez com que o goleiro Fábio Costa não fosse exigido na etapa final.

Seguro atrás, o time da casa conseguiu ampliar sua vantagem aos 36min do segundo tempo. Leandro, na raça, ganhou uma disputa com a zaga do Cruzeiro pela esquerda e rolou rasteiro para Rodrigo Tabata, que bateu de primeira e colocou a bola no canto esquerdo baixo de Lauro.

"Eu e o André temos características semelhantes e estamos brigando pelo mesmo espaço, mas ele ganhou a posição nas últimas partidas e vinha jogando bem. Por isso, esse gol de hoje [quinta-feira] tem uma importância enorme para mim. Consegui ajudar o Santos e estou trabalhando para tentar voltar à equipe", comemorou Rodrigo Tabata.

SANTOS
Fábio Costa; Denis, Domingos, Luiz Alberto e Kléber; Heleno, Wendell, Cléber Santana e André (Rodrigo Tabata); Jonas (Rodrigo Tiuí) e Wellington Paulista (Leandro)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

CRUZEIRO
Lauro; Jonathan (Michel), Thiago Heleno, Edu Dracena e Júlio César; Diogo, Sandro, Francismar e Leandro Bomfim (Kerlon); Carlinhos Bala (Élber) e Alecsandro
Técnico: Oswaldo de Oliveira

Local: estádio da Vila Belmiro, em Santos (SP)
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: José Otávio Dias Bitencourt e Altemir Hausmann (ambos do RS)
Cartões amarelos: Diogo (C), Cléber Santana (S), Edu Dracena (C), Kerlon (C)
Gols: Wellington Paulista, aos 18min do primeiro tempo; Rodrigo Tabata, aos 36min do segundo tempo

Leia mais

Veja também


ÚLTIMAS NOTÍCIAS
03/09/2007
Mais Notícias