! Santos empata com Bragantino, mas garante vaga na final - 22/04/2007 - UOL Esporte - Futebol
UOL Esporte UOL Esporte
UOL BUSCA

22/04/2007 - 18h02

Santos empata com Bragantino, mas garante vaga na final

Da Redação
Em Santos
Mais uma vez o Santos não conseguiu vencer o Bragantino. Assim como havia acontecido no jogo de ida da semifinal, no Pacaembu, as duas equipes voltaram a empatar neste domingo por 0 a 0, mas desta vez no Morumbi. No entanto, o clube da Baixada Santista tinha o regulamento ao seu lado, e, por ter feito melhor campanha na primeira fase, garantiu sua presença na final do Campeonato Paulista contra o São Caetano.

PRINCIPAIS LANCES
Leonardo Wen/FI
Fábio Costa teve atuação decisiva para impedir gol do Bragantino no Morumbi
PRIMEIRO TEMPO
1min - Everton se aproveita das poças d'água na entrada da área do Santos e bate com a perna direita na frente de Fábio Costa, que sai bem do gol e faz boa defesa.
23min - Marcos Aurélio recebe passe de Tabata dentro da área e é derrubado por Tiago Vieira. O árbitro marca pênalti. Cléber Santana bate colocado com a perna direita no canto direito, mas a bola pára na trave.
36min - André bate falta da entrada da área com a perna esquerda, mas Fábio Costa cai bem no canto direito e espalma.
SEGUNDO TEMPO
6min - Kléber recebe passe na esquerda, vai até a linha de fundo e cruza na área do Bragantino. No primeiro pau, Cléber Santana cabeceia firme, mas a bola passa à direita do gol de Felipe.
42min - Bill recebe dentro da área depois de tabela com Everton e bate cruzado com a perna esquerda, mas Fábio Costa espalma para escanteio.
43min - Depois de escanteio da esquerda, Juliano desvia na saída de Fábio Costa e acerta o travessão.
VEJA FOTOS DO JOGO
JUCA: UM SAN-SÃO NA FINAL
CLÉBER SANTANA NÃO SE ABATE
FÁBIO COSTA ELEGE DEFESA
ESPERANÇA DE JOGAR NA VILA
"Isso é fruto do trabalho de todos os jogadores, pela campanha que fizeram na primeira fase. Agora temos de agradecer à torcida, às nossas famílias e a todo o elenco", disse o goleiro Fábio Costa, um dos heróis da partida, com uma boa defesa nos últimos minutos de jogo.

Curiosamente, dois empates sem gols premiaram o time de melhor ataque da competição e eliminaram a melhor defesa. Com os 45 marcados na primeira fase, o Santos chega à final como o dono do principal setor ofensivo do certame. Já o Bragantino, time menos vazado (17 gols), cai justamente quando não sofre nenhum gol.

A disputa entre ataque e defesa das duas equipes já havia sido importante na partida de ida, com o time do interior se defendendo e o clube da Vila Belmiro atacando. Por isso, antes do jogo existia uma grande dúvida sobre qual seria a postura adotada para a decisão.

Sem a vantagem do empate, o Bragantino deveria escolher entre apostar na defesa, sua principal arma na primeira partida e em todo o campeonato, ou atacar em busca do gol. Já o Santos poderia se fechar e esperar o adversário ou partir para cima e definir a situação.

Em campo, porém, as equipes foram surpreendidas pela condição do gramado. Em função da forte chuva que caiu na cidade de São Paulo no início do jogo, o gramado do Morumbi ficou, durante quase toda a primeira etapa, encharcado e com poças d'água.

Com isso, Bragantino e Santos jogaram da maneira que conseguiram. A equipe de Vanderlei Luxemburgo, que desde o início do ano se caracterizou pelo toque rápido no meio-campo, abusou de lançamentos longos e cruzamentos na área.

Já o Bragantino ocupou o setor defensivo do adversário e até criou chances contra o goleiro Fábio Costa. A melhor oportunidade de todas, porém, foi do Santos. Marcos Aurélio sofreu pênalti aos 23min. Na cobrança, Cléber Santana mudou seu estilo de bater. Em vez do tradicional chute forte, o camisa 11 fez uma "paradinha" duas vezes, esperou a definição do goleiro Felipe, que caiu para o lado esquerdo, e bateu fraco na trave direita.

No segundo tempo, o panorama da partida foi diferente. Com o gramado já em melhores condições, o Santos conseguiu impor seu ritmo de jogo. Mais atuante no ataque, a equipe do técnico Luxemburgo criou boas oportunidades, especialmente em chutes de fora da área, mas pecou nas finalizações e ainda sofreu com o posicionamento preciso do goleiro Felipe.

Só que a vontade santista não durou muito. A partir dos 30min, o Bragantino cresceu na partida em busca do gol da classificação. Preocupado, Luxemburgo recuou demais sua equipe, colocando o zagueiro Marcelo no lugar do meia Cléber Santana.

A pressão cresceu ainda mais nos minutos finais. Aos 42min, Fábio Costa conseguiu espalmar um chute de Bill, quase na pequena área, para escanteio. Após a cobrança, Juliano acertou o travessão desviando com a perna esquerda. Na seqüência, irritado com uma marcação do árbitro, o técnico da equipe do interior, Marcelo Veiga, foi expulso de campo. A tensão, no entanto, não teve resultado e o placar ficou mesmo no zero.

A classificação permite ao Santos continuar sonhando com o seu primeiro bicampeonato paulista na era "pós-Pelé". Em sua história, o time da Vila Belmiro, que soma 16 títulos estaduais, já foi duas vezes bicampeão (55/56 e 64/65) e tri em outras duas oportunidades (60/61/62 e 67/68/69).

SANTOS
Fábio Costa; Pedro, Adaílton, Antônio Carlos e Kléber; Maldonado, Rodrigo Souto, Cléber Santana (Marcelo) e Zé Roberto; Rodrigo Tabata (Pedrinho) e Marcos Aurélio (Rodrigo Tiuí)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

BRAGANTINO
Felipe; Tiago Vieira (Juliano), Zelão e Cadu; Júlio César (Bill), Mário (Neizinho), Somália, Adriano e André; Everton e Alex Afonso
Técnico: Marcelo Veiga

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Árbitro: Wilson Luiz Seneme
Auxiliares: Valter José dos Reis e João Bourgalber
Cartões amarelos: Cadu (B) e Adaílton (S)

Hospedagem: UOL Host