! Contra freguês histórico Chile, Brasil e 'era Dunga' buscam fôlego - 07/09/2008 - UOL Esporte - Futebol
UOL Esporte UOL Esporte
UOL BUSCA

07/09/2008 - 08h01

Contra freguês histórico Chile, Brasil e 'era Dunga' buscam fôlego

Carlos Padeiro
Em Santiago (Chile)
Já virou rotina a seleção brasileira entrar em campo pressionada durante a 'era Dunga'. Neste domingo, a partir das 22h (horário de Brasília), não será diferente. Em situação complicada nas eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2010, a equipe pentacampeã mundial enfrenta o Chile, no Estádio Nacional, em Santiago.

DUNGA X SELEÇÃO DO CHILE
Paulo Whitaker/Reuters
 
Brasil 6 x 1 Chile - Copa América de 2007
Brasil 3 x 0 Chile - Copa América de 2007
Brasil 4 x 0 Chile - Amistoso
Dunga técnico
Se não ganhar a primeira fora de casa na atual edição do torneio qualificatório, o Brasil terminará a sétima rodada do certame fora da zona de classificação para o Mundial da África do Sul - está em sexto lugar, com nove pontos.

De alento, o adversário é o maior freguês desde que Dunga assumiu o comando da seleção, em agosto de 2006. De lá para cá foram três partidas, com três goleadas brasileiras - 4 a 0, em um amistoso realizado na Suécia, e 3 a 0 e 6 a 1, pela Copa América de 2007, na Venezuela.

Mais do que isso, Dunga também nunca perdeu para os chilenos quando era jogador. Foram duas vitórias e um empate. Além disso, em toda a história, o Brasil ganhou 44 vezes e perdeu apenas sete do Chile, com 12 empates.

Juca Varella/Folha Imagem
 
Brasil 4 x 1 Chile - Copa do Mundo de 1998
Brasil 1 x 0 Chile - Eliminatórias da Copa do Mundo de 1990
Chile 1x 1 Brasil - Eliminatórias da Copa do Mundo de 1990
Dunga jogador
VALDIVIA: "VOCÊS VÃO CHORAR"
LEIA MAIS SOBRE A SELEÇÃO
Com um triunfo neste domingo, o time canarinho pula para a terceira colocação na tabela. Se vencer por dois gols de diferença e marcar três ou mais gols, iguala os 12 pontos da Argentina e ultrapassa o rival nos critérios de desempate.

Durante a semana, Dunga manteve o discurso de que está tranqüilo à frente da seleção, apesar dos boatos de que pode ser demitido pela CBF a qualquer momento. "Acho que isso [pressão] é normal, não é a primeira ou a última vez que acontece na seleção brasileira", declarou na última terça-feira.

"O Chile vive um bom momento. A colocação deles na tabela das eliminatórias mostra isso, ganhou dois jogos fora, contra Bolívia e Venezuela. Eles têm um futebol muito competitivo. O ponto forte é a velocidade, a qualidade técnica, além da pressão que exercem quando jogam em casa", analisou o treinador na última sexta, após treino realizado em Teresópolis (RJ).

Para encarar os chilenos, o capitão do tetracampeonato optou por um esquema ofensivo, com três atacantes - Robinho pela direita, Ronaldinho Gaúcho pela esquerda e Luís Fabiano de centroavante - e o meia Diego responsável pela armação.

"Sinto-me muito bem jogando no ataque, já fiz essa função muitas vezes, então não vai ter problema. O mais importante é estar ao lado de jogadores de tanta qualidade", observou Ronaldinho Gaúcho. Nos treinamentos durante a semana, coube a Robinho buscar mais o jogo no meio, e Gaúcho atuou como um típico ponta-esquerda, assim como na época em que brilhou no Barcelona e foi eleito o melhor do mundo por duas vezes.

'La Roja'

Bem posicionada na tabela - está em quinto lugar, com dez pontos -, a equipe do Chile, chamada pelos seus torcedores de La Roja, também aposta na ousadia para superar o Brasil. O técnico argentino Marcelo Bielsa vai mandar a campo três atacantes: Sánchez, Suazo e Beausejour.

Atrás, os donos-da-casa devem variar entre uma linha de quatro defensores e outra de três (4-3-3 e 3-4-3). A ousadia também está no comportamento dos jogadores, da imprensa e dos torcedores locais.

"Estou confiante de que vamos ganhar. O Brasil não está acostumado a ser muito atacado, e é isso o que estamos trabalhando", declarou o centroavante Humberto Suazo, artilheiro chileno nas eliminatórias, com três gols.

Ídolo dos palmeirenses e considerado um dos melhores jogadores do futebol brasileiro durante as duas últimas temporadas, o meia Valdivia deve iniciar a partida no banco de reservas. Entretanto, dá a receita para o sucesso de seu país. "Não podemos deixar que eles (brasileiros) sintam o prazer de jogar futebol", filosofou. "Temos que impedir esta sensação de que eles estão fazendo bem as coisas em campo. O jeito é pressionar a todo o momento, não tendo descuidos."

CHILE X BRASIL

CHILE
Bravo, Medel, Jara, Estrada e Vidal; Carmona, Droguett e Matias Fernández (Valdivia); Sánchez, Suazo e Beausejour
Técnico: Marcelo Bielsa

BRASIL
Júlio César, Maicon, Luisão, Lúcio e Kléber; Gilberto Silva, Josué e Diego; Robinho, Luís Fabiano e Ronaldinho Gaúcho
Técnico: Dunga

Data: 7 de setembro de 2008, domingo
Horário: às 22h (de Brasília)
Local: Estádio Nacional, em Santiago (Chile)
Árbitro: Carlos Torres (Paraguai)
Assistentes: Manuel Bernal e Tiburcio Gauto (ambos do Paraguai)

Hospedagem: UOL Host