UOL Esporte Futebol
 
15/04/2009 - 07h00

Com homenagens, Liverpool lembra tragédia revolucionária ao futebol inglês

Luiz Gabriel Ribeiro*
Em São Paulo
Há exatos 20 anos, o Liverpool, um dos clubes mais tradicionais do mundo, vivia o seu dia mais trágico. Em 15 de abril de 1989, 96 torcedores da equipe morreram pisoteados e esmagados na partida contra o Nottingham Forest, pela semifinal da Copa da Inglaterra, no estádio de Hillsborough, em Sheffield. O triste episódio, que rende homenagens todos os anos na cidade de Liverpool, foi o ponto inicial para uma série de mudanças e uma verdadeira revolução no futebol inglês.

TRAGÉDIA FOI DECISIVA PARA A 'REVOLUÇÃO' DO FUTEBOL INGLÊS
Arquivo/AP
Duas décadas após a tragédia em Hillsborough, o Campeonato Inglês é um dos torneios mais seguros, atrai os melhores atletas do mundo que desfilam em estádios modernos, até mesmo quando jogam na casa de clubes pequenos. A Premier League, como a primeira divisão inglesa foi batizada em 1992, possui acordos lucrativos para transmissão televisiva ao redor do planeta.

Em segurança, o jogo entre Liverpool e Nottingham Forest também foi marcante. "Hillsborough tem efeito em todas as mudanças que fizemos sobre segurança de multidões. O modo que agendamos as partidas, que nos organizamos caso aconteça algo de errado e de distribuir os policiais dentro de campo foi definido de acordo com aquela tragédia", comenta David Triesman, presidente da Federação Inglesa de Futebol.

Atualmente, não há grades entre os fãs e os jogadores dentro de campo, mas, se alguém tentar invadir o campo, será retirado do estádio e proibido de comprar ingressos para futuros eventos esportivos. A torcida também é vigiada por sofisticadas câmeras, que são capazes de identificar os responsáveis por uma possível confusão. "Fizemos a mais profunda mudança que foi possível", diz o dirigente.

Triesman não acredita em um novo episódio tão grave na Inglaterra, apesar de ressaltar que muitos outros países ainda não aprenderam com o caso de Hillsborough. "É difícil ver uma tragédia desse tipo acontecer novamente, não só por causa da qualidade dos estádios, mas também pelo que a polícia aprendeu sobre mecanismos de segurança", encerra.
CONFIRA FOTOS DAS HOMENAGENS
SABE SOBRE TRAGÉDIAS EM CAMPO?
PÁGINA DA LIGA DOS CAMPEÕES
SOBREVIVENTE RELATA TRAGÉDIA
As cenas de Hillsborough geraram efeito imediato na Federação Inglesa de Futebol. Os dirigentes exigiram mudanças na gestão dos estádios, na segurança do torcedor contra os hooligans e na profissionalização dos clubes e das ligas. Além do investimento em treinamento para a polícia, uma legislação dura foi criada para evitar atos de vandalismo. (Leia mais no quadro ao lado).

Enquanto dirigentes e políticos se mexeram, o clube e seus torcedores também fizeram a parte que lhes cabia após a tragédia, que ocorreu quando uma multidão de torcedores forçou uma das portas do campo e invadiu as escadarias de Hillsborough. "Eu participei da missa no ano passado, e estarei presente novamente neste ano. A missa acontece todos os anos e tem a participação dos jogadores e comissão técnica, além dos torcedores", destaca Lucas, volante do Liverpool, em entrevista por e-mail ao UOL Esporte.

Os Reds se negam a entrar em campo no dia do desastre e dedicam a data exclusivamente para homenagens às vítimas. O jogo entre Chelsea e Liverpool, disputado nesta terça-feira, foi agendado pela Uefa após pedido do clube para que a definição do semifinalista da Liga dos Campeões não fosse realizada no dia do incidente.

"A data é muito respeitada por todos no clube. O Liverpool fez um pedido à Uefa para que, se fosse possível, não tivéssemos jogo nesta data, e houve muita sensibilidade em atendê-lo. Acredito também que nenhum torcedor se sentiria a vontade em ir ao estádio neste dia", explica o volante. A própria torcida do Liverpool criou um memorial dedicado ao episódio de Hillsborough, em Anfield, que desde então é decorado com flores e outros tributos.

O episódio foi o estopim para mudanças profundas no futebol inglês. A maior delas foi a retirada da grade que separava fãs e jogadores, segundo Lucas, algo fundamental para os torcedores aproveitarem todos os detalhes do jogo. "Isso tudo depende da educação do torcedor em não invadir o campo. Penso que fica muito melhor, porque ele pode aproveitar muito mais o jogo. Por estar mais próximo dos seus ídolos, o espetáculo torna-se mais bonito e emocionante", afirma o ex-jogador do Grêmio.

Em seu primeiro ano na Inglaterra, Diego Cavalieri já sabe o quanto o tema é importante para os torcedores do Liverpool. "Esse é um assunto muito respeitado, até porque essa data marcou a história do clube. Todo ano, a torcida e o clube prestam homenagens às vítimas. É uma data emotiva e de luto para todos na cidade também", explica o goleiro ao UOL Esporte. Cavalieri mostra solidariedade com a tragédia. "Certamente tudo isso é lembrado com muita tristeza pelos ingleses e eu me solidarizo com eles".

Desde 2004 como treinador do Liverpool, Rafael Benítez é um dos participantes mais importantes nas solenidades relativas à tragédia. O espanhol diz ter aprendido muito sobre o episódio desde que chegou ao clube. "É importante não só para os jogadores do meu clube, mas para que todo o mundo do futebol lembre. O Liverpool sempre apoiará as famílias. Desde que cheguei, aprendi muito sobre o que Hillsborough significa para as pessoas", encerra.

* Atualizada às 11h. Com agências internacionais

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host