UOL Esporte Ginástica
 
11/02/2009 - 15h16

Iryna define nova seleção de ginástica e guarda lugar de Jade, Daiane e Laís

Bruno Império
Em Curitiba
ESTRELAS FORA DA SELETIVA
Arquivo
Grande nome da ginástica no país, Daiane se recupera de operação no joelho direito
Arquivo
Jade sofre com uma lesão grave no punho e pode ter de se tratar nos Estados Unidos
Arquivo
Laís Souza também passou por cirurgia no final de 2008 e ainda não está treinando
LEIA OUTRAS NOTÍCIAS DE GINÁSTICA
A técnica ucraniana Iryna Ilyashenko tomou nesta quarta-feira sua primeira decisão como comandante da seleção brasileira de ginástica artística feminina. Após três dias de trabalhos no Centro de Excelência, em Curitiba, a treinadora definiu a equipe base do próximo ciclo olímpico.

Iryna selecionou nove das 12 atletas que pretende utilizar no grupo que buscará vaga nos Jogos de Londres, em 2012. Extraoficialmente, três vagas ficaram reservadas para Daiane dos Santos, Laís Souza e Jade Barbosa, que se recuperam de lesão e não participaram da seletiva.

Ao todo, 18 ginastas participaram dos testes que tiveram início na última segunda-feira na capital paranaense. Após analisar aspectos como preparo físico e condição técnica, a comissão de treinadores encabeçada por Iryna optou por um grupo de nove titulares e cinco reservas.

Das nove principais, cinco não faziam parte do grupo que trabalhou com Oleg Ostapenko no último ciclo. São os casos de Anna Carolina Cardoso, Bruna Leal, Nadhine Ourives, Janaina Silva e Priscila Cobello.

O grupo ainda tem Ethiene Franco, Khiuani Dias, Ana Claudia Silva e Daniele Hypólito, ginastas que já integravam a seleção no ano passado. As reservas são Nicole Beltrame, Vitória Sampaio, Caroline Himovski, Letícia da Costa e Nayara Sobrinho.

"Selecionamos as meninas que tem maior potencial e que mais se destacaram nesses dias de trabalho. Mas é claro que esta equipe ainda pode sofrer alterações. Ainda planejamos mais duas ou três seletivas, nas quais Daiane, Jade e Laís também serão avaliadas. Então, não é porque alguma menina não foi escolhida hoje que não poderá mais estar na seleção", afirmou Iryna.

Juliana Santos, que foi reserva da equipe que disputou os Jogos Olímpicos de Pequim, também não esteve presente na seletiva desta quarta-feira por estar machucada e será reavaliada para saber se seguirá na equipe. O Grêmio Náutico União, clube da ginasta, chegou a enviar um ofício para a Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) para explicar a ausência da atleta. O Flamengo fez o mesmo com Jade Barbosa. Já o Pinheiros, onde treinam Laís e Daiane, não passou nenhum parecer à entidade.

Nova coordenadora da seleção, Georgette Vidor, entretanto, fez questão de deixar claro que não existe proteção às atletas renomadas. "Não estamos beneficiando a Jade, a Laís ou a Daiane. Queremos trabalhar com 12 ginastas na equipe titular e escolhemos nove meninas que vimos que têm condições de estar na seleção. Mas não é porque de nove para 12 faltam três que estamos privilegiando uma ou outra", explicou a dirigente.

A comissão técnica já definiu as próximas seletivas. A primeira reavaliação será feita no final de abril, durante o Circuito Caixa. Depois, em julho, as atletas passarão por nova análise em Curitiba. "Mas, se mesmo após esses testes, ainda tivermos dúvidas ou alguma ginasta ainda não tiver em plenas condições, faremos uma nova avaliação no Campeonato Brasileiro, em agosto", completou Georgete. A intenção é ter o time fechado para o Mundial de Londres, em Outubro.

"Estou muito feliz em continuar. A ginástica é minha vida e espero evoluir ainda mais neste novo ciclo, juntamente com essas novas meninas que entraram", disse Khiuani, de 16 anos, que era forte candidata a integrar a seleção brasileira nos Jogos de Pequim, mas, com uma lesão na mão direita, acabou fora do grupo que foi à China.

A nova seleção conta com uma base menor se comparada ao ciclo olímpico passado. Em 2005, data da última seletiva, 17 ginastas foram convidadas a integrar o grupo permanente que, na época, ficava baseado em Curitiba. No final do período de quatro anos, apenas nove ainda estavam no time então comandado por Oleg Ostapenko.

Agora, até para tentar diminuir o "êxodo" de atletas, a equipe não ficará mais concentrada na capital paranaense. As ginastas treinarão normalmente em seus clubes e a seleção só será reunida em períodos específicos que antecedam algumas competições.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host