Esporte

Cubano que desertou no Pan-2007 brilha no Mundial de Handebol pelo Qatar

EPA/Srdjan Suki
Rafael Capote é vice-artilheiro do Qatar no Mundial com 28 gols. Seleção asiática está nas quartas de final Imagem: EPA/Srdjan Suki

Fábio Aleixo

Do UOL, em São Paulo

28/01/2015 06h00

Anfitrião do Mundial Masculino de handebol e semifinalista pela primeira vez após bater a Alemanha por 26 a 24 no início da tarde desta quarta-feira,  o Qatar conta em suas fileiras com um jogador que possui laços estreitos com o Brasil. Foi o país que lhe serviu de refúgio em 2007, quando durante os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro desertou da delegação cubana.

Rafael Capote tinha somente 20 anos à época e era considerado uma das grandes promessas da modalidade na ilha de Fidel Castro. Sua fuga da Vila Pan-Americana, em Jacarepaguá, teve contornos cinematográficos e uma viagem de táxi do Rio para São Caetano do Sul (SP) que lhe custou US$ 300 (R$ 565 na cotação da época).

Na noite do dia 11 de julho, dois dias antes da cerimônia de abertura, chovia muito e a maior parte da delegação de Cuba - inclusive os seguranças responsáveis por vigiar possíveis desertores estavam em seu quartos. Foi a brecha encontrada para escapar.

"Aproveitei e fugi por debaixo de uma cerca. E corri. Corri muito. Falei com um motorista, e ele disse que, àquela hora (por volta das 23h), o mais seguro seria um táxi", disse Capote em reportagem publicada pela Folha de S. Paulo em 2 de agosto de 2007.

A fuga teve como destino a casa do amigo cubano Michel, que havia desertado em 2005 e estava defendendo o Imes/São Caetano, equipe que foi a casa de Capote nos poucos meses que passou no Brasil.

"Em um dia comum de treino, chego no ginásio e lá está ele (Capote) com o Michel. Conversamos e ele disse que queria jogar conosco. Falei que sim, mas, que ele tinha que 'sumir' por uns tempos, pois, o pessoal iria comunicar seu paradeiro e ele poderia ter que voltar, como aconteceu com os lutadores de boxe que também desertaram no Pan. Um atleta nosso tinha um amigo com uma chácara no interior e ele ficou lá por um tempo até podermos trazê-lo de volta. Com isso ele jogou conosco o final da temporada em 2007. Em 2008, fez excelente pré-temporada e começou o ano jogando pela equipe júnior e adulta de São Caetano. Em julho, após os Jogos Regionais, ele se transferiu para a Itália", contou ao UOL Esporte Washington Nunes, treinador do cubano no Imes e atual integrante da comissão técnica da seleção brasileira.

Hoje, quase oito anos mais tarde, com muito mais experiência em seu currículo, e sem precisar viver como um asilado político ou fugindo das autoridades do país, Capote deixou para trás o status de promessa para se tornar realidade. No Qatar, encontrou as condições ideais para viver e seguir se destacando no cenário internacional do handebol após passagens por clubes do primeiro escalão da Itália e da Espanha.

Andre Porto/ Folhapress
Rafael Capote (ao centro) durante treino do Imes/São Caetano em 2007 Imagem: Andre Porto/ Folhapress

Desde o fim de 2013, defende o Al Jaish, no qual recebe cerca de 300 mil euros (R$ 877 mil) por temporada, e foi um dos vários escolhidos pela federação local para se naturalizar a fim de fortalecer a equipe para não fazer feio como anfitriã do Mundial.

E até o momento, Capote tem correspondido à altura da confiança depositada pelos milionários qatarianos. Com 36 gols anotados em seis partidas, é o vice artilheiro da seleção. Sua atuação mais destacada foi em duelo contra a Eslovênia, ainda na primeira fase. Na partida que assegurou a classificação para as oitavas de final, o lateral direito anotou 12 gols no triunfo por 31 a 29.

No último domingo, no jogo das oitavas de final contra a Áustria novamente foi eleito o melhor em quadra. Fez sete gols na vitória por 29 a 27. Contra a Alemanha, nesta quarta, voltou a brilhar. Ele anotou oito gols e foi o artilheiro da partida.

"Ele sempre foi um jogador de muita força. Como era jovem, precisava melhorar outras características do jogo, mas, o arremesso já era muito forte. Hoje, está marcando muito bem e com maior versatilidade nos arremessos", disse  Washington Nunes, que ,se reencontrou com o cubano na estreia do Brasil, quando a equipe nacional caiu ante o Qatar por 28 a 23.

EFE/SRDJAN SUKI
Capote em duelo contra a seleção brasileira. Ele encara a marcação de Zeba, com quem jogou em São Caetano Imagem: EFE/SRDJAN SUKI

"Foi muito legal (reencontrá-lo). Ele agora já é um jogador consagrado, mas, antes do aquecimento veio conversar comigo, me deu um grande abraço e perguntou sobre as pessoas de São Caetano", disse Nunes.

O treinador diz que nunca pensou em naturalizar Capote brasileiro, mesmo porque não teve nem o tempo suficiente para isso.

"Como ele apareceu para jogar no final de 2007, iniciou-se um processo para que tivesse documentação para estar no Brasil poder trabalhar. Quando tudo corria bem, ele saiu para a Itália. Talvez se tivesse ficado alguns anos conosco, poderíamos pensar nisso, mas, naquele momento não houve nenhum pensamento a respeito", concluiu.

Confira todos os jogos das quartas de final do Mundial:

Hoje
Croácia 21 x 23 Polônia
Qatar 26 x 24 Alemanha
Eslovênia 23 x 32 França
Dinamarca 24 x 25 Espanha

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo