UOL Esporte Hipismo
 
16/09/2002 - 23h59

Com Baloubet, Rodrigo Pessoa busca o bi mundial

Por Eduardo Ohata
Agência Folha
Em São Paulo

O ginete brasileiro Rodrigo Pessoa começa a participar nesta terça do Campeonato Mundial, em Jerez de la Frontera, na Espanha, e passa a defender oficialmente, a partir de quarta-feira, o título que conquistou há quatro anos, na Itália. As atividades têm início nesta terça com as provas de aquecimento, que não têm influência na pontuação.

Pessoa, que formará conjunto com a montaria Baloubet du Rouet, busca contrariar o panorama apresentado consistentemente nos últimos meses pelo ranking da FEI (Federação Equestre Internacional) desde que o brasileiro perdeu a liderança na primeira listagem divulgada no ano passado. Desde então, Pessoa segue na segunda posição, sempre atrás do número um, o cavaleiro Ludger Beerbaum, da Alemanha.

Uma das melhores oportunidades para Pessoa ultrapassar Beerbaum aconteceu em junho passado, quando a diferença de pontos entre eles caiu para 110.

Ao final daquele mês, no entanto, o alemão havia conseguido de novo aumentar a vantagem sobre Pessoa para cerca de 500 pontos -no último ranking, a diferença entre os dois era de 738,5.

O brasileiro disse que as posições no ranking não o preocupam durante a disputa do Mundial por este ser um evento fechado.

"Não acho que o ranking influa no que acontecerá aqui no Mundial. Isso não tem nada a ver. Foi importante ficar mais de um ano na primeira posição (antes de ser ultrapassado pelo alemão), mas o importante neste momento é ir bem nas provas do Mundial", disse Pessoa, que na tarde desta segunda chegou ao local da competição.

Apesar de Baloubet ser lembrado até hoje como o cavalo que nos Jogos de Sydney-2000, após três refugos seguidos, custou a medalha de ouro a Pessoa, o cavaleiro defende a seleção da montaria.

"O Baloubet está numa forma muito boa, deu para perceber isso após a prova em Roterdã", disse nesta segunda, por telefone, o cavaleiro brasileiro, em alusão ao fato de terem vencido o GP disputado na Holanda, no fim de agosto. Essa foi a última competição que o conjunto disputou.

Depois da Olimpíada, Baloubet voltou a refugar em outras ocasiões, fazendo com que Pessoa perdesse novas provas.

A última vez em que isso aconteceu foi durante o GP do Concurso Internacional de Saltos de Aachen, na Alemanha, quando, por causa de dois refugos de Baloubet na primeira passagem, o conjunto brasileiro sequer conseguiu a classificação para a segunda. Segundo Pessoa, o cavalo se assustou diante de um obstáculo.

Também durante a final do GP do concurso internacional de Hachenburg, na Alemanha, em 2001, Baloubet refugou duas vezes e Pessoa, que havia sido campeão no ano anterior, ficou em décimo.

Foi somente no final de agosto que Pessoa definiu o cavalo com o qual participaria do Mundial. Ele também cogitava utilizar Lianos, montaria com a qual conquistou o título de campeão mundial, na Itália, há quatro anos.

"Não se trata de ter escolhido o que está melhor para o Mundial. O Baloubet tem mais vigor físico para enfrentar o evento, que é uma competição dura e com muitas provas para se chegar à final", justificou Pessoa, ao acrescentar que planejava utilizar Lianos em outra prova, em Calgary.

O Mundial representaria a maior vitória de Pessoa desde o ano 2000. Após o fracasso em Sydney, Pessoa, tricampeão da Copa do Mundo -em Helsinque-98, Gotemburgo-99 e Las Vegas-2000-, não voltou a vencer competições do nível do Mundial.

Nas edições da Copa do Mundo de Gotemburgo, em 2001, e Leipzig, em 2002 -quando Pessoa foi o único representante do país-, foi, respectivamente, vice-campeão e terceiro colocado.

Placar UOL no iPhone

Hospedagem: UOL Host