Esporte

Emirados Árabes entram na elite do judô. Graças a um judoca da Moldávia

IJF/G. Sabau and Zahonyi
Victor Scvortov (branco) derruba o russo Musa Mogushov nas quartas de final do Mundial Imagem: IJF/G. Sabau and Zahonyi

Do UOL, em São Paulo

27/08/2014 14h13

Victor Scvortov. O nome é russo, mas o judoca em questão nasceu na Moldávia, uma ex-República Soviética vizinha à Romênia. Nesta quarta-feira (27), ele subiu ao pódio do Mundial de Judô e nenhum desses países comemorou.

Desde 2013, o atleta compete pelos Emirados Árabes. E o bronze que conquistou na categoria leve (73kg) foi o primeiro da história do país em um Mundial de judô. Se continuasse competindo pela terra em que nasceu, o pódio perderia ineditismo.

A Moldávia, independente desde a década de 90, soma três medalhas na história da competição, uma de prata e duas de bronze. Rússia e Romênia também contam com longa histórico em Mundiais de judô, com mais de 50 medalhas conquistadas (sem contar as 57 da União Soviética).

Para países árabes, a história é mais restrita. Nenhum país da península arábica tinha, até o Mundial deste ano, uma medalha no torneio. Ampliando a área para o Oriente Médio, o Egito era o único árabe com pódios (duas pratas e dois bronzes) – Turquia (7), Israel (6) e Irã (5), que estão na região, não são países de etnia árabe.

O bronze de Scvortov, aliás, não foi a única surpresa do dia. Entre os homens, a final pode ser considerada surpreendente. O líder do ranking mundial, o esloveno Rok Drasic, e o atual campeão mundial, o japonês Shohei Ono, pararam nas oitavas. O campeão olímpico, o russo Mansur Isaev, nem mesmo competiu.

A final foi vencida pelo japonês Riki Nakaya. Não que ele seja uma surpresa, mas o agora bicampeão mundial (ele levou o ouro em Paris, em 2011) chegou ao torneio como o número dois de seu país – po numero 1 era Ono, que defendia o título e ainda tinha vencido o último campeonato japonês.

O outro finalista foi o norte-coreano Kuk Hyong Hong que, além do título asiático do ano passado, não tinha muitos resultados expressivos para mostrar. A outra medalha de ouro foi para o russo Musa Mogushov, apenas o 26º do ranking mundial.

Entre as mulheres, o torneio também viu resultados surpreendentes. O maior deles foi ainda na segunda rodada, com a campeã olímpica e mundial Kaori Matsumoto. Ela estava invicta desde 2011 no circuito mundial, mas perdeu para a norte-americana Marti Malloy em apenas 24 segundos, em uma chave de braço.

A líder do ranking mundial, a alemã Myrian Roper também não teve vida longa, perdendo em sua estreia para a cubana Liuska Ojeda. A brasileira Rafaela Silva pode entrar nessa lista também: ela chegou como atual campeã mundial, mas ficou em quinto lugar.

A medalha de ouro da categoria foi para outra japonesa, Nae Udaka, que venceu na decisão a portuguesa Telma Monteiro – que agora soma quatro finais em Mundiais e nenhuma vitória. Os bronzes ficaram com a holandesa Sanne Verhagen e com a francesa Automme Pavia.

Brasil aposta em Penalber na quinta

Na madrugada de quarta para quinta-feira, quem entra no tatame são os meio-médios (81kg para homens e 63kg para mulheres). E a aposta do Brasil fica em Victor Penalber, que já liderou o ranking mundial e chegou a Chelyabinsk em terceiro lugar. Ele estreia contra o armênio Rafael Davtyan. No feminino, quem luta é Mariana Silva, 11ª do ranking. Sua primeira rival é Laura Lopez, de Andorra.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo