Topo

Esporte

Não é só o sobrinho do sultão! Sete bilionários que se aventuram no esporte

Paulo Lisboa/BPP/AgNews
Piloto Xandinho Negrão, da Stock Car, exibe carro com homenagem pelos 70 anos do cantor Roberto Carlos Imagem: Paulo Lisboa/BPP/AgNews

Do UOL, em São Paulo (SP)

17/01/2018 04h00

Você conheceu nas últimas semanas a história de Faiq Bolkiah, sobrinho do sultão de Brunei e membro de um dos clãs mais ricos do mundo, mas que, mesmo diante de todo o conforto da vida de “rei”, busca o sonho de ser jogador de futebol profissional. No entanto, no mundo do esporte, o caso do jovem de 19 anos da base do Leicester não é único. São vários os exemplos de bilionários que possuem uma carreira em alto nível; alguns até alcançaram o topo.

Além de relembrar o caso de Bolkiah, o UOL Esporte conta mais sete casos de bilionários-atletas. Alguns nomes são conhecidos, como o canadense Lance Stroll, companheiro do brasileiro Felipe Massa na Williams em 2016. Outros, por outro lado, apenas fãs das modalidades específicas conhecem. Sabiam que há uma integrante da família real britânica que ganhou medalha olímpica recente? E que Xandinho Negrão, marido de Marina Ruy Barbosa, é herdeiro bilionário?
 

  • Reprodução/Instagram

    Faiq Bolkiah

    Faiq Bolkiah tem 19 anos e uma vida de rei. Na verdade, de sobrinho de sultão. Mais especificamente do sultão de Brunei, Hassanal Bolkiah, dono de uma fortuna de quase 20 bilhões de dólares (quase R$ 70 bilhões aproximadamente). Financeiramente realizado pela hierarquia familiar, o jovem ainda divide a rotina de luxo com o sonho de se tornar uma estrela do futebol e tenta a carreira em uma grande liga; no caso, a mais prestigiada do mundo, a inglesa. Leia mais

  • Al-Saadi al-Gaddafi

    Há alguns anos, outro parente de político também se aventurou no futebol. Filho de Muamar Kadafi (morto em 2011 por forças rebeldes da Líbia), Al-Saadi se aventurou na Europa em busca de uma chance no futebol profissional. Com o luxo de uma fortuna de mais de US$ 200 bilhões entre contas no estrangeiro, investimentos das estatais do país e propriedades, o terceiro filho do ditador líbio se aventurou na Itália ao ser contratado pelo Perugia em 2003. Atuou apenas uma vez; ainda passou por Udinese (um jogo) e Sampdoria (nenhum jogo), além de jogar pela seleção do país.

  • Lance Stroll

    Companheiro de Felipe Massa na Williams durante a temporada 2017 da Fórmula 1, Lance Stroll também nasceu em "berço de ouro". O canadense de apenas 19 anos é filho de Lawrence Stroll, investidor do ramo da moda, dono do circuito de Quebec e de uma fortuna na casa dos R$ 7,7 bilhões. Na primeira temporada, o jovem bilionário teve como melhor resultado a terceira posição no GP do Azerbaijão e terminou o ano na 12ª colocação. Agora, com a aposentadoria de Massa, pode assumir a função de principal piloto da escuderia.

  • Nasser Al-Attiyah

    Um dos cases de maior sucesso desta lista. Príncipe do Qatar, Nasser Al-Attiyah é bicampeão do Rally Dakar (2011 e 2015). O membro da família real qatari, contudo, também ataca de maneira vitoriosa em outras frentes. Ele disputou seis Jogos Olímpicos no tiro esportivo (entre Atlanta-1996 e Rio de Janeiro-2016). Em Londres-2012, ganhou a medalha de bronze na categoria tiro ao prato (skeet).

  • Zara Phillips

    Neta da rainha Elizabeth II, Zara Phillips nasceu em berço de ouro. Ela, uma das principais atletas de hipismo do país, é a 16ª pessoa na linha de sucessão ao trono britânico e usufrui das condições privilegiadas por possuir o sangue real; em relatório da consultoria Brand Finance, o patrimônio da monarquia alcança R$ 284 bilhões. Phillips é campeã mundial do concurso individual (2006) e ainda levou prata nos Jogos Olímpicos de Londres (2012); foi dela a primeira medalha da família real no maior evento esportivo do planeta.

  • Divulgação

    Yazeed Al Rajhi

    Mais um bilionário a se aventurar no mundo do automobilismo. Membro de uma família que tem investimentos em grandes bancos do Oriente Médio e dona de um capital de mais de R$ 5 bilhões, Yazeed Al Rajhi também é piloto de rali. O esportista da Arábia Saudita disputa o Mundial da modalidade e ainda o tradicional Rally Dakar. Al Rajhi acumula reconhecimento fora das corridas, como o fato de ser eleito em 2008 o primeiro saudita eleito embaixador da boa vontade da Unicef.

  • Saeed Almaktoum

    Membro da família real do Kuwait e filho do ex-emir do país, Saeed Almaktoum caçou desde jovem, prática comum entre os parentes. Porém, aos 34 anos, tornou o hobby uma profissão. Ele virou profissional e vencedor, assim como Nasser Al-Attiyah. Na Olimpíada de Atenas-2004, conquistou o ouro na fossa olímpica - a primeira medalha da história do país. Esteve no Rio de Janeiro para competir nos últimos Jogos.

  • Xandinho Negrão

    O representante brasileiro "da moda" nesta categoria. Casado com a atriz global Marina Rui Barbosa, o piloto da Stock Car também se inseriu no esporte profissional mesmo diante da situação extremamente privilegiada da família. Xandinho é herdeiro de uma fortuna bilionária construída pela família Negrão. O pai de Alexandre fez patrimônio com a indústria farmacêutica - transformou a Medley na década de 1990 e a vendeu por R$ 2 bilhões (valor corrigido para os dias atuais), segundo dados apresentados pela revista Forbes.

Mais Esporte