UOL Esporte Lutas
 
AP

Sensação, Jon Jones finalizou a luta no 3º round e faturou o cinturão dos meio-pesados

20/03/2011 - 01h43

Jones domina Shogun, nocauteia e se torna o mais jovem campeão do UFC

Do UOL Esporte
Em São Paulo

O reinado do brasileiro Maurício Shogun entre os meio-pesados durou pouco. Neste sábado, pelo UFC 128, em Newark, nos Estados Unidos, o curitibano de 29 anos foi derrotado em sua primeira defesa de cinturão. Em combate com a atual sensação do MMA, ele acabou nocauteado pelo norte-americano Jon Jones, no terceiro assalto.

Jones, de apenas 23 anos, tornou-se assim o mais novo campeão da história do UFC, ao conquistar o título da categoria meio-pesado, que antes de Shogun esteve nas mãos de Lyoto Machida. Vale lembrar que, antes da criação das divisões de peso, Vitor Belfort aos 19 anos ganhou torneio do UFC, em 1997.

Usando muito bem sua maior envergadura e contando com um estilo ousado, muita energia e confiança, Jones dominou o combate desde o primeiro assalto e não deu chances a Maurício Shogun. Esta foi a 14ª vitória do norte-americano, que só perdeu uma vez na carreira, em 2009.

“É tão bom, um sonho se tornando realidade. Se você acreditar em si mesmo, no seu coração, você pode”, comemorou Jones, que logo em seguida viu Rashad Evans se aproximar no octógono e realizar o desafio para seu próximo combate, a primeira defesa de cinturão em uma categoria de alta rotatividade de campeões.

JONES: DIA DE HERÓI FORA DO OCTAGON
Novo campeão teria impedido um furto

  • Twitter/Divulgação

    O desafiante de Maurício Shogun teve um dia agitado também fora do octógono. Segundo posts no seu Twitter, ele e seus técnicos impediram um furto na cidade de Newark, palco do UFC 128.
    Acredita? Leia a história completa!

A Shogun, que terminou o confronto com o rosto inchado e sangrando, restou lamentar e reconhecer a derrota. “A minha estratégia era dar meu melhor qualquer que fosse a área da luta. Mas ele foi melhor, então parabéns a ele”, disse ele, que resistiu o quanto pôde antes de o árbitro encerrar o combate, para lhe preservar.

Maurício Shogun não entrava no octógono desde a conquista do cinturão em maio de 2010 contra Lyoto Machida. Ele realizou uma cirurgia no joelho e teve de se afastar para a recuperação. Inicialmente, ele enfrentaria Rashad Evans, mas uma lesão do rival levou Jon Jones a ser convidado para seu lugar. Jones recebeu o chamado imediatamente após vencer Ryan Bader, ainda no ringue, e aceitou desafiar o brasileiro.

Desde então foram seis semanas de preparação, apenas, até entrar no octógono contra Shogun e lhe tomar o cinturão.

A luta

Logo no início do primeiro round, Jones começou mostrando seu repertório de golpes: em poucos segundos, acertou joelhada e tentou um chute rodado, levando o brasileiro para o chão. Os lutadores passaram a aplicar as técnicas de solo, sem grandes avanços nos primeiro momentos, com Shogun por baixo, enfrentando algumas dificuldades.

O brasileiro conseguiu levantar, mas sofreu fortes golpes e joelhadas, mostrando estar um tanto atordoado pelas investidas do jovem oponente.

RESULTADOS DO CARD PRINCIPAL

Maurício Shogun (BRA) x Jon Jones (EUA)
Meio-pesado: Jones vence, nocaute no 3º assalto
Urijah Faber (EUA) x Eddie Wineland (EUA)
Peso galo: Faber vence por pontos
Jim Miller (EUA) x Kamal Shalorus (IRA)
Peso leve: Miller vence por nocaute no 3º round
Nate Marquardt (EUA) x Dan Miller (EUA)
Peso médio: Marquardt vence por pontos
Brendan Schaub (EUA) x Mirko Crop Cop (CRO)
Pesado: Schaub vence por nocaute no 3º round

Jones controlou o primeiro assalto e também iniciou o segundo com bons chutes e uma excelente cotovelada rodada. A altura do norte-americano e sua envergadura dificultaram para que Shogun encontrasse a distância ideal durante todos os momentos do duelo.

Derrubado mais uma vez no meio do round, o então campeão se defendeu bem, mas levou golpes e passou a sangrar, já com o rosto inchado.

O brasileiro iniciou o terceiro giro tentando tomar a iniciativa, mas toda vez que encontrava seu raio de ação, levava chutes e socos. Shogun tentou levar a luta para o chão, mas o rival mais uma vez ficou por cima, castigando-o. Desta vez, Jones encontrou os espaços e, com socos e cotoveladas, forçou o árbitro a encerrar o combate, devolvendo o título aos Estados Unidos.

Cro Cop perde a 2ª seguida; Faber vence

Na primeira luta do card principal do evento em Newark, o lendário croata Mirko Filipovic, o Cro Cop, sofreu mais um revés. Ele fez uma luta quente com o norte-americano Brendan Schaub, pela categoria pesado, mas acabou nocauteado nos últimos minutos.

Cro Cop chegou a conseguir uma bela cotovelada em Schaub, que levou o rival a sangrar bastante pelo nariz. Mas, com um soco preciso, o croata foi para o chão e lá ficou, na nona vitória em dez lutas para o norte-americano.

Outra boa luta, com um nocaute técnico foi entre o norte-americano Jim Miller e o iraniano Kamal Shalorus. Miller conseguiu uma bela combinação de socos com uma joelhada e deixou o rival sem reação, obrigando o árbitro a encerrar o combate no terceiro assalto da luta entre pesos leves.

Por fim, na preliminar principal da noite, entre norte-americanos da categoria galo, o “queridinho” dos EUA Urijah Faber enfrentou Eddie Wineland. A luta foi muito parelha desde seu início. Truncado, o combate foi para a decisão por pontos.

Faber ficou com a vitória por decisão unânime, por ter conseguido ditar o ritmo do combate. Ele ficou por cima na maior parte da luta de solo e conseguiu golpear com mais precisão o rival, em sua 29ª luta, com 25 triunfos até aqui, aos 31 anos.

Brasileiros no card preliminar

O primeiro brasileiro a ir ao octógono em Newark foi Raphael Assunção. No card preliminar do evento, ele durou apenas 2min32s antes de ser nocauteado pelo lutador da casa Erik Koch. Foi a quarta derrota em 19 combates para Assunção.

BRASILEIROS NO CARD PRELIMINAR

Luis “Banha” Cane (BRA) x E. Marshall (EUA)
Meio-pesado: Banha vence, nocaute no 1º round
Edson Júnior (BRA) x Anthony Njokuani (NIG)
Peso leve: Edson vence por pontos
Ricardo Almeida (BRA) x Mike Pyle (EUA)
Peso meio-médio: Pyle vence por pontos
Gleison Tibau (BRA) x Kurt Pellegrino (EUA)
Peso leve: Tibau vence por pontos
Raphael Assunção (BRA) x Erik Koch (EUA)
Peso pena: Koch vence por nocaute no 1º round

Depois, foi a vez de Gleison Tibau ter mais sorte do que o compatriota. Contra o norte-americano Kurt Pellegrino, a luta durou os três rounds previstos e a vitória verde-amarela veio por pontos, no 22º triunfo em 29 combates de Tibau.

Pelos meio-médios, Ricardo Almeida entrou no octógono contra Mike Pyle, mais um lutador dos EUA, e perdeu por decisão unânime, pela 5ª vez em 18 lutas.

A segunda vitória do país veio em um bom combate de Edson Júnior, que segue invicto, em 8 lutas como profissional. O peso leve fez um combate duro com o nigeriano Anthony Njokuani e só venceu por pontos. O detalhe foi um chute no segundo final. Girando, o brasileiro atingiu em cheio a lateral da cabeça do adversário, num golpe que pode ter sido o mais bonito da noite e foi determinante para o resultado.

Também muito bem foi o meio-pesado Luis Cane, o Banha. O brasileiro vinha de duas derrotas, mas deu a volta por cima ao arrasar o norte-americano Eliot Marshall, com um nocaute no primeiro assalto.

 

Placar UOL no iPhone

Hospedagem: UOL Host