Topo

MMA

Roy Nelson esquece série negativa e fala até em disputa de cinturão no UFC

Warren Little/Zuffa LLC
Roy Nelson vem de três derrotas consecutivas no UFC Imagem: Warren Little/Zuffa LLC

Rodrigo Garcia

Do UOL, em São Paulo

06/02/2016 06h00

Uma das figuras mais carismáticas do UFC irá lutar neste sábado (05) por sua sobrevivência na organização. O peso pesado Roy Nelson, conhecido por sua barriga saliente, tentará se recuperar da sequência de três derrotas consecutivas contra Jared Rosholt no co-evento principal da noite.

Indo para a 16ª luta pela organização, ele não está preocupado com a sequência de resultados negativos. Em suas últimas três aparições, foi derrotado por Alistair Overeem, Josh Barnett e Mark Hunt, adversários que ocupam o topo do ranking da categoria. Para tentar emplacar sua primeira vitória em dois anos, o norte-americano mudou sua preparação e trouxe um brasileiro para aprimorar suas técnicas.

“Eu mudei as pessoas que estavam ao meu redor, que cuidam de mim. Agora, tenho pessoas mais dedicadas ao meu lado. O Fredson Paixão é muito bom tecnicamente e vai ajudar bastante meu jogo. Ele pode me deixar melhor, cuidar do meu balanço. Já tive uma evolução no jiu-jitsu. Eu tenho treinado jiu-jitsu há muito tempo, mas agora estou melhor. Tem sido muito bom”, declarou Nelson em entrevista ao UOL Esporte.

O experiente lutador de 39 anos não sente a pressão por resultados no UFC. Tanto que, mesmo com uma sequência negativa, aposta que duas vitórias poderiam coloca-lo em rota de colisão com Fabricio Werdum, atual campeão da categoria e que já o derrotou em 2012 por decisão unânime dos jurados.

“É uma divisão muito aberta, em que as pessoas têm derrotas, vitórias e revanches. Temos o Velásquez bem, o Miocic tendo um title shot. É uma divisão muito aberta e por isso que gosto dela. É difícil dizer quem é o melhor, mas acho que o Werdum, porque ele é um lutador completo e não costuma se colocar em perigo”, avaliou Nelson.

Ainda sobre o brasileiro, Nelson disse que gostaria de lutar novamente contra ele para apagar os erros cometidos no primeiro embate, assim como seria interessante ter revanches contra Junior Cigano e Cain Velásquez. No entanto, ao ser questionado sobre o adversário mais duro que já enfrentou, Nelson deu uma resposta inusitada.

“Provavelmente eu mesmo. Toda vez que entro para uma luta, eu acho que posso bater qualquer pessoa. Pelo menos é assim que eu olho (a situação). Mas eu tive alguns oponentes no passado que me levaram a ser um bom lutador”, relatou Nelson.

E, com a confiança em alta, o lutador sequer pensa em outra possibilidade que não seja continuar no UFC. O lutador descartou a possibilidade de seguir os passos do ex-campeão peso leve da organização, Ben Henderson, e migrar para o Bellator.

“O UFC me dá todas as possibilidades que eu preciso, sempre sigo em frente. Eu estou feliz aqui”, concluiu o lutador. 

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!