MMA

Após quebrar série de derrotas, brasileiro projeta luta da vida no UFC

Josh Hedges/Zuffa LLC UFC
Thales Leites se diz preparado para evoluir mais no Ultimate Imagem: Josh Hedges/Zuffa LLC UFC

09/08/2016 15h55

As derrotas já viraram passado para Thales Leites no UFC. Depois de dois reveses para Michael Bisping e Gegard Mousasi, o brasileiro reencontrou o caminho das vitórias ao seu melhor estilo. No último sábado (6), no UFC Fight Night 92, em Utah (EUA), o atleta colocou em prática seu jogo e na sua especialidade, que é o solo, finalizou o americano Chris Camozzi com um mata-leão no terceiro round.

Agora, depois de vencer e subir para 11ª colocação no ranking dos médios do Ultimate, Thales espera a luta da sua vida pela organização, já que para o brasileiro todos os próximos duelos são os mais importantes e sua confiança segue inabalável.

"A luta mais importante é sempre a próxima. Tinha total confiança que ia ganhar e o que podia fazer. Então meu próximo rival será a luta da minha vida", comenta, e acrescenta que as derrotas não abalaram sua moral:

"Minhas derrotas não tiraram meu foco. Não sou de me abater. Estou preparado e pronto para evoluir mais. Sabia que o Camozzi era um cara duro e por isso treinei bastante. Vencer dá um novo fôlego. Sempre respondi que não tinha pressão por causa das derrotas anteriores", completa.

As derrotas para o detentor do cinturão dos médios, Michael Bisping, e para Gegard Mousasi não tiram o sono de Thales Leites. Diferentemente de muitos lutadores, o niteroiense não sonha com uma revanche em especial e acredita que o momento certo chegará. Para ele, a divisão dos médios é a mais disputada de todo o Ultimate.

"A divisão está muito embolada. Tem bastante gente dura. No Top 10, qualquer um tem chance de ser campeão. Não tem ninguém em especial que queira enfrentar. Agora é aguardar o UFC, tirar uma semana de folga e ver quando vão me chamar. Se for uma revanche, seria legal, mas também não é algo que penso. Quero só lutar e contra os melhores", garante.

A vitória diante de Chris Camozzi, sua 26ª na carreira, serviu para mostrar a evolução de seu jogo. Para ele, o diferencial no confronto foi saber impor seu ritmo e conseguir apresentar tudo o que fez antes do combate.

"A evolução dessa luta foi muito boa. Fiz um jogo tático e técnico, estava preparado para tudo. A luta se encaminhou para o meu clinche, comecei a desenvolver e dominar mais. Fiz uma luta tática e estudada. Dominei ele completamente, fui frustrando o Camozzi. Ganhei dominando completamente, no terceiro teve uma pequena trocação e fui batendo até pegar o pescoço", comenta, completando:

"Busquei o jiu-jitsu e evitar me expor. Joguei o 'feijão com arroz' certinho, com paciência, não dando espaço, esperando ele se abrir até chegar a finalização" conclui.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Blog do Ohata
Redação
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Topo