MMA

Brasileiros pedem mais marketing e provocação a Aldo por retomada de espaço

AP Photo/John Locher
Imagem: AP Photo/John Locher

Pedro Ivo Almeida

Do UOL, no Rio de Janeiro

19/10/2016 06h01

Após a polêmica que já dura quase um mês, José Aldo e UFC se reúnem nesta quarta-feira (19) para uma conversa que visa esclarecer a relação estremecida. Enquanto o brasileiro pediu dispensa da organização e ameaçou aposentadoria, a entidade se organiza para conduzir o caso.

Para todos os envolvidos, a situação é delicada e imprevisível por enquanto. Ainda assim, alguns companheiros do lutador já sonham com o retorno do campeão e sugerem até em que pontos ele pode melhorar para evitar novos impasses do tipo.

E os conselhos não se limitam à área do octógono, onde Aldo é praticamente uma unanimidade, mas também aos bastidores do UFC. Para os companheiros do manauara, ele precisa rever alguns posicionamentos, caso retorne ao mundo das lutas.

Nomes como Thales Leite e Johnny Eduardo entendem que Conor McGregor só acumulou decisões favoráveis por uma lógica de mercado. Como sua imagem vende mais, o irlandês acabará sempre beneficiado.

“Na real, a culpa é de todos nós, que gostamos de ver o circo pegar fogo e alimentamos personagens como McGregor. Todos estarão lá assistindo à próxima luta. O UFC á buscava alguém assim. Tivemos o Bisping, o Sonnen e agora ele. Acharam um campeão polêmico. Ele já faturou mais que 95% dos lutadores. E isso com metade de lutas. Por que? Pela polêmica, porque vende. Precisamos parar com essa coisa de achar que isso é só um ideal. É uma profissão. As pessoas se vendem mesmo”, comentou Thales.

“O brasileiro tem que parar com essa coisa ‘samurai’, essa coisa doutrinada de que a luta é algo apenas para melhorar sua vida, um ideal. Claro que é. Mas é uma profissão, é negócio, é dinheiro também. Os lutadores de outros países lutam porque é uma profissão, porque dá dinheiro. Temos que encarar assim. Quando todos pensarem assim, seremos tratados de maneira igual. Não teremos mais essa diferença. Eu mesmo fiquei 11 meses fora e comecei a ‘atirar’ para todo mundo no Twitter. Tem que tentar. O Aldo tem uma patente alta. Precisa mudar, se vender mais. Falar mesmo, é campeão, tem moral para isso”, disse Johnny Eduardo.

No final de setembro, Aldo se revoltou com a decisão do UFC de colocar seu principal rival, o irlandês Conor McGregor, para disputar o cinturão dos pesos leves contra o norte-americano Eddie Álvarez sem precisar abandonar o título regular dos penas - como havia exigido a Aldo anteriormente e anunciou que estaria se afastando da organização.

“Espero que ele volte. E agora está fazendo a coisa certa. Buscando o seu, fazendo barulho, tentando. Esperamos que tudo se resolva e mude”, falou Thales Leite.?

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Redação
Ag. Fight
UOL Esporte - MMA
Na Grade do MMA
Blog do Ohata
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
UOL Esporte - Imagens
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Blog do Ohata
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Blog do Ohata
Redação
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Topo