MMA

Gadelha ressalta trabalho de equipes americanas: 'Brasil fica pra trás'

Midiática
Imagem: Midiática

Do Lancepress!

19/10/2016 17h32

Ex-desafiante dos palhas do UFC, Claudinha Gadelha quebrou o silêncio sobre a sua saída da academia Nova União, no Rio de Janeiro, para ir treinar na equipe de Greg Jackson, mesma de Jon Jones, em Albuquerque (EUA) e cuidar de seu próprio time, o "Claudia Gadelha's MMA & BJJ Academy", na Pensilvânia.

Vindo de derrota para a campeã Joanna Jedrzejczyk, em julho, a potiguar identificou que passou dos limites nos treinamentos, o que gerou seu cansaço precoce e a derrota por pontos. Treinando na América, a lutadora revelou a grande diferença entre a Nova União e os time americanos, em entrevista com jornalistas via Skype.

"No Brasil a gente treina muito, procura evolução, mas da maneira errada, porque acabamos treinando demais. Não é nem por falta de informação. É que o brasileiro é tão sofrido que quer muito, e treina demais. Mas às vezes isso não é a coisa certa. Aqui a diferença é essa, não digo que é nem pela estrutura em si. Eles sabem periodizar o treinamento melhor, descansam mais. Estou sentindo a diferença nessa parte. Nunca senti, em nenhum treino, o que eu senti na última luta. Meu braços pesaram, não consegui mais lutar. Revendo o que aconteceu, vi que exagerei com a vontade para vencer. Fiz 17 semanas de camp, é um absurdo. Treinar demais não é o certo e é isso que estou aprendendo, conhecendo outras equipes, outras mentalidades. O preparo físico foi o meu problema porque eu passei do ponto. Cheguei ao ponto em que deveria estar bem antes da luta e, ali na hora, meu corpo não estava mais aguentando. O meu auge aconteceu antes da luta e entrei em declínio", avaliou.

Faixa-preta da Nova União, Claudinha Gadelha garantiu que não deixou a equipe por conta de problemas particulares, mas ficou claro que sua relação com Andre Pederneiras se restringe ao campo profissional.

"Ainda existe vínculo com a Nova União por causa dessa parceria com o Jair Lourenço, que me formou e mudou minha vida aos 15 anos. É um cara que eu quero do meu lado para o resto da vida. Saí da Nova União, mas a Nova União não sai de mim. Continuo respeitando a equipe. Já a minha relação com o Dedé sempre foi muito profissional. A gente nunca foi muito amigo, muito parceiro. E continua do mesmo jeito. Se tiver que tratar alguma coisa profissional, eu vou ligar para ele ou ele vai me ligar. Não aconteceu nada demais. Eu precisava buscar evolução e a evolução está aqui. O Brasil fica para trás em algumas coisas, principalmente no esporte. Como quero melhorar, tive que vir para cá", encerrou.

O próximo passo da número um no ranking dos palhas dentro do octógono acontece no dia 19 de dezembro, diante de Cortney Casey, que ocupa a 14ª colocação, em evento que acontece em São Paulo.

 

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Ag. Fight
Redação
Blog do Ohata
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Blog do Ohata
Redação
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Topo