MMA

Retirado do UFC 212, Anderson Silva já substituiu Aldo e salvou card no Rio

AP/Felipe Dana
Anderson Silva não luta no Brasil há quase cinco anos Imagem: AP/Felipe Dana

Guilherme Dorini

Do UOL, em São Paulo (SP)

01/06/2017 04h00

Anderson Silva terminou de maneira frustrada sua segunda tentativa de voltar a lutar em solo brasileiro. Escalado como um dos protagonistas do UFC 212, que será realizado no próximo sábado (3), no Rio de Janeiro, Spider ficou sem rival após Kelvin Gastelum ser pego no doping e acabou fora do evento após não ter seus pedidos atendidos pela organização. O fato irritou o brasileiro, que, inclusive, já salvou um evento na capital carioca justamente quando José Aldo, protagonista deste final de semana, não conseguiu se recuperar de uma lesão.

AP/Felipe Dana
Bonnar após receber joelhada de Spider Imagem: AP/Felipe Dana

O UFC Rio 3, também conhecido como a edição 153 da organização, teve uma longa novela até chegar ao card final, com os lutadores que realmente entraram no octógono em outubro de 2012. A princípio, o evento teria José Aldo – que já havia ficado de fora do UFC 149 por lesão – defendendo cinturão contra Erik Koch. No entanto, o norte-americano se lesionou e acabou substituído pelo ex-campeão dos pesos-leves Frankie Edgar.

O problema é que, faltando pouco mais de um mês para o evento, o brasileiro sofreu um acidente de moto e, com uma lesão no pé, acabou cortado do UFC 153. Como o evento era numerado, ou seja, uma edição pay-per-view, era preciso uma luta (ou um lutador) à altura para manter o interesse dos torcedores. E adivinhem quem aceitou “salvar” o evento? Ele mesmo: Anderson Silva.

Anderson Silva já era campeão dos médios (até 84 kg) há anos, mas como tinha pouco tempo para se preparar (e cortar peso), aceitou lutar nos meio-pesados (93 kg) contra Stephan Bonnar, vice-campeão da primeira temporada do The Ultimate Figher e que vinha embalado por três vitórias consecutivas.

AP/Felipe Dana
Anderson Silva esquiva de socos de Stephan Bonnar no UFC Rio 3 Imagem: AP/Felipe Dana

“Isto é UFC da velha escola. Um card está em perigo, mas caras que são campeões mundiais e superastros apareceram, pularam dentro e salvaram o card”, disse Dana White na época - o evento ainda contou com a entrada de Rodrigo Minotauro e Fábio Maldonado em cima da hora.

Mesmo mais pesado, Anderson Silva abusou das esquivas e até foi acertado por alguns socos de Bonnar, mas isso pouco abalou o brasileiro. Spider fez graça e esperou os 30 segundos finais do primeiro round para explodir para cima do adversário, acertando uma joelhada mortal e finalizando o combate com socos no ground and pound até ser declarado vencedor por nocaute técnico. Foi a última grande exibição de Anderson no UFC.

REVOLTA DE SPIDER

A luta contra Bonnar foi a última de Anderson Silva em solo brasileiro. De lá para cá, Spider até esteve escalado para um evento no Brasil – UFC 198, em Curitiba –, mas uma cirurgia de última hora na vesícula acabou o deixando fora do evento – o primeiro em um estádio de futebol no país e na cidade onde o lutador foi criado, o que aumentou a frustração.

Anthony Geathers/Getty Images/AFP
Anderson Silva acabou fora do UFC 212 Imagem: Anthony Geathers/Getty Images/AFP

Anderson, então, lutou mais duas vezes e foi escalado para o UFC 212, no Rio de Janeiro. Após Gastelum ser flagrado no exame antidoping, a organização começou a procurar e oferecer rivais para ele, a maioria recusado, como Luke Rockhold e até mesmo Vitor Belfort.

A preferência de Anderson Silva era uma luta contra Yoel Romero pelo cinturão interino da categoria – já que Michael Bisping ainda não está pronto para defender seu título linear. O brasileiro ameaçou até se aposentar caso não recebesse a oportunidade, mas de nada adiantou. Dana White não aceitou sua pressão e ele acabou, mais uma vez, fora de um evento no Brasil.

"Nunca fiquei tão decepcionado com o UFC. Acho que já deu. Lutei por grande tempo na minha vida. Tenho meu legado, minha história. É muito frustrante porque é a segunda vez que não consigo lutar no meu país. Luto em Londres, em diferentes países, e nunca acontece no meu país. Segunda vez! Estou muito frustrado. Os caras não respeitaram minha história, meu legado no esporte. Eu não acredito nisso. Nada faz sentido. Não acredito nisso", desabafou.

UFC 212 - 3 de junho, no Rio de Janeiro

Acompanhe na íntegra, em tempo real, no Placar UOL Esporte a partir de 19h30.
 
CARD PRINCIPAL
 
José Aldo x Max Holloway (peso-pena)
Cláudia Gadelha x Karolina Kowalkiewicz (peso-palha)
Vitor Belfort x Nate Marquardt (peso-médio)
Paulo Borrachinha x Oluwale Bamgbose (peso-médio)
Erick Silva x Yancy Medeiros (meio-médio)
 
CARD PRELIMINAR
 
Raphael Assunção x Marlon Moraes (peso-galo)
Antônio Cara de Sapato x Eric Spicely (peso-médio)
Johnny Eduardo x Mathew Lopez (peso-galo)
Iuri Marajó x Brian Kelleher (peso-galo)
Viviane Sucuri x Jamie Moyle (peso-palha)
Luan Chagas x Jim Wallhead (meio-médio)
Marco Beltrán x Deiveson Alcântara (peso-galo)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Na Grade do MMA
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Redação
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Na Grade do MMA
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Blog do Ohata
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Redação
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
Ag. Fight
UOL Esporte vê TV
Topo