Topo

MMA


Pupilo de Aldo vence e Alves chama Rio de "quintal" no card inicial do UFC

Leandro Bernardes Lopes/Ag. Fight
Raoni Barcelos comemora vitória sobre Carlos Huachin no UFC 237, realizado no Rio de Janeiro Imagem: Leandro Bernardes Lopes/Ag. Fight

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

2019-05-11T22:34:14

11/05/2019 22h34

Quem quis acompanhar o UFC Rio 10 desde cedo hoje (11) não se arrependeu do card preliminar. Com uma oferta gigante de socos, chutes e duelos vencidos por nocaute, a Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro, foi à loucura, principalmente com as vitórias do conterrâneo Raoni Barcelos, que é "pupilo" de José Aldo, e de Warlley Alves, que chamou a capital carioca de "seu quintal".

Viviane Araújo atropela compatriota

Na luta de abertura do card preliminar, Viviane Araújo não deu chances para a também brasileira Talita Bernardo. Conectando golpes duros desde o início do combate, ela venceu por nocaute sua adversária aos 48 segundos do terceiro round ao explodir um potente soco de direita que levou a rival à lona.

"A gente já estava espertando esse chamado do UFC há muito tempo, eu estava só esperando. Estava preparada psicologicamente e fisicamente. É diferente, porque o UFC é um evento grandioso, mas eu venho trabalhando com minha psicóloga esportiva e estava pronta", disse Viviane.

Arbitragem interrompe luta e dá vitória a Barcellos

Na sequência, o carioca Raoni Barcelos, pupilo de José Aldo e cria do bairro de Marechal Hermes, no subúrbio do Rio de Janeiro, foi ao octógono enfrentar o peruano Carlos Huachin e levantou a galera na Jeunesse Arena. Após um primeiro round duro, onde o brasileiro não se encontrou na trocação, ele voltou para o round 2 orientado a levar seu adversário para o chão. Depois de um potente golpe, atingiu seu objetivo e, dali em diante, o rival passou a virar um passageiro da agonia, tentando se defender da surra que levava até a arbitragem interromper a luta e dar a vitória a Barcelos.

"Quero agradecer o Carlos Huachin por ele ter aceitado a luta com 10 dias. Foi difícil de preparar, eu estava treinando com um destro e ele é canhoto, mas isso não é desculpa. Fiz meu segundo plano, que é usar meu wrestling e meu jiu-jítsu, e foi isso, graças a Deus, mais uma vitória", declarou Barcelos.

Raoni treinou wrestling com Aldo durante muitos anos e antes de ingressar no MMA. Quando se encontraram no hotel que serve de concentração do UFC no Rio, Barcelos proporcionou uma das cenas mais emocionantes nos dias que antecederam ao evento ao demonstrar toda sua idolatria pelo "campeão do povo".

Dread vence em luta equilibrada

Numa luta bastante equilibrada entre brasileiras, Luana Dread venceu Priscila Pedrita por decisão unânime dos jurados (30-26, 30-26, 29-27). Na chamada "trocação franca", foram muitos os momentos que levantaram o público, mas Dread se fez vale de sua grande envergadura para aplicar bons chutes. Um deles, inclusive, quase nocauteou Pedrita no segundo assalto. No fim, ambas se abraçaram e foram aplaudidas.

Werlley magoa coxa de Serginho e o nocauteia

Num dos confrontos mais esperados do card preliminar, o brasileiro Warlley Alves não deu chances para o seu compatriota Serginho Moraes.

Desde o início da luta, Alves focou em chutes na coxa esquerda de seu adversário. Aos poucos, a perna de Moraes foi ficando bastante incomodada e ele tinha dificuldades no caminhar.

Especialista em jiu-jitsu, Serginho não conseguiu em nenhum momento levar a luta para o chão. Em cima, Warlley reinou e, no terceiro round, com um potente gancho, fez com que o rival desmontasse no octógono.

Após o resultado, Alves chamou o Rio de Janeiro de "seu quintal" pela proximidade em que mora da Jeunesse Arena:

"Moro a dois quilômetros daqui, é meu quintal, ninguém vai tirar onda aqui. Eu treinei todo dia para esta luta. Meu kickboxing é melhor, meu boxe é melhor, meu MMA é melhor".

Thiago Moisés por pouco não vence por nocaute

O brasileiro Thiago Moisés também conseguiu levantar o público na Jeunesse Arena e, por pouco, não obteve sua vitória sobre o americano Kurt Holobaugh por nocaute, já que a luta foi encerrada enquanto lutador marretava o rosto de seu adversário no octógono. O resultado, porém, veio por pontos em decisão unânime (30-26, 30-26, 30-27).

Bethe Correia é finalizada

Alçada para o card principal após o duelo entre Francisco Massaranduba e Diego Ferreira ser cancelado por conta de problemas clínicos de Ferreira, a luta entre Bethe Correia e a mexicana Irene Aldana foi disputada, mas a estrangeira - que já vinha se sobressaindo nos dois primeiros rounds - aplicou uma chave de braço na brasileira e venceu por finalização.

Veja como foi o UFC 237, neste sábado (11), no Rio de Janeiro:

Card principal

Peso-palha: Jessica Bate-Estaca (BRA) vence Rose Namajunas (EUA) aos 2m58s do segundo round
Peso-médio: Jared Cannonier (EUA) venceu Anderson Silva (BRA) por nocaute técnico aos 4m47s do primeiro round
Peso-pena: Alexander Volkanovski (AUS) venceu José Aldo por decisão unânime (triplo 30-27)
Peso-meio-médio: Laureano Staropoli venceu Thiago Pitbull por decisão unânime (30-27, 30-27, 29-28)
Peso-galo: Irene Aldana (MEX) venceu Bethe Correia (BRA) por finalização aos 3m24s do terceiro round

Card preliminar

Peso meio-pesado: Ryan Spann (EUA) venceu Rogério Minotouro (BRA) por nocaute aos aos 2m07s do primeiro round
Peso-leve: Thiago Moisés (BRA) vence Kurt Holobaugh (EUA) por decisão unânime (30-26, 30-26, 30-27)
Peso-meio-médio: Warlley Alves (BRA) venceu Sérgio Moraes (BRA) por nocaute no terceiro round
Peso-leve: BJ Clay Guida (EUA) venceu BJ Penn (HAV) em decisões por pontos (29-28, 29-28, 29-27)
Peso-mosca: Luana Dread (BRA) venceu Priscila Pedrita (BRA) por pontos
Peso-galo: Raoni Barcelos (BRA) venceu Carlos Huachin (PER) por nocaute técnico aos 4m49s do segundo round
Peso-galo: Viviane Araújo (BRA) venceu Talita Bernardo (BRA) por nocaute aos 48s do terceiro round