Topo

MMA


Após brilhar como "musa do Vasco", modelo vira lutadora e sonha com UFC

Adriano Wilkson/UOL
Jamila Sandora, lutadora de MMA, faz luta no SFT, em São Paulo Imagem: Adriano Wilkson/UOL

Adriano Wilkson

Do UOL, em São Paulo

2019-05-25T04:00:00

25/05/2019 04h00

Aos 36 anos, a modelo Jamila Sandora sonha com uma carreira inusitada para quem desde os 15 anos desfila por passarelas e brilha em ensaios fotográficos sensuais. Na noite de hoje (25), no ginásio do Pacaembu, Jamila disputará seu quinto combate como lutadora profissional de MMA. A luta contra a paulista Cláudia Leite será a primeira do card principal do SFT, que terá transmissão da Band, a partir das 20h.

Jamila é cria da Paraná Vale-Tudo, equipe fundada por Giliard Paraná, que tem cerca de 20 mulheres treinando e lutando em eventos do Rio de Janeiro. Como modelo, ela se destacou como "musa oficial" do Vasco da Gama em concursos de beleza. Chegou a ficar na terceira posição em franquias como o "Belas da Torcida", do UOL Esporte, e o "Musa do Brasileirão".

Antes de chegar ao time, Jamila foi ring girl em vários torneios.

Um dia, olhando do lado de fora do octógono, eu pensei: 'Consigo bater mais forte que essa menina'. Aí decidi treinar de verdade".
Jamila, depois da pesagem do SFT ontem

Divulgação
Imagem: Divulgação

No primeiro treino na PRVT, Jamila tomou uma surra de Jéssica Bate-Estaca, que mais tarde se tornaria campeã peso palha do UFC, e é o principal nome da equipe. "Meu treinador ensinou que além de saber bater é preciso saber apanhar."

Em dois anos, a modelo e lutadora acumulou quatro vitórias em suas quatro lutas e chega ao SFT, cujos cards trazem combates entre cariocas e paulistas, como um dos nomes mais populares do evento. Com seus 183 mil seguidores no Instagram, a atleta é procurada por promotores que buscam tomar emprestado um pouco de sua popularidade.

"Tento trabalhar esse lado [redes sociais] porque sei que isso é importante também", afirmou a lutadora, que foi a única atleta tietada durante a pesagem do SFT no portão principal do Pacaembu - além, obviamente de Jéssica Bate-Estaca, que apareceu para ajudar suas companheiras.

Jamila pretende levar paralelamente suas duas carreiras, de modelo e lutadora, enquanto for possível. Ela costuma marcar seus compromissos de fotos e passarelas para semanas depois das lutas, de maneira que possa se recuperar de possíveis lesões e ferimentos. Por onde anda, torcedores costuma provocá-la, chamando-a de "musa do Flamengo", mesmo ela tendo no corpo duas tatuagens em homenagem ao Vasco.

"Eles sonham com isso, mas podem continuar sonhando. Vou ser sempre vascaína", afirma ela, que ocupou manchetes em 2016 ao fazer topless em pagamento a promessa pela volta do time cruzmaltino à primeira divisão.

Caso vença hoje, ela pretende dar um passo para se aproximar do UFC, o sonho de todo lutador de MMA. "Acho que tenho condição de participar do Contender. Tudo é possível", disse ela, em referência ao reality show que seleciona lutadores para o UFC.