Esporte

Presidente da CBDA questiona investigação do MPF e fala em ato eleitoreiro

Divulgação
Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

21/09/2016 16h37

O presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Coaracy Nunes, emitiu uma nota oficial nesta quarta-feira na qual questiona a ação aberta pelo Ministério Público Federal de São Paulo que pede o bloqueio do seus bens e afastamento da presidência da entidade que dirige desde 1988.

O cartola é acusado de improbidade administrativa e de desvio de recursos públicos e fraudes em prestações de contas de convênios do Ministério do Esporte. A denúncia atinge também o diretor financeiro da entidade, Sérgio Ribeiro Lins de Alvarenga. 

"Causa estranheza o fato da CBDA estar sediada no Rio de Janeiro e a investigação ser feita pelo Ministério Público de São Paulo. Curiosamente o candidato de oposição à atual gestão da CBDA é justamente o presidente da Federação Paulista", questiona Coaracy.

Ele diz se tratar de uma jogada política, uma vez que no ano que vem a CBDA terá eleição para a presidência. Critérios e regras serão discutidos em assembleia na próxima quarta-feira.

"Outro fato curioso reside que no início do ano, às vésperas da Assembleia Geral Ordinária da CBDA, o MPF notificou todos os Presidentes das Federações gerando repercussão midiática. A história se repete eis que o MPF decidiu divulgar suas ações novamente às vésperas da Assembleia Geral Extraordinária da CBDA marcada para 28/9/16", diz Coaracy.

"As acusações e pedido de afastamento de dirigentes de uma associação de natureza privada democraticamente eleitos denotam o cunho eleitoreiro do inquérito, cuja conclusão, após a devida apuração dos fatos demonstrará a legalidade dos atos praticados", completa.

O mandatário afirma também que coloca a disposição para consulta documentos que provam que todos os equipamentos comprados para atletas de maratonas aquáticas, nado sincronizado e polo aquático com dinheiro público - por meio de convênio com o Ministério do Esporte foram utilizados pelos esportistas.

"A CBDA possui em seus arquivos, disponíveis para consulta, cópias dos comprovantes de compra e entrega de todos os equipamentos utilizados para preparação dos atletas, não havendo o que se falar de desvio de dinheiro público".

Coaracy negou também fraude no processo licitatório para aquisição de tais equipamentos. Segundo o Ministério Público, do total de R$ 1,56 milhão, 79% foram pagos a uma empresa de fachada, a Natação Comércio de Artigos Esportivos, principal beneficiária das fraudes.

"A empresa Natação Ltda. foi vencedora apenas para fornecimentos dos itens em que orçou o melhor preço. Outras empresas, naturalmente, foram vencedoras para fornecimento de outros itens, sempre resguardado o melhor preço e o princípio da moralidade. Foi a primeira licitação promovida pela CBDA vencida (parcialmente) pela empresa Natação Ltda. que não tem qualquer vínculo com a CBDA ou seus dirigentes. Quanto ao endereço da empresa Natação Ltda., antes de assinar o contrato a CBDA verificou o endereço constante no contrato social e no cadastro nacional de pessoas jurídicas, não podendo lhe ser imputada responsabilidade em caso de divergência de endereço que pode decorrer inclusive de uma simples mudança", justifica.

 

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Esporte

Topo