Esporte

PF prende Coaracy e mais 2 em desvio de verbas públicas no esporte aquático

JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Coaracy Nunes, presidente afastado da CBDA, é detido na operação Águas Claras da Polícia Federal Imagem: JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Bruno Thadeu, Demétrio Vecchioli e Luiza Oliveira

Do UOL, em São Paulo

06/04/2017 08h54Atualizada em 06/04/2017 15h50

A Polícia Federal prendeu três pessoas e encaminhou outras cinco de forma coercitiva para unidades da polícia no Rio de Janeiro e São Paulo. A Operação Águas Claras investiga desvio de verbas públicas que foram repassadas para a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA).

Os presos são Coaracy Nunes Filho, que deixou a presidência da entidade há duas semanas, depois de encerrado seu mandato, o diretor financeiro da entidade, Sérgio Ribeiro Lins de Alvarenga, e o coordenador de polo aquático, Ricardo Cabral. O gerente de natação, Ricardo de Moura, considerado o braço-direito de Coaracy, é o alvo do quarto mandado, mas está foragido.

Todos os detidos estavam no Rio de Janeiro e integravam a cúpula da entidade que rege a natação, polo aquático, nado sincronizado, saltos ornamentais e maratona aquática. Com Coaracy afastado, a CBDA é presidida interinamente pelo interventor judicial Gustavo Licks.

A PF ainda cumpriu cinco pedidos de condução coercitiva (quatro em São Paulo e uma no Rio de Janeiro) e 16 mandados de busca e apreensão (dez em São Paulo e seis no Rio). As medidas foram expedidas pela 3ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

Coaracy responde a processo 0020642-46.2016.4.03.6100 na Justiça Federal por ter supostamente desviado R$ 42,3 milhões em recursos públicos.

Poucos dias antes de ser preso, Coaracy falou com o UOL Esporte e exaltou seu trabalho à frente da entidade.
 
"Eu vi hoje nessa assembleia que meu prestígio está intacto. Uns choraram, outros não sei o que. Eu me emocionei também. Minha missão foi cumprida. Minha paixão pelo esporte aquático redundou nisso, fazer coisas realmente concretas. Eu fiz."
 

Empresa de fachada e contratações suspeitas

 

As investigações, iniciadas pelo Ministério Público de São Paulo, apuram o destino de cerca de R$ 40 milhões em recursos públicos repassados à CBDA e que não teriam sido devidamente aplicados nos esportes aquáticos. Entre as fraudes, estão licitações para aquisição de equipamentos de natação no valor aproximado de R$ 1,5 milhão, pagos com recursos de um convênio com o Ministério do Esporte.

Há indícios de que a empresa vencedora seja apenas de fachada, pois em seu endereço na capital paulista funciona um pet shop. A CBDA sempre alegou que os equipamentos comprados foram entregues.

A Justiça investiga os últimos 5 anos de repasse de verbas para a CBDA. 

“Foram analisados 3 convênios, um no valor de R$ 5 milhões de reais, para o polo aquático, mas não houve elementos que comprovassem a aplicação no polo”, informa Rodrigo de Campos Costa, delegado Regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado.

Também é objeto da Operação Águas Claras, a contratação com suspeitas de irregularidade de agência de turismo, que venderia passagens aéreas e hospedagens para os atletas com preços superfaturados.

“Foi constatada que a mesma agência trabalha há mais de 10 anos para a CBDA. Na licitação participavam três agências de turismo, mas tinham mais duas empresas de fachada, o que dava aparência de legalidade na concorrência. As empresas de fachada só participavam e a mesma empresa sempre sagrava-se vencedora. Os sócios dessas empresas moram em comunidades, não declaram imposto de renda, não têm funcionários”, disse Rodrigo de Campos Costa.

A operação ainda apura uma suposta apropriação de premiação de US$ 50 mil dólares que deveria ter sido repassada a atletas após torneio na Itália.

A acusação ainda incluiu a ausência da seleção brasileira masculina júnior para o Mundial do Cazaquistão, no ano passado, sob o argumento de falta de recursos. Mas o convênio com o Ministério do Esporte incluía essa competição.

 De acordo com a Polícia Federal, os acusados poderão responder pelos crimes de peculato, associação criminosa e fraude a Lei de Licitações. A operação é executada pela Polícia Federal, em conjunto com Ministério Público Federal de São Paulo e Controladoria-geral da União.
 

Coaracy comandou a CBDA por quase 30 anos

Coaracy Nunes assumiu o comando da entidade em 1988. Ele chegou a ser afastado em setembro do ano passado, depois de o Ministério Público Federal de São Paulo ter concluído que a atual diretoria da CBDA cometeu ilícitos e gestão temerária de recursos públicos. 

O mandatário voltou ao cargo apenas em novembro, depois de o Tribunal Regional Federal de São Paulo ter cassado a liminar anterior. Mas em fevereiro de 2017 ele foi novamente afastado.
 
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Esporte

Topo