Esporte

Elite da natação pede que Correios mantenham patrocínio após escândalo

Buda Mendes/Getty Images
Imagem: Buda Mendes/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

08/04/2017 17h22

César Cielo, Thiago Pereira, Bruno Fratus, Joana Maranhão, Leonardo de Deus, Ana Marcela Cunha... a elite da natação brasileira se uniu neste sábado para apelar aos Correios para a estatal rever sua decisão de interromper o patrocínio à modalidade.

A empresa havia anunciado o fim da parceira na quinta-feira, depois que uma operação da Polícia Federal prendeu Coaracy Nunes, presidente afastado da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), sob a suspeita de desvio de recursos públicos comandado por ele e outros três dirigentes da entidade, Sergio Alvarenga, Ricardo Cabral e Ricardo de Moura. Moura foi o único que não foi preso na quinta, quando a operação Águas Claras foi deflagrada.

Outras cinco pessoas sofreram condução coercitiva no decorrer do processo.

Os Correios mantinham acordo de patrocínio com a CBDA há 20 anos, e neste sábado vários atletas se manifestaram através de seus perfis nas redes sociais tentando convencer a estatal a rever a decisão e mante o repasse. Eles aproveitaram a comemoração pelo dia da natação, 8 de abril, para postar suas mensagens.

“Aos CORREIOS:”, escreveu Cesar Cielo, o nadador brasileiro mais bem-sucedido na história, “nós dividimos conquistas e sempre estivemos juntos. No dia da natação (8 de abril) a minha homenagem vai ao maior parceiro da natação brasileira. Obrigado por tudo! #FicaCorreios.”

Thiago Pereira, o maior medalhista da história dos Jogos Pan-americanos, que se aposentou em março, postou uma foto com sua coleção de medalhas e a frase: “Jogos Pan-Americanos, 2003-2015: eu não estava sozinho. Os correios estavam comigo. #ficacorreios #anataçãoprecisadevocês”

Joana Maranhão, que mesmo antes do escândalo eclodir sempre criticou o que chamava de “ditadura da CBDA”, também pediu à estatal para manter o patrocínio, assim como Bruno Fratus, que também representou o Brasil na Olimpíada do Rio.

De acordo com o processo da operação Águas Claras, os Correios repassariam R$ 11,4 milhões à CBDA em 2016 e 2017. Neste ano, a quantia era de R$ 5,35 milhões.

Os Correios afirmaram que já haviam reduzido com pesar o patrocínio à confederação por questões de orçamento, mas o impacto negativo do escândalo fez com que a empresa buscasse as "medidas legais cabíveis previstas para rescindir o atual contrato de patrocínio", válido para o período de 2017 a 2019.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Esporte

Topo